"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

domingo, 11 de junho de 2017

Napoleão Maia transforma o plenário do TSE em picadeiro, amaldiçoa jornalistas e ameaça a imprensa

Por Redação Ucho.Info -  9 de Junho de 2017 0 41456
Compartilhar no Facebook Tweet no Twitter


Respeitável público! Assim deveria ter começado sua fala o ministro Napoleão Nunes Maia Filho, ao prefaciar o próprio voto na ação em trâmite no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e que pede a cassação da chapa Dilma-Temer por abuso de poder político e econômico.

Visivelmente irritado e à beira do transtorno comportamental, Napoleão Maia mostrou ao Brasil que ter passado trinta anos na magistratura foi um monumental equívoco. Afinal, um juiz que descontrola-se diante de notícias veiculadas na imprensa, ciente de que a lei pune aquele que faz afirmações sem a devida prova, não tem condições de vestir a toga e muito menos condenar ou absolver.

Incomodado com notícia que o relaciona à delação de executivos da empreiteira OAS, investigada na Operação Lava-Jato por participar do maior esquema de corrupção de todos os tempos, e a menção feita ao seu nome por um dos delatores da JBS, Napoleão, em momento colérico, citou um provérbio islâmico: “Com a medida que medem serão medidos, e sobre eles que caia a ira do profeta.”

Até a citação do provérbio nada de errado há, mas um magistrado que faz com a mão um gesto que sugere degola, como se quisesse dizer que degolados devem ser aqueles que o acusam, é no mínimo um ultraje ao cargo, até porque esse procedimento criminoso e cruel é típico do grupo terrorista “Estado Islâmico”.

Tomado pela ira, Napoleão Maia agradeceu ao presidente do TSE por usar o “palco” da Corte para rebater as acusações, mas é preciso reconhecer que o plenário do tribunal foi transformado em picadeiro, tamanha a extensão da palhaçada que alguns ousam chamar de julgamento.

Não contente com seu pífio e descontrolado espetáculo, Napoleão Maia, visivelmente alterado, voltou suas críticas à imprensa e disparou: “Não é jornalista quem faz isso. Se isso não terminar, o final não será bom”.

Ora, para quem tem a legislação vigente como principal ferramenta de trabalho, a ameaça do magistrado é descabida e merecedora da atenção especial por parte a Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), pois é inaceitável que em pleno século XXI um juiz valha-se do cargo para intimidar desafetos. Mesmo assim, é importante destacar que cada país tem o Napoleão que merece.

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com