"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

domingo, 12 de março de 2017

Desastres 'de pequena escala' matam mais do que grandes catástrofes na América Latina

 domtotal.com
Família colombiana vivendo em região suscetível a enchentes.
Família colombiana vivendo em região suscetível a enchentes. (Banco Mundial/ Scott Wallace)

Em novo relatório, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) alerta para os desastres naturais ‘de pequena escala’. Eles causam menos mortes e destruição individualmente, mas sua frequência os torna mais destrutivos que as grandes catástrofes. Na América Latina, de 1990 a 2014, 22,4 mil pessoas foram mortas por esse tipo de tragédia e 115 milhões de indivíduos foram afetados.

Na América Latina, desastres menores — mas que ocorrem com mais frequência — foram responsáveis pela morte de 22,4 mil pessoas de 1990 a 2014. O número representa mais da metade de todos os óbitos provocados por catástrofes naturais na região, no mesmo periódo. Os cálculos são da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e do Escritório da ONU para a Redução do Risco de Desastres (UNISDR).

Em relatório publicado nesta semana, os organismos internacionais definem os desastres “de pequena escala” como os que causam menos mortes — menos de 25 vítimas fatais — e danos à infraestrutura — menos de 300 moradias destruídas.

Segundo as agências da ONU, por causa do impacto reduzido, esses eventos naturais não recebem a devida atenção do poder público. O problema se esconde na frequência com que eles ocorrem. De 1990 a 2014, para cada tragédia “de grande escala”, foram registrados 177 desastres menores, também descritos pela FAO e pelo UNISDR como “fenômenos extensivos”.

No mesmo período, mais de 90% das pessoas atingidas por catástrofes naturais — cerca de 115 milhões de indivíduos — foram afetadas por desastres menores.

“Esse tipo de desastre fragiliza a capacidade de recuperação das pessoas e dos sistemas agrícolas, acentuando sua vulnerabilidade a cada novo golpe”, explicou a oficial de gestão de risco da FAO, Anna Ricoy. A análise das agências da ONU foi divulgada na véspera da abertura da V Plataforma Regional para a Redução do Risco de Desastre nas Américas, que acontece em Montreal, no Canadá, até a próxima quinta-feira (9).

Mudança climática: perdas humanas e agrícolas

O relatório chama atenção para o perigo representado pelas mudanças climáticas, responsáveis atualmente por 70% das emergências registradas na América Latina. A região concentra cinco dos dez países sob maior risco de serem afetados por fenômenos extremos associados às transformações do clima. São eles Guatemala, Honduras, Haiti, Nicarágua e República Dominicana.

A FAO e o UNISDR apontam que o setor agrícola é particularmente vulnerável aos desastres naturais. Entre 2003 e 2013, 22% dos prejuízos e danos causados por catástrofes de média e alta intensidade foram registrados no setor agrícola.

A situação preocupa os organismos internacionais, uma vez que a produção de alimentos emprega quase um terço da população economicamente ativa da região.

Entre 2003 e 2014, desastres naturais custaram aos países latino-americanos a soma de 34,3 bilhões de dólares. O montante representa um quarto dos prejuízos globais. No período, catástrofes afetaram 67 milhões de pessoas.

De 2003 a 2013, os maiores prejuízos no setor agrícola da América Latina causados por catástrofes de média e alta intensidade estiveram associados a inundações (55%), secas (27%) e tempestades (10%).

Soluções

Um terço da população latino-americana vive em zonas altamente expostas a ameaças geológicas e particularmente suscetíveis a perigos hidro-meteorológicos. Para evitar novas mortes e perdas econômicas, a FAO e o UNISDR recomendam a implementação de programas regionais robustos de gestão de riscos.

Iniciativas de prevenção devem levar em conta tanto a adaptação às mudanças climáticas, quanto as necessidades específicas de certos segmentos populacionais, como os agricultores familiares. “É necessário adotar inovações tecnológicas e de gestão ajustadas às necessidades desses produtores”, explicou Ricoy.

As agências da ONU alertam ainda que o uso inadequado de recursos naturais aumenta a vulnerabilidade das populações aos fenômenos extremos. A FAO lembra que a restauração de florestas e terras degradas pode ajudar a controlar a erosão e a regular as secas e inundações.

A gestão de riscos também deve incluir medidas para a planificação dos territórios e para a utilização sustentável dos solos. Com isso, é possível recuperar recursos naturais afetados pela exploração intensiva.

Eco Debate
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com