domingo, 30 de junho de 2019

Intercept comemora fracasso das mobilizações em apoio a Moro


 Os jornalistas do site The Intercept Brasil, no Twitter, avaliaram como um retumbante fracasso as mobilizações da extrema-direita em apoio ao ministro Sérgio Moro.

O fundador da página, Glenn Greenwald, ironizou a briga ocorrida entre os “tontos” que foram às ruas neste domingo (30) em defesa do ex-juiz da Lava Jato.

“Tão pequeno quanto os protestos de hoje em defesa de Moro, eles ainda conseguiram lutar um com o outro: “Atos têm briga entre bolsonaristas e MBL””, escreveu Glenn.

LEIA TAMBÉM
Faixa #MoroCriminoso agitou Curitiba neste domingo

O editor do Intercept, Leandro Demori, também viu o movimento pró-Moro desmilinguir no asfalto.

“Você sabe que a manifestação foi fraca quando a TV alinhada veicula matéria com mais close de gente no chão do que imagem aérea. A #VazaJato tirou gente das ruas. É uma vitória imensa. Seguimos”, comemorou.

A Globo jura que até por volta de 19h30, 88 cidades dos 26 estados e do Distrito Federal tinham registrado atos da extrema-direita. No entanto, o grupo de comunicação não arriscou o número de participantes.

Mais cedo, a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), também avaliou que os atos da direita estão perdendo fôlego porque a economia não vai bem no governo Jair Bolsonaro (PSL), aliada à desmoralização de Moro.

Governadores do Nordeste pedem investigação sobre abusos da Lava Jato


Os governadores do Nordeste divulgaram nota conjunta publicada neste domingo (30) após a nova série de denúncias contra o ex-juiz Moro e procuradores da Lava Jato reveladas pelo site The Intercept Brasil neste fim de semana. No documento, os governadores pedem a apuração dos “abusos cometidos pela operação Lava Jato” e reivindicam “a pronta e ágil apuração de tudo, com independência e transparência”.

Confira a íntegra da nota:

As seguidas revelações de conversas e acordos informais entre membros do Judiciário e do Ministério Público, em Curitiba, divulgadas pelo Theintercept.com e outros veículos de comunicação, são de muita gravidade. As conversas anormais configuram um flagrante desrespeito às leis, como se os fins justificassem os meios.

Não se trata de pequenos erros; são vidas de seres humanos e suas histórias que se revelam alteradas em julgamentos fora das regras constitucionais, legais e éticas. Todos sabem que um juiz deve ser imparcial e por isso não pode se juntar com uma das partes para prejudicar a outra parte.

Acreditamos que a defesa da real imparcialidade dos juízes é um tema de alto interesse inclusive para eles próprios. Assim, manifestamos nossa confiança de que a imensa maioria dos magistrados e membros do Ministério Público que, com seriedade e respeito à lei fazem o verdadeiro combate à corrupção e outros crimes, podem apoiar as necessárias investigações nesse caso.

Agora, um dos trechos das conversas divulgadas destacam o Procurador Deltan Dallagnol sugerindo busca e apreensão na residência do hoje Senador pela Bahia, Jaques Wagner. E a justificativa do coordenador da Lava Jato? “Questão simbólica”, ou seja, ao lixo o direito. É mais uma revelação de extrema gravidade.

É inadmissível uma atuação que se denuncia ilegal entre membros do Ministério Público e do Judiciário, combinando previamente passos de uma importante investigação, com o intuito de perseguir e prender pessoas. Em discurso recente, na Cúpula Pan-Americana de Juízes, o Papa Francisco já demonstrou a sua preocupação com atos abusivos e de perseguição por meio de processos judiciais sem base legítima.

Reivindicamos a pronta e ágil apuração de tudo, com independência e transparência. É preciso também avaliar o afastamento dos envolvidos. Defendemos, ainda, a revisão ou anulação de todo e qualquer julgamento realizado fora da legalidade.


Outrossim, sublinhamos a relevância de o Congresso Nacional concluir a votação do Projeto de Lei sobre Abuso de Autoridade.

Apoiamos firmemente o combate à corrupção, porém consideramos que também é uma forma de corrupção conduzir processos jurídicos desrespeitando deliberadamente a lei.

Governadores do Nordeste do Brasil.

