sábado, 23 de fevereiro de 2019

Pe. Geovane Saraiva na Revista digital mais completa do Brasil

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé e texto
Resultado de imagem para clamor por solidariedade geovane saraiva




sábado, 16 de fevereiro de 2019

Vocação de pescadores de homens

Padre Geovane Saraiva*
Na liturgia do 5° Domingo do Tempo Comum vemos a vocação de três figuras singulares da história do povo de Deus: Isaías, Pedro e Paulo. Deus os chama, mas antes de confiar a missão inerente ao chamado, de um modo terno e afável, se revela e se dá a conhecer. Quão maravilhoso é o profeta Isaías! Em seu inaudito testemunho, ele afirma: "...Vi o Senhor sentado num trono de grande altura...", com serafins prostrados diante de Deus em adoração e cantando: “Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos”. E, diante da incalculável grandeza e santidade, acha-se pecador e indigno, ao presenciar o próprio Deus, mas uma voz forte lhe fala: “Quem enviarei? Quem irá por nós?”. Nota-se um Isaías vencido por Deus, respondendo num instante: “Eis-me aqui! Envia-me” (cf. Is 8).

Imagem relacionadaJesus de Nazaré dirige seu primeiro chamado a Pedro e seus companheiros de pescaria, uma vez que, até aquele momento, contava com eles, mas não como discípulos assíduos ao projeto salvífico do Pai. A partir do momento em que eles descobrem a verdade absoluta de Jesus, no poder de suas palavras e na milagrosa pesca, aí, sim, ficam conscientes e dispostos para seguir o Mestre mais de perto, na tarefa de evangelizar e na palavra incisiva de Jesus: "De hoje em diante tu serás pescador de homens” (Lc 5, 10). Esse seguimento é o do desprendimento, da renúncia, acompanhado da liberdade interior, pela qual todos são convidados a se disporem a deixar aquilo que for incompatível com a proposta do Senhor Jesus, também reconduzindo suas barcas para a praia, comprometidos com seu seguimento.

Paulo fala de sua vocação de arauto do Evangelho, no mistério de Cristo, ao se revelar e se dar a conhecer no caminho e nas areias sagradas de Damasco. Pela sua atitude de humilde disponibilidade, ficou de tal modo humilhado que durante toda a sua vida se considera, não só como o menor dos apóstolos, mas como um abortivo. Oferece aos seguidores de Jesus uma resposta generosa, com seu testemunho: “É pela graça de Deus que eu sou o que sou” (1 Cor 15, 10). A nós, Igreja, comunidade dos batizados espalhada por todo o Brasil, eles querem recordar que a vida é vocação: da parte de Deus, um chamado; da dos seguidores de Jesus de Nazaré, uma resposta. Não prescindir da disposição, na confiança de resgatar o Evangelho de Jesus, força necessária para gerar fé e esperança às pessoas do nosso tempo.

Quando Deus vem ao nosso encontro e nos chama, quer que tenhamos bem claro, no exemplo acima, que nossa indignidade e nossa limitação não devem ser pretextos para não aceitar o amoroso convite de Deus, que nos criou para a grande missão de amor, e que nos ajuda na misteriosa compreensão, como no dizer de Santo Ambrósio: “Aqueles que nada tinham logrado, logo pescam uma grande quantidade de peixes em virtude da Vossa Palavra, Senhor, não sendo resultado da eloquência dos homens, mas efeito do chamado celestial". Amém!

*Pároco de Santo Afonso, Jornalista, Blogueiro, Escritor e Colunista, integra a Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza - geovanesaraiva@gmail.com


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

A igreja mais alta da Islândia e os Hinos da Paixão de Cristo

A igreja "Hallgrímskirkja" foi batizada com o nome do clérigo que deu aos luteranos da Islândia os Hinos da Paixão

Clique aqui para abrir a galeria de fotos

Para muitos luteranos tradicionais da Islândia, estas palavras e sua melodia anunciam o início da Quaresma:
Jesus no Getsêmani,
Curvado no mortal conflito eu vejo,
A consciência me apela, pois eu sei:
Foi o meu pecado que o confinou assim:
Todo esse peso de agonia
O Filho de Deus se submeteu por mim.

