"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

quinta-feira, 27 de abril de 2017

domtotal.com
Bispos franceses emitem nota na noite da vitória de Macron no primeiro turno.
O candidato Centrista lidera após a primeira rodada, sendo que ambos partidos conduzem uma campanha eleitoral miserável.
O candidato Centrista lidera após a primeira rodada, sendo que ambos partidos conduzem uma campanha eleitoral miserável. (Axelle de Russe/Abaca Press/TNS)
Por Sean Smith

Na noite da vitória de Emmanuel Macron na primeira volta da eleição presidencial francesa, as conferências episcopais desse país emitiram uma nota de orientação para os eleitores católicos que, embora não nomeando candidatos ou partidos, só podem ser lidos como um argumento contra sua adversária de segunda ronda, Marine Le Pen.

A mensagem recordou os fundamentos do ensino social católico e exortou os católicos a acolher os refugiados, a respeitar o ambiente e a apoiar a unidade europeia. "Hoje, o principal risco seria desistir de lutar pelo futuro e cair na tentação do fatalismo", concluiu. "Nossa fé cristã nos chama à esperança".

Desde que Macron começou a concorrer em novembro passado, o dinâmico recém-chegado centrista, que tem apenas 39 anos, encarnou uma esperança de poder fazer possível um futuro baseado na Europa. Ele ficou mais bem posicionado nas cidades e regiões mais prósperas do oeste e sudoeste da França.

Em contraste, Le Pen, chefe da Frente Nacional de extrema-direita, representa uma França ressentida contra a imigração, a Europa e a globalização e focada em soluções nacionais. Seu apoio era mais forte no cinturão de ferro do norte e leste e no sudeste da França. Macron ganhou um impressionante 23,9 por cento dos votos no domingo passado à frente de Le Pen com 21,4 por cento, um pouco menos do que o esperado. O conservador François Fillon, que estava no início deste ano diante dos escândalos financeiros que bloquearam sua campanha, ficou em terceiro lugar, com 19,9 por cento, e Jean-Luc Melenchon, de extrema esquerda, com 19,6 por cento.

O miserável resultado de 6,3 por cento foi para o candidato socialista Benoit Hamon. Isto refletiu tanto a impopularidade profunda do presidente cessante François Hollande, como a rejeição generalizada dos eleitores dos dois grandes partidos que chefiaram os governos franceses desde que a Quinta República foi fundada em 1958. As primeiras pesquisas para a segunda rodada, no dia 7 de maio dão ao Macron 62 por cento dos votos, mas Le Pen poderia inclinar o resultado para ganhar mais do que os 38 por cento que ela registrou.

Macron, que vem de uma família médica em Amiens, frequentou uma escola secundária jesuíta e decidiu ser batizado aos 12 anos de idade. Ele diz que a espiritualidade influencia seu pensamento, mas ele é um frequentador ocasional. Estudou filosofia, formou-se na escola de administração de elite ENA e trabalhou no ministério de finanças e no banco Rothschild antes de entrar na política, primeiramente como um assistente do presidente François Hollande, depois como seu ministro da economia.

Macron é um liberal social que aceita a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo sem torná-la uma política central. Ele adota uma linha moderada na política de laicidade da França, defendendo que se recusa a "fazer uma religião secular a partir dela", como ele diz.

Isso contrasta com Le Pen, que reverteria o casamento entre homossexuais e apertaria políticas "laicizantes" separando a igreja e Estado, principalmente para desviar as exigências dos muçulmanos por um maior reconhecimento público de sua religião.

Enquanto Macron tem a vantagem, Le Pen ainda pode apresentar um forte desafio se muitos dos eleitores decepcionados, tanto da esquerda como da direita se abstiverem de votar em seu favor. Enquanto a maioria dos principais partidos rapidamente se alinharam atrás de Macron, Melenchon e Common Sense , a rede conservadora que sustenta Fillon, deixaram de apoiá-lo.

Nesta estratégia de longo alcance, Le Pen poderia varrer os votos da direita e da esquerda entre grupos tão diversos como os conservadores sociais, os eurocépticos de todas as bandas e os extremistas esquerdistas alérgicos a seus antecedentes bancários.

Foto- Candidato ao centro nas eleições presidenciais francesas Emmanuel Macron é felicitado por partidários em Paris após o resultado das eleições terem sido anunciados.


The Tablet

Tradução: Ramón Lara
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com