‘MORO VIOLA SEMPRE O SISTEMA ACUSATÓRIO’

Resultado de imagem para ‘MORO VIOLA SEMPRE O SISTEMA ACUSATÓRIO’
Chats da Lava Jato revelam que procuradores reclamavam de violações éticas de Moro e temiam que operação perdesse toda credibilidade com sua ida ao governo Bolsonaro
185
Ilustração: João Brizzi e Rodrigo Bento/The Intercept Brasil; Marcelo Camargo/Agência Brasil
Glenn Greenwald, Rafael Moro Martins, Leandro Demori, Victor Pougy
29 de Junho de 2019, 1h01
As mensagens secretas da Lava JatoAs mensagens secretas da Lava Jato
Parte 8
Às vésperas de Moro aceitar convite para o Ministério da Justiça, procuradores do MPF discutiam como ingresso do juiz na política podia legitimar críticas à Lava Jato.

 ABRIR TODAS AS PARTES
Procuradores do Ministério Público Federal, em mensagens privadas trocadas em grupos com integrantes da Lava Jato, criticaram Sergio Moro duramente pelo que consideraram uma agenda pessoal e política do juiz. Eles foram além no decorrer e logo depois da campanha eleitoral de 2018: para os procuradores, Moro infringia sistematicamente os limites da magistratura para alcançar o que queria.

“Moro viola sempre o sistema acusatório e é tolerado por seus resultados”, disse a procuradora Monique Cheker em 1º de novembro, uma hora antes de o ex-juiz anunciar ter aceito o convite de Jair Bolsonaro para se tornar ministro da Justiça. Integrantes da força-tarefa da Lava Jato lamentavam que, ao aceitar o cargo (algo que ele havia prometido jamais fazer), Moro colocou em eterna dúvida a legitimidade e o legado da operação. Os óbvios questionamentos éticos envolvidos na ida do juiz ao ministério poderiam, afinal, dar maior credibilidade às alegações de que a Lava Jato teria motivações políticas.

Folha e Intercept mostram como Leo Pinheiro negociou a delação com a Lava Jato

 
O chanceler alemão Otto von Bismarck tinha uma máxima que podemos adaptá-las nesses tempos de Lava Jato e vazamentos pelo site The Intercept Brasil: “As delações premiadas são como salsichas. É melhor não ver como elas são feitas.”

Feito esse introito, a Folha divulgou neste domingo (30) os vai e vens da negociação de Leo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, com os procuradores da Lava Jato. De acordo com a reportagem, a partir do exame de diálogos fornecidos pelo Intercept, o ex-executivo mudou diversas vezes sua versão sobre o tríplex do Guarujá (SP) até fechar a delação, qual seja, incriminar o ex-presidente Lula.

A Folha confirma na reportagem que o oitavo lote de mensagens vazadas indica que houve uma negociata em torno da delação de Leo Pinheiro, pivô da condenação, sem provas, de Lula.

LEIA TAMBÉM
‘Tontos do MBL’ prometem neste domingo ‘Marcha do Pó’ em 200 cidades


“É grave? É gravíssimo”, avaliou a jurista Carol Proner. “E mais. O que sai não está isolado, mas circundado por um sistema confirmatório. Adianta negar? Pesadelo para muitos”, disse.

Que a Lava Jato sempre temeu pela fragilidade da condenação do ex-presidente Lula, ok, nós já sabíamos. Agora o que se confirma hoje é que a força-tarefa também moldava a versão ao delator e vice-versa, segundo a Folha e o Intercept.

Os procuradores tratavam a delação não como uma salsicha, como descrevia Bismarck, mas como uma luva para certas personagens que tinha de assentir uma narrativa contra Lula. O caso concreto de Leo Pinheiro, ele só virou um delator depois que disse exatamente aquilo que a Lava Jato exigia que dissesse.

Ainda de acordo com a Folha, o então juiz Sérgio Moro só interrogou o Leo Pinheiro depois que a delação estava ajustada ao objetivo principal: conectar o apartamento à corrupção da Petrobras. Ou seja, a negociação premiada só evoluiu porque virou uma negociata para atingir o inimigo ideológico da Lava Jato, Lula.

O sistema penal acusatório previsto na Constituição Federal proíbe veementemente que o julgador atue para enfraquecer a defesa reforçando a acusação. A falta de imparcialidade do julgador causa nulidade absoluta da sentença.