Com música e um coral típico barroco, é um dos 50 Hinos da Paixão que foram compostos pelo clérigo do século 17 Hallgrímur Pétursson, um dos poetas mais conhecidos da Islândia.
Tradicionalmente, um Hino da Paixão era cantado a cada dia útil das sete semanas da Quaresma.
Pétursson permanece presente de outro modo na Islândia. No horizonte da cidade de Reykjavík, vê-se o traçado da igreja Hallgrímskirkja, que recebeu este nome em homenagem ao clérigo.
Projetada pelo arquiteto Guðjón Samuelsson, cujos trabalhos incluem a Catedral Católica de Reykjavík, a Hallgrímskirkja foi construída entre 1945 e 1986.
Com 74,5 metros de altura, a Hallgrímskirkja é o edifício mais alto de Reykjavík e o segundo edifício mais alto na Islândia. Os visitantes podem subir uma torre de observação e contemplar a bela vista de Reykjavik e de suas montanhas próximas.
HALLGRIMSKIRKJA
Chris Yunker--cc
De acordo com a Iceland Magazine, o trabalho de Guðjón foi fortemente influenciado pelo modernismo escandinavo. Mas o arquiteto também buscou inspiração em formas naturais da paisagem islandesa.
Muitas das obras de Guðjón têm fortes referências à natureza islandesa, particularmente as colunas de basalto formadas quando um fluxo espesso de lava esfria lentamente em um padrão de junção poligonal. As asas e a torre de Hallgrímskirkja, portanto, parecem falésias de colunas de basalto.
Os hinos de Petursson contam a história dos sofrimentos de Cristo com uma beleza poética rara. São um patrimônio religioso e cultura da Islândia.

Queiroz: investigação vai para Grupo de Combate à Corrupção do MP

domtotal.com
Grupo dará apoio ao promotor encarregado do caso, Luís Otávio Lopes.
A mudança indica um aprofundamento nas apurações
A mudança indica um aprofundamento nas apurações (Reprodução SBT)

A investigação sobre a movimentação financeira suspeita de assessores do hoje senador e ex-deputado Flávio Bolsonaro (PSL), entre eles o ex-motorista Fabrício Queiroz, foi enviada nesta semana para o Grupo Especializado no Combate à Corrupção (Gaecc) do Ministério Público do Rio de Janeiro.

A mudança indica um aprofundamento nas apurações, já que o Gaecc tem como função auxiliar na prevenção e repressão a crimes e infrações civis contra o patrimônio público ou que atentem contra a probidade administrativa.

Segundo o Ministério Público, o grupo dará apoio ao promotor encarregado do caso, Luís Otávio Lopes, titular da 25ª Promotoria de Investigação Penal (PIP). A 25ª PIP cuida do caso desde que o promotor da 24ª PIP, Claudio Calo, alegou suspeição para analisar o caso. Ele já tinha se encontrado com o Flávio, no final do ano passado.

Ainda de acordo com o MP, a ajuda do Gaecc será necessária porque os relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que apontaram as movimentações suspeitas na conta Queiroz são complexos e levam tempo para serem analisados.

De acordo com o órgão, o mesmo apoio do Gaecc será dado em todos os procedimentos investigatórios sobre parlamentares da Alerj em que os promotores pedirem ajuda. As investigações que continuam na atribuição originária já tem esse suporte do próprio Grupo de Atribuição Originária em Matéria Criminal (Gaocrim).

Ao todo, foram abertos 22 procedimentos de investigação penal sobre o relatório do Coaf, produzido na Operação Furna da Onça, sobre corrupção na Alerj. O documento mostrou que, por treze meses, Queiroz movimentou, em sua conta bancária, R$ 1,2 milhão, quantia considerada incompatível com sua renda. Também apontou movimentações atípicas nas contas de mais de 70 assessores e ex-assessores de outros 21 parlamentares, além de Flávio.

O Coaf descobriu que Queiroz recebeu regularmente depósitos de colegas de gabinete na Alerj, muitas vezes em datas próximas dos dias de pagamento de salário. A prática indicaria a ocorrência da chamada "rachadinha", procedimento irregular pelo qual os servidores nomeados em cargos de confiança repassariam ao deputado a maior parte ou a totalidade de seus salários.

