"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Como era a vida espiritual de Santa Teresa de Calcutá?

  ACI Digital | Jun 21, 2017
© Terry Fincher/Gettyimages
Entre outras coisas, ela era sempre a primeira a chegar à capela para demonstrar a Jesus quanto o amava

A Madre Teresa de Calcutá era a primeira a chegar à capela de sua casa às 5h para começar o dia em oração. A Missa diária e a confissão semanal foram os elementos básicos da vida espiritual da futura santa.

Na véspera da sua canonização, a irmã Mary Prema, segunda sucessora da Beata como superiora das Missionárias da Caridade, e o postulador de sua causa, Pe. Brian Kolodiejchuk, estiveram na sexta-feira no Vaticano e revelaram vários detalhes da intensa relação de Madre Teresa com a oração.

–– ADVERTISEMENT ––

“Na vida das religiosas, o amor de Jesus era sempre colocado em prática. Durante a oração, às 5 da manhã, ela era sempre a primeira a chegar à capela para demonstrar a Jesus quanto o amava”, explicou Irmã Prema.

“Depois da oração e da Missa, ela estava preparada para ajudar a todos. Dedicava todo o seu tempo a dar instruções às irmãs de como viver de modo prático esta experiência de espiritualidade, de abandono frente ao Senhor”, acrescentou.

“Cada vez que fracassávamos em algo, ela sempre nos exortava a continuar. Eu sempre senti esta proximidade dela, sempre nos levava cada vez mais perto de Jesus e da Virgem Maria”.

Por sua parte, o Postulador da Causa, o Pe. Brian Kolodiejchuk, expressou que “é justo que Madre Teresa seja canonizada neste Ano da Misericórdia, porque ela era consciente da misericórdia de Deus e da pobreza”.

“Este Ano nos recorda que frente a Deus todos procuramos misericórdia, somos como mendicantes que temos necessidade de amor, perdão e misericórdia”.

O sacerdote revelou que “ela se confessava regularmente pelo menos uma vez por semana”. “Não via a confissão como uma rotina, mas a importância deste encontro da misericórdia. Conhecia as debilidades humanas e devo dizer que era particularmente agradecida pelo fato de que seus pecados e debilidades pudessem ser perdoadas graças ao amor de Deus”.

Sobre a sua crise de fé, explicou que, graças à “escuridão que sofreu, começou a depender da misericórdia de Deus e, ao saber que havia experimentado esta misericórdia, era consciente de ter que dá-la aos outros”.

“Fez votos de nunca rechaçar Jesus. Compreendia o que significava a escuridão para ela”, assegurou.

Irmã Prema também falou sobre a “noite escura” ou crise de fé que a Madre Teresa sofreu durante algum tempo, assim como muitos santos. “Ela não falava desta experiência de escuridão, pelo menos para mim, mas não nos surpreende porque o amor e a profundidade deste abandono a Deus eram uma experiência muito importante e pessoal. Para ela, abandonar-se a Deus era muito importante”.

Irmã Prema acrescentou que “seu sorriso era o melhor presente para Jesus e para nós mesmas. As pessoas, ao verem este sorriso, não sentiam tristeza no coração e entendiam que dela derivava uma esperança e amor pelo Senhor”.

A respeito de como vivia sua pobreza, a superiora explicou que “era muito simples, muito atenta a não ter nada em particular, nada extra”. “Sempre era muito obediente e, quando o médico receitava alguns remédios para ela, obedecia às indicações”.

“Ela pensava que todos fomos criados para amar e ser amados” e isto “o demonstrava às pessoas”.

(via ACIdigital)
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com