Empreiteiro que incriminou Lula foi tratado com desconfiança pela Lava Jato, indicam novas mensagens


Segundo a matéria, as mensagens indicam que Léo Pinheiro só passou a ser considerado merecedor de crédito após mudar diversas vezes de versão sobre o apartamento do Guarujá.


Diálogos sugerem que depoimento sobre tríplex foi decisivo para que procuradores voltassem a conversar sobre delação.
Diálogos sugerem que depoimento sobre tríplex foi decisivo para que procuradores voltassem a conversar sobre delação. (AFP)
O empreiteiro Léo Pinheiro, que incriminou o ex-presidente Lula, foi tratado com desconfiança pela Operação Lava Jato durante quase todo o tempo em que se dispôs a colaborar com as investigações.
As informações foram publicadas neste domingo (30) pelo Jornal A Folha de São Paulo, a partir de mensagens trocadas entre procuradores. O conteúdo é da mesma fonte anônima do site The Intercept Brasil.  
Segundo a matéria, as mensagens indicam que Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, só passou a ser considerado merecedor de crédito após mudar diversas vezes de versão sobre o apartamento do Guarujá.
Os diálogos examinados pela Folha e pelo Intercept sugerem que o depoimento sobre Lula e o tríplex foi decisivo para que os procuradores voltassem a conversar com Pinheiro, meses depois de rejeitar sua primeira proposta de acordo.
O empresário só incriminou Lula em abril de 2017, quando prestou depoimento ao juiz Sérgio Moro, um ano depois do inicio das negociações.
Confira trechos das mensagens entre procuradores:
Procuradores da Lava Jato em Curitiba e em Brasília começaram a negociar um acordo de delação premiada com executivos da OAS em fevereiro de 2016.
O ex-presidente da OAS Léo Pinheiro já tinha sido condenado em um processo da Lava Jato, mas recorria em liberdade.
Os advogados da OAS apresentaram diferentes versões dos anexos com resumos dos relatos que os executivos da empreiteira pretendiam fazer.
Um dia depois da assinatura do termo de confidencialidade, a revista Veja informou que a delação da OAS citava o ministro Dias Toffoli, do STF.
O vazamento dividiu os procuradores. A maioria defendeu a suspensão das negociações, como resposta à quebra de sigilo e para evitar atritos com o STF. 
Uma semana depois, a Veja publicou trechos de sete anexos da delação e afirmou que a empresa revelara a existência de uma conta secreta usada para fazer pagamentos ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Léo Pinheiro foi preso em setembro de 2016 e as negociações ficaram congeladas até 2017, quando ele incriminou Lula ao depor no processo sobre o triplex de Guarujá que a OAS diz ter reformado para o petista.

Redação DomTotal com informações da Folha de São Paulo

Pobreza

Lourdes quer ser plataforma de ligação entre vários Santuários marianos

Ligações aéreas “low cost” já permitem aceder a principais lugares de peregrinação da Europa
Fátima, Lourdes, Częstochowa‎, Loreto ou Roma têm em comum o facto serem importantes lugares católicos de peregrinação. Mas neste momento é já possível viajar entre eles através de uma rede de voos que estão a ser operados pela Ryanair. A companhia low cost associou-se ao Turismo de Lourdes e Altos-Pirenéus, e em conjunto estão a tentar revitalizar o turismo religioso na Europa.
A este propósito alia-se também a oportunidade de conciliar a motivação religiosa à descoberta da natureza e estimular nos peregrinos a abertura das suas rotas e visitas.
A Agência Ecclesia esteve nos Pirenéus e visitou o Santuário de Lourdes. Aquele lugar mariano começa a ser também um ponto de partida para o peregrino se aventurar na montanha e descobrir uma natureza que é também uma oportunidade para perceber traços da transcendência.
É uma forma mais atualizada de peregrinar, alinhada na encíclica ambiental do Papa e que lhe propomos neste especial.

Partilhar:

LÉO PINHEIRO TEVE QUE MUDAR VERSÃO CONTRA LULA DUAS VEZES ATÉ SER ACEITO COMO DELATOR


Escrito por Portal Click Política 30 de junho de 2019

Resultado de imagem para leo pinheiro
“Uma pessoa que acompanhou as conversas da OAS com a Lava Jato na época disse à Folha que, inicialmente, Léo Pinheiro descreveu o tríplex como um presente que oferecera a Lula sem pedir nada em troca. Segundo essa pessoa, a insatisfação dos procuradores o levou a mudar sua versão pelo menos duas vezes até chegar àquela adotada em 2017”, aponta a reportagem da Folha deste domingo, em parceria com o Intercept, que revela como a delação contra Lula foi fabricada pela força-tarefa.