Flávio Bolsonaro nega ter participado ou tido conhecimento de irregularidades no caso. Queiroz, em entrevistas, também afirmou ser inocente. Atribuiu a movimentação a supostas operações de compra e venda de carros usados.

Fernando Haddad almoça com Camilo; no menu, a reforma da Previdência

Eliomar de Lima

O petista Fernando Haddad, que disputou e perdeu a presidência da República, vai almoçar, nesta sexta-feira, com o governador Camilo Santana (PT). No menu, conversa sobre o cenário político do País e, especialmente, a posição do PT com relação ao tema do momento: a reforma da Previdência.

Ele também tem encontro com movimentos sociais e, no final da tarde, puxará um ato no Hotel Oasis, onde a meta é buscar unir as forças de esquerda no Ceará.

Na coordenação dessa visita de Haddad está o deputado federal José Nobre Guimarães (PT).

(Foto – PT Ceará)

Após ameaças, Bolsonaro decide manter Bebianno

15 de fevereiro de 2019 por Esmael Morais

Gustavo Bebianno foi comunicado por Onyx Lorenzoni (DEM) que ficará no cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência. As ameaças de que  iria “cair atirando” deram resultado, pelo menos por enquanto.

O presidente Bolsonaro já havia decidido exonerá-lo, mas voltou atrás.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro usa camisa falsificada do Palmeiras e vira piada

Bebianno é o principal suspeito de ter destinado verbas públicas para candidatas “laranjas” do PSL. Ele presidiu a legenda desde a entrada do grupo de Bolsonaro até o fim da eleição no ano passado.

MÍDIA TEM RARO CONSENSO: CLÃ BOLSONARO NÃO DÁ MAIS


Num raro consenso, a mídia brasileira, tanto a progressista como a conversadora, constata: é insustentável um governo comandando pelo clã Bolsonaro, no qual os filhos do presidente mandam mais que ministros de Estado e, aparentemente, têm influência decisiva sobre o pai-presidente; O Estado de S. Paulo e O Globo publicaram editoriais contundentes nesta sexta, sob os títulos de "Filhocracia" e "Parente em Palácio é alto risco de crise"; no campo progressista, Luis Nassif apontou: "o episódio Bebianno mostrou que Jair e filhos são incontroláveis"; no 247, vários artigos apontam a inviabilidade do clã.

Paul McCartney e sua homenagem a Chico Mendes

Em 1989, Paul McCartney toma conhecimento do assassinato do seringueiro e ativista ambiental Chico Mendes, em Xapuri no Acre, através dos telejornais da TV inglesa, que deram grande destaque ao bárbaro homicídio e fizeram retrospectiva de suas atividades como sindicalista e defensor do meio ambiente. A militância de Chico para preservação ambiental e justiça social comoveu Paul McCartney que resolveu dedicar a canção ‘How Many Will Have To Die’ recém-composta para o álbum ‘Flowers In The Dirt’ para Mendes.
Paul assistiu a um documentário na BBC e passou a admirar a figura do ativista. A canção no ritmo de reggae tem letra que encaixa plenamente em um tributo a Chico Mendes e esta faixa conta com a participação do baterista e percussionista jamaicano, Jah Bunny.
Ainda em 1989, Pedro Bial, repórter da TV Globo (Fantástico) fez uma entrevista na Inglaterra com Paul e ele falou sobre Chico e a música do álbum:
Ele me pareceu um bom homem, um chefe de família e nós sentimos muita simpatia. Quando ele foi assassinado, foi um choque para muita gente aqui. Quando alguém que estava tentando fazer o bem é morto, é um choque.
No decorrer do ano de 1995, Paul através da estação de rádio norte-americana Westwood One, veicularia uma série de programas intitulados ‘Oobu Joobu’, onde às vezes se fazia de DJ e comentarista, além de pela primeira vez, mostrar aos fãs de Macca uma variedade enorme de material inédito, incluindo soundchecks, sobras de estúdio e receitas da culinária vegetariana de sua esposa Linda. No quinto programa da série veiculado no dia 24 de junho de 1995, Paul antes de tocar o ensaio de estúdio de  ‘How Many People’ disse ao microfone: “Chico, pode me ouvir? Essa canção é para você, por tudo o que fez”.
Paul fala sobre Chico Mendes e o video clipe da música ‘How Many People’:
Para saber mais sobre Chico Mendes: http://pt.wikipedia.org/wiki/Chico_Mendes
.
Por BeatleLado

Mestres e Doutores em Direito Ambiental criam assistência judiciária gratuita para vítimas de crimes ambientais

Uma das frentes de atuação será junto aos atingidos pelo rompimento da barragem da Vale.



