"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Como meu anel de casamento se tornou um sinal de alerta

  Anna Whiston-Donaldson | Maio 05, 2017
Shunevych Serhii | Shutterstock
Como uma mulher, ao “perder” o anel de casamento, descobriu uma técnica simples que todos os casais devem tentar

 Não me lembro agora por que eu estava tão irritada com meu marido. Pode ter sido por questões grandes ou pequenas.

–– ADVERTISEMENT ––

Eu me lembro de estar aborrecida, e então, sentindo que algo estava fora do lugar, olhei para as minhas mãos. Eu vi meu anel de casamento sozinho em minha mão direita, não na esquerda. Não me lembro disso, mas em algum momento em meu aborrecimento e raiva, devo ter mudado meu anel da mão esquerda para a direita, sem sequer registrar o que estava fazendo.

Meu anel de casamento – o anel de ouro dado quase 55 anos atrás por meu pai à minha falecida mãe – normalmente fica junto com meu anel de noivado no dedo anelar de minha mão esquerda. Eu não os tiro nem para tomar banho ou dormir. Isso acontece desde o início dos quase 20 anos que meu marido e eu somos casados. Tão familiar é a sensação, o peso deles, que eu nem sequer os notava mais.

Até o dia em que minha aliança de casamento surgiu na minha outra mão. E notei. Verifiquei meus motivos. Foi um movimento passivo-agressivo? Eu estava tentando dizer que eu não queria mais continuar casada?

Não tenho certeza.

Mas a experiência me fez pensar sobre casamento, complacência, e como podemos nos acostumar com quase qualquer coisa. Eu não conseguia me lembrar da última vez que eu tinha pensado de verdade em nosso casamento.

Meia idade, carreiras, tragédia pessoal e pais de um adolescente e de uma criança ao mesmo tempo deixaram pouca energia para se concentrar no que era suposto ser o relacionamento chave em nossa família. Com tanta experiência de vida, boa e má, era difícil nem sequer lembrar-se dos dois estudantes universitários que se conheceram e se apaixonaram anos atrás, e muito menos de verificar como seus desejos, necessidades e sonhos estavam caminhando.

Preocupações diárias me impediram de pensar em mim como a parceira do meu marido de qualquer outra forma significativa além da prática de pegar as crianças, dividir tarefas, e garantir o trabalho de casa. Se você tivesse olhado para a forma como priorizamos o nosso tempo e dinheiro, você teria pensado que as crianças, esportes, igreja, amigos, nossos animais de estimação, e até mesmo a nossa casa, tiveram precedência sobre o nosso casamento. As compras de supermercado sempre são feitas. O carro geralmente recebe manutenção e revisão regular. Mas o nosso casamento foi largamente ignorado.

Da mesma forma, minha aliança de casamento, o tesouro símbolo de unidade e compromisso, passou despercebida, também, até que eu mudei para a outra mão. A nova localização me levou a uma sensação diferente, a uma consciência dela.

Isso me lembrou de quando meu marido e eu ficamos noivos. A sensação de ter um anel de noivado era tão brilhante e nova – assim como o nosso amor – que eu não conseguia parar de olhar para ele. Senti o peso dele quando acordei. Naqueles dias, eu considerava um prazer procurar maneiras de fazer o meu noivo se sentir valorizado e amado.

Decidi deixar o anel de casamento na minha mão direita por alguns dias e ver que sensações surgiriam. Durante esse período eu sussurrava, “sou casada”. Isso me levaria a perguntar: “eu fiz alguma coisa pelo meu casamento hoje?”.

Você se lembra que eu disse que sou mãe de um adolescente e de uma criança, certo? E ainda mais, um dos nossos cães é um filhote. Eu me sentia completamente exausta. Mas eu poderia escrever uma mensagem para o meu marido dizendo: “obrigada por levar Margaret à escola hoje”, ou “Você é um pai tão bom”, assinado com beijos e corações. Eu poderia sair da internet por um tempo.

Nada dramático aconteceu, e eu coloquei o anel de volta na minha outra mão. Mas às vezes eu troco o anel de dedo novamente.

Estar ciente do anel me ajuda a lembrar de que as crianças, os cães, a casa, até mesmo a lista de supermercado não estariam aqui se duas pessoas não tivessem se apaixonado. Isso me lembra que palavras amáveis ​​e valorizar o meu marido não precisa acontecer somente nos aniversários, e que ser parceiros pode ir além da prática.

Eu amo a literatura, mas não quero que minha vida seja como os meus romances preferidos de Jane Austen ou as peças de Shakespeare, onde o casamento é o ápice da história de amor e, em seguida, a história termina. Temos anos de vida à nossa frente. Então, às vezes, movo meu anel de casamento para a outra mão. Não porque briguei com meu marido, mas porque eu quero notar a minha parte na história que continua.

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com