The Intercept: procuradores desnudaram Moro


O Brasil está em seu momento mais perigoso
“Moro é inquisitivo, só manda para o MP quando quer corroborar com suas ideias, decide sem pedido do MP (várias vezes) e respeitosamente o MPF do PR sempre tolerou isso pelos ótimos resultados alcançados pela Lava Jato”, disse a procuradora Monique Cheker, em mensagem revelada pelo site de Glenn Greenwald


O Brasil está em seu momento mais perigoso

Do Br2pontos – Novos diálogos vazados pelo site The Intercept Brasil, divulgados na madrugada deste sábado 29, mostram uma troca de mensagens entre dois procuradores do Ministério Público Federal (MPF), que criticam as práticas do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, quando atuava como juiz. Na conversa, Monique Checker, procuradora do MPF do Rio de Janeiro, diz que Moro “viola sempre o sistema acusatório e é tolerado por seus resultados”.

Checker fez a declaração em uma conversa pelo aplicativo Telegram, em 1º de novembro de 2018, uma hora antes de Moro aceitar convite para se tornar ministro do governo Jair Bolsonaro. No trecho divulgado, ela interage com outro procurador, que diz, em mensagem transcrita pelo site: “Eu não confio no Moro, não. Em breve vamos receber cota de delegado mandando acrescentar fatos à denúncia. E, se não cumprirmos, o próprio juiz resolve”.

Checker afirma que pensa igual e acrescenta: “Moro é inquisitivo, só manda para o MP quando quer corroborar com suas ideias, decide sem pedido do MP (várias vezes) e respeitosamente o MPF do PR sempre tolerou isso pelos ótimos resultados alcançados pela Lava Jato”.


247 faz apelo por debate responsável na internet.


Papa: amor a Jesus se traduz em proximidade aos mais necessitados

1561888992121.JPG
No Angelus, este domingo (30/06), o Santo Padre disse que o seguir Jesus exclui arrependimentos e olhar para trás, mas requer a virtude de decisão. Comentando o Evangelho deste XIII Domingo do Tempo Comum, Francisco destacou que o ser discípulo de Cristo deve ser uma escolha livre e consciente, feita por amor, para retribuir a graça inestimável de Deus, e não um modo para promover a si próprio
Raimundo de Lima - Cidade do Vaticano

“Jesus nos quer apaixonados por Ele e pelo Evangelho. Uma paixão do coração que se traduz em gestos concretos de proximidade, de proximidade aos irmãos mais necessitados de acolhimento e de atenção. Exatamente como Ele mesmo quis.”

Foi o que disse o Papa Francisco no Angelus ao meio-dia deste domingo (30/06), em que a Igreja no Brasil celebra a solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo e também o Dia do Papa.

Na alocução que precedeu a oração mariana, dirigindo-se aos milhares de fiéis, peregrinos e turistas presentes na Praça São Pedro, o Pontífice explicou a página do Evangelho deste XIII Domingo do Tempo Comum (Lc 9,51-62), em que o Evangelista São Lucas dá início à narração da última viagem de Jesus rumo a Jerusalém, que se concluirá no capítulo 19.

Decisão de seguir Jesus deve ser também ela total e radical
Francisco observou tratar-se de uma longa marcha não somente geográfica e espacial, mas espiritual e teológica rumo ao cumprimento da missão do Messias, acrescentando que “a decisão de Jesus é radical e total, e aqueles que o seguem são chamados a defrontar-se com ela.

O Santo Padre ateve-se aos três personagens que São Lucas apresenta no Evangelho do dia, “três casos de vocação, podemos dizer, que evidenciam o que é exigido a quem quer seguir Jesus até o fim, totalmente”, ressaltou.

O primeiro personagem promete a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que vás”. Generoso! Mas Jesus responde que o Filho do homem, diferentemente das raposas que têm as tocas e as aves do céu, ninhos, “não tem onde reclinar a cabeça. A pobreza absoluta de Jesus”.