Advogadas fundadoras do SAJA possuem mestrado em Direito Ambiental.
Advogadas fundadoras do SAJA possuem mestrado em Direito Ambiental. Foto (Patrícia Azevedo/Dom Total)
Com o objetivo de auxiliar aqueles que necessitam de informações e orientações na área do Direito Ambiental, cinco egressas da Escola Superior Dom Helder Câmara lançaram, neste mês, o Serviço de Assistência Jurídica Ambiental (SAJA). O grupo é formado pelas advogadas Fernanda Netto Estanislau, Willia de Cácia Soares Ferreira, Isabel Camargo Guedes, Ana Luiza Novais Cabral e pela professora Maria Flávia Cardoso Máximo, todas mestres em Direito Ambiental, com o apoio de professores de Mestrado e Doutorado em Direito Ambiental da Dom Helder e de engenheiros da Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE).
De acordo com as fundadoras, o SAJA reunirá advogados especializados e experientes na área jurídica ambiental. Contará também com a expertise de profissionais de engenharia e a participação do corpo discente da Dom Helder. “Eles oferecerão um olhar técnico, pareceres e laudos, transformando o SAJA em um projeto interdisciplinar, que irá garantir para todos os discentes da Escola um aprofundamento do conhecimento e mais dinâmica ao aprendizado. Para a sociedade, o resultado será um serviço mais completo e eficaz”, explica Fernanda Netto Estanislau.
Além de prestar o serviço de assistência jurídica, o SAJA atuará em conjunto com outras iniciativas já existentes, de forma a proteger o meio ambiente, fomentar a Educação Ambiental, garantir o uso dos recursos naturais de maneira sustentável e buscar a execução das políticas ambientais, entre outras metas. A iniciativa foi recebida com entusiasmo pelo reitor da Dom Helder, professor Paulo Stumpf, e pelos pró-reitores da Escola, que manifestaram total suporte ao SAJA durante a última reunião do colegiado. Os professores também sugeriram a participação da EMGE e do Movimento Ecos, de forma ampliar e fortalecer as atividades do grupo.
Brumadinho
No dia 2 de fevereiro, as integrantes do SAJA visitaram a cidade de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que foi atingida pelo rompimento da Barragem I da Mina Córrego do Feijão. Segundo elas, a Estação do Conhecimento, local escolhido pela Vale para prestar suporte às vítimas, possui uma boa estrutura física, mas há falhas na comunicação. “As informações que são passadas aos atingidos e seus familiares são pulverizadas. Não há uma unidade de informações entre as equipes que estão baseadas ali – Ministério Público, Defensoria Pública, OAB, Polícia Militar, entre outras. Como consequência os atingidos e seus familiares demoram a entender o que devem fazer e passam por momentos que poderiam ser facilitados com uma unicidade de informação”, avalia Fernanda.
De acordo com a advogada, a falta de informação jurídica facilita que os atingidos se tornem alvo de oportunistas. “Há pessoas que acreditam ser possível tirar vantagens da situação. Assim o SAJA busca desenvolver um trabalho de forma a esclarecer e fornecer para os envolvidos, e a qualquer um que se interessar, as informações necessárias do que é preciso fazer e quais lugares procurar para resolverem suas demandas pessoais. Cabe destacar que nosso objetivo é agregar com todo o trabalho que já vem sendo desenvolvido na região”, afirma Fernanda. A advogada destaca ainda que toda a atuação do grupo é realizada de forma voluntária e sem custos para os beneficiados. “Desta forma, o SAJA e a Dom Helder se colocam à disposição de todos, e nesse momento em especial aos atingidos diretamente e indiretamente com o rompimento da Barragem de rejeitos da empresa Vale”, completa.
Consciência ambiental
Ao atuar em diferentes frentes, o SAJA busca contribuir para a formação de uma consciência ambiental, onde as pessoas possuam o conhecimento necessário para fazerem opções mais ecológicas e possam realizar suas atividades dentro da lei. As advogadas lembram que o artigo 225 da Constituição Federal estabelece o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado a todos, cabendo ao Poder Público e a coletividade o dever de preservá-lo para as gerações presentes e vindouras. “Partindo dessa premissa, qualquer ação que envolva proteção e preservação ambiental é de primordial importância”, ressaltam.
Participação
Os alunos egressos ou matriculados, interessados em participar voluntariamente do SAJA, devem enviar currículos para o e-mail apoio@domhelder.edu.br. Todas as pessoas que tiverem dúvidas ou demandas podem entrar em contato pelo mesmo e-mail ou pelo telefone (31) 2125-8800.

