"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

quarta-feira, 12 de abril de 2017

5 exercícios para os cônjuges reviverem a paixão

  ZYTA RUDZKA | Abr 12, 2017
Nemanja Glumac I Stocksy
Mais simples do que você pode imaginar

Há um ditado que diz que os homens mudam após o casamento. Mas, se você me perguntar, as mulheres não estão muito atrás.

Certa vez, vi um documentário francês sobre a vida cotidiana de famílias com muitas crianças. No filme, eles falam honestamente sobre o que funciona e o que não funciona em uma grande família, e sobre a logística de gerenciar o lar. Havia um casal que mais se destacou para mim, porque você quase sentia o seu amor através da tela. E eles tinham uma regra simples: Eles nunca jantavam com as crianças.

Eles se sentavam para comer mais tarde, apenas os dois. Havia três sub-regras para esta refeição: o casal deveria se vestir apropriadamente, colocar boa música, e não falar sobre a casa ou o trabalho. Eu me surpreendi quando vi a esposa se preparando para ir com o marido para a cozinha. Maquiagem, cabelo arrumado, um lindo vestido. O cenário era muito simples, mas diferente, sedutor e sensual. Pode ser feito, mesmo com nove crianças! O bônus de jantar diariamente sozinho com o outro claramente ajuda a manter o romance vivo.

Isso me provou que a proximidade requer um pouco de ambiente, sim, mas não é apenas reservada para ocasiões especiais ou grandes passeios. Pode acontecer ali mesmo, na sua própria mesa de jantar. E talvez não precisemos de todos os acessórios habituais dos romances: rosas, cinemas e vinho – porque essas coisas sozinhas não são suficientes para elevar o amor. 

Aqui estão alguns exemplos para você tentar:

Jogar o jogo do relacionamento
Você só sabe conversar sobre as crianças e o trabalho? Jogue um jogo de “O que eu vi nele? O que eu vi nela?”.

Sente-se frente a frente, como uma espécie de jogo. Force sua memória. Mas também passe por suas decepções. O que esses anos juntos tiraram de mim? Comece com coisas simples: você costumava usar minissaias, houve um momento em que você me abraçava. E agora ele vai para a garagem, e você cozinha, faz a lição de casa com as crianças… Este tipo de viagem nostálgica pode ser estranhamente informativa, apontando como você mudou, e talvez os pequenos ajustes que você pode fazer para mostrar o seu velho eu. 

Então, para reconstruir seu amor romântico, você deve começar com perguntas básicas. Você sabe o que preocupa seu marido, o que ele está passando? Quando começar a falar, tente ser o mais presente possível. Seja só para ele. Mostre a ele que você o entende. Interesse-se pelas suas respostas. Que haja tempo para o silêncio, enquanto ambos digerem o que o outro diz.

Quebre o ciclo
Quando você lhe faz essas perguntas, entretanto, é muito possível que você ouça problemas que já ouviu antes. Talvez seja um cenário estressante no trabalho que ele se queixou mil vezes… e você não consegue descobrir por que ele está dizendo isso novamente. Mas, ao invés de dizer “eu sei”, considere como você normalmente responde… e, em seguida, mude sua reação. Porque é possível que ele continue se repetindo porque ele precisa de algo de você que ele não está recebendo. Talvez ele queira apoio, um simples abraço, palavras de conforto ou um verdadeiro conselho. Qualquer caminho que você não tenha tentado, tente.

Deixe-o sentir o seu compromisso, deixe-o saber que seus problemas, mesmo os profissionais, são seus também, e que ele pode abrir-se sobre eles com você.

Seja sensual
Flerte é uma palavra que raramente surge quando pensamos nas relações conjugais com um longo histórico. E isso é uma pena, porque é uma palavra importante. É difícil encontrar fascínio sensual entre marido e mulher se eles sempre trabalham “ombro a ombro” e se esquecessem do “face a face”.

Junte-se, como um homem e uma mulher. Vá a um encontro, e não tenha medo de agir de forma boba, como um casal que está loucamente apaixonado um pelo outro. Na psicoterapia, chamamos esse processo de “recriar uma conexão”. Essencialmente, você está explorando as alegrias de seu amor sob o peso da vida cotidiana apressada, do trabalho e das crianças. 

Ficar fisicamente próximo é outra maneira de trazer um pouco de “flerte” de volta ao seu casamento. Às vezes tudo que você precisa é um terno contato físico: apenas deitar juntos e abraçados. Não há necessidade de jantares românticos extravagantes e velas, não há necessidade de palavras incríveis durante um salto de paraquedas. Nem tudo pode ser corrigido com uma corrida de adrenalina. Às vezes o que é necessário é um lugar simples e tranquilo para que você possa finalmente estar junto, abraçar e sussurrar coisas doces.

Considere como você gasta seu tempo como um casal
Talvez você não tenha tempo para si mesma, porque você está sempre com amigas ou familiares. Talvez você abrigue-se em uma vida social ocupada. Por quê? Talvez você fale muito sobre a casa e a família, e não o suficiente sobre você como parte de um casal. Torne-se disponível um para o outro, aprenda a estar juntos novamente.

Esteja presente em como você se sente agora
Uma das coisas mais difíceis de lembrar depois de anos de casamento é não guardar rancor.

Então não pense em afeto na categoria “se”: Se ele me ajudasse mais em casa eu seria mais afetuosa no quarto.  A paixão exige muito mais do que simples concessões. É necessário deixar esses “se” para trás, e estar presente em como você se sente agora.

Mesmo nas relações mais amorosas, é claro, não haverá um constante e intenso envolvimento emocional. A paixão oscila. Nós só precisamos estar cientes desses ciclos e interferir quando sentirmos que a faísca precisa ser ventilada para se tornar novamente uma chama

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com