Redação Dom Total

Demanda de energia aumentará em um terço até 2040

Índia e China representarão ambos a metade do crescimento do consumo de energia neste período.


A demanda de energia crescerá especialmente nas economias emergentes em um terço nas próximas décadas.
A demanda de energia crescerá especialmente nas economias emergentes em um terço nas próximas décadas. (Pexels/ Pixabay)
A demanda de energia crescerá especialmente nas economias emergentes em um terço nas próximas décadas, prevê o gigante britânico dos hidrocarbonetos BP, que estima que as energias renováveis vão se beneficiar muito com este crescimento.
"O duplo desafio de produzir mais energia com menos emissões mostra como será o nosso futuro", comentou Bob Dudley, diretor-geral da BP, nesta quinta-feira (14), durante a apresentação anual das previsões até 2040.
Índia e China representarão ambos a metade do crescimento do consumo de energia neste período.
Diferentemente dos anos anteriores, a BP prevê que o crescimento da demanda chinesa será superado pelo crescimento indiano.
"A economia chinesa se afastará dos setores industriais mais consumidores de energia, como o aço e o cimento, para migrar aos serviços", indicou o relatório da BP.
O crescimento mundial do consumo de energia será apoiado pelas energias renováveis (+7,1% por ano no período 2019-2040) e o gás natural (+1,7%), mas o petróleo também continuará crescendo (+0,3%), enquanto o consumo de carvão retrocederá ligeiramente (-0,1%).
A BP considera que a demanda de petróleo, atualmente concentrada no setor dos transportes, evoluirá pouco para a fabricação de produtos químicos, adubos e plástico.
"As pressões ambientais cada vez mais fortes, particularmente contra as embalagens plásticas, poderiam reduzir o crescimento desse setor", destaca a BP.
Se a redução do consumo de consumo de plástico for causada pela substituição e a mudança para outros produtos, e não pela reciclagem, os lucros em termos de emissão de carbono poderiam ser poucos, adverte o grupo.
Para responder a essa demanda, os produtores americanos de petróleo de xisto continuarão aumentando a sua produção, antes que os produtores da Opep os substituam em meados dos anos 2020, prevê a BP.

AFP

DAMARES ACONSELHA PAIS DE MENINAS A DEIXAREM O PAÍS POR CAUSA DA VIOLÊNCIA

Valter Campanato/Agência Brasil

Valter Campanato/Agência Brasil
A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, defendeu uma "revolução cultural" no combate à violência contra a mulher no Brasil e aconselhou os pais de meninas a deixarem o país em função dos altos índices de violências e abusos sexuais; "Recebemos uma pesquisa que diz que o Brasil é o pior lugar da América do Sul para criar meninas. Vejam só: se eu tivesse que dar um conselho para quem é pai de menina, mãe de menina? Foge do Brasil! Você está no pior país da América do Sul para criar meninas", disse .

Governo Bolsonaro transfere R$ 436 bilhões da Previdência para o Ministério da Economia

Foto: Reuters... 
Dizem em todas as rádios e TVs do país que a Previdência Social está quebrada e não tem dinheiro para pagar as aposentadorias da população brasileira, mas a Reforma da Previdência pretende retirar da Seguridade Social os impostos definidos na Constituição.

Um decreto publicado no Diário Oficial da União da última sexta-feira (8) autoriza o governo Jair Bosonaro a remanejar R$ 600,056 bilhões, incluindo recursos da Seguridade Social para cobrir os encargos financeiros, além de também autorizar que parte dos recursos sejam transferidos para estados, municípios e o Distrito Federal.
(foto alan santos – presidencia da republica)
A Seguridade Social é o item da Constituição que define os recursos que pagam as aposentadorias dos brasileiros.

A Seguridade Social está no capítulo 194 da Constituição, que trata das aposentadorias, assistência social e saúde. O artigo 195 define que o financiamento da Seguridade Social será feito pela contribuição de trabalhadores e empregadores na folha de pagamento, pelas empresas com o lucro (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), contribuição sobre o consumo, Cofins (contribuição para o financiamento da seguridade social), Pis-Pasep, arrecadação sobre a venda de produtos rurais, arrecadação sobre todas as importações e várias outras fontes menores como as loterias da Caixa.


Ainda que sejam recurso de órgãos extintos, R$ 600 bilhões é um volume significativo que poderia ter a função social de pagamento de aposentadoria dos brasileiros. São recuros provenientes de impostos.

A Reforma da Previdência pretende impedir que recursos como estes (vindos de impostos) sejam da Previdência, ou seja, a Reforma da Previdência vai quebrar a Previdência porque vai retirar as fontes de receita previstas na Constituição.

O decreto (link) que remaneja R$ 600 bilhões da Previdência também leva a assinatura do ministro da Economia, Paulo Guedes, e tem como base a Lei nº 13.707, de 14 de agosto de 2018, que trata da Lei de Diretrizes Orçamentárias para este exercício e que foi sancionada pelo então presidente Michel Temer, no dia 14 de agosto do ano passado. (com informaçoes do 247)

Em tempo:

Segundo a Agência Lupa de checagem, o governo Bolsonaro tirou do Fundo da Previdência Social R$ 436 bilhões e não R$ 600 bilhões. Diz o texto da Agência:

“No que diz respeito especificamente aos recursos do INSS, o orçamento de 2019 previa que essa verba ficasse sob a guarda do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), transformado em Ministério da Cidadania. A atual gestão decidiu colocar o Fundo de Previdência do INSS sob responsabilidade do Ministério da Economia. Esse decreto, então, retira R$ 436,1 bilhões do MDS e coloca R$ 436,1 bilhões na nova pasta”.

Em resumo, os R$ 436 bilhões saíram da Previdência e foram para a Economia.

Papa destaca dimensão política do Evangelho

Fev 14, 2019 - 13:39
Revista jesuíta divulgou encontro com religiosos da Companhia de Jesus, no Panamá

Foto: La Civiltà Cattolica

Roma, 14 fev 2019 (Ecclesia) – O Papa Francisco destacou a dimensão política do Evangelho, num encontro privado com jesuítas que decorreu durante a sua visita ao Panamá, em finais de janeiro.

A intervenção é divulgada hoje pela revista ‘La Civiltà Cattolica’, da Companhia de Jesus, em nota enviada à Agência ECCLESIA.

“O Evangelho é também uma expressão política, porque tende à polis, à sociedade, a toda as pessoas e sociedades, a toda a pessoa como pertence à sociedade”, realçou, perante cerca de 30 religiosos jesuítas.

A intervenção advertiu para a desconfiança com que a política é vista na América Latina, por causa de fenómenos como a corrupção ou mesmo assassinatos.

“Compromisso político, para um religioso, não significa militar num partido político. É claro que é preciso votar, mas a nossa tarefa é ficar acima das partes, não como alguém que lava as mãos, mas como alguém que acompanha as partes para chegar à maturidade, trazendo o ponto de vista da doutrina cristã. Na América Latina nem sempre houve maturidade política”, assumiu Francisco.

O Papa abordou vários temas como a teologia da libertação ou a educação dos jovens, no contexto da Jornada Mundial da Juventude que decorreu na Cidade do Panamá, falando numa sociedade em que “o provisório prevalece sobre o definitivo”.

OC