O cristão é um itinerante
“Efetivamente, Jesus deixou a casa paterna e renunciou a toda e qualquer segurança para anunciar o Reino de Deus às ovelhas perdidas de seu povo. Desse modo, Jesus indicou a nós, seus discípulos, que a nossa missão no mundo não pode ser estática, mas itinerante, o cristão é um itinerante”, explicou o Papa.

“Por sua natureza, a Igreja está em movimento, não fica sedentária e tranquila em seu recinto. É aberta aos mais vastos horizontes, enviada – a Igreja é enviada – a levar o Evangelho pelas estradas e a alcançar as periferias humanas e existenciais. Este é o primeiro personagem.”

Primado do seguimento e do anúncio do Reino
O segundo personagem que Jesus encontra, continuou Francisco, recebe o chamado diretamente d’Ele, porém responde: “Senhor, permite-me primeiro ir enterrar meu pai”. O Pontífice observou tratar-se de um pedido legítimo, fundado no mandamento de honrar pai e mãe. Todavia, Jesus replicou: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos”.

“Com essas palavras, propositadamente provocatórias, Ele quer afirmar o primado do seguimento e do anúncio do Reino de Deus, mesmo sobre as realidades mais importantes, como a família. A urgência de comunicar o Evangelho, que rompe a cadeia da morte e inaugura a vida eterna, não admite atrasos, mas requer prontidão e total disponibilidade. Ou seja, a Igreja é itinerante, aí a Igreja é decidida, tem pressa, no momento, sem esperar.”

Seguir Jesus exclui indecisões e repensamentos
O terceiro personagem apresentado pelo Evangelista quer também ele seguir Jesus, mas, com a condição de antes despedir-se dos parentes, e ele ouve o Mestre dizer-lhe: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não é apto para o Reino de Deus”. Francisco destacou que o seguir Jesus exclui arrependimentos e olhar para trás, mas requer a virtude de decisão.

O valor destas condições colocadas por Jesus – itinerante, prontidão e decisão – não está numa série de “não” ditos a coisas boas e importantes da vida, explicou o Papa.

Não se segue Jesus por conveniência. Ai dos carreiristas!
“O acento deve ser colocado no objetivo principal: tornar-se discípulo de Cristo! Uma escolha livre e consciente, feita por amor, para retribuir a graça inestimável de Deus, e não feita como um modo para promover a si próprio. Isso é triste! Ai daqueles que pensam seguir Jesus para promover-se, isto é, para fazer carreira para sentir-se importantes ou adquirir um lugar de prestígio.”

“Quem a Virgem Maria, ícone da Igreja em caminho, nos ajude a seguir o Senhor com alegria e a anunciar aos irmãos, com renovado amor, a Boa Nova da salvação”, disse Francisco voltando seu pensamento a Nossa Senhora.

Atenção à península coreana
Após a oração mariana, o Pontífice comentou o aperto de mão este domingo, na Coreia, entre o presidente estadunidense Donald Trump e seu homólogo norte-coreano Kim Jong-um:

“Nas últimas horas assistimos na Coreia um bom exemplo de cultura do encontro. Saúdo os protagonistas, com a oração a fim de que tal gesto significativo constitua um passo ulterior no caminho da paz, não somente naquela península, mas em favor do mundo inteiro.”

Como seguir Jesus

domtotal.com
A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho segundo Lc 9,51-62 que corresponde ao 13° Domingo do Tempo Comum, ciclo C do Ano Litúrgico.
O grande obstáculo que impede que muitos cristãos de hoje sigam verdadeiramente a Jesus é o bem-estar em que vivemos instalados.
O grande obstáculo que impede que muitos cristãos de hoje sigam verdadeiramente a Jesus é o bem-estar em que vivemos instalados. (Free-Photos/Pixabay)
Por José Antonio Pagola*

Jesus empreende com determinação sua marcha para Jerusalém. Sabe o perigo que corre na capital, mas nada o impede. Sua vida tem apenas um objetivo: anunciar e promover o projeto do reino de Deus. A marcha começa mal: os samaritanos rejeitam-No. Ele está habituado: o mesmo lhe aconteceu na sua terra de Nazaré.

Jesus sabe que não é fácil que lhe acompanhem na sua vida de profeta itinerante. Não pode oferecer aos seus seguidores a segurança e o prestígio que podem prometer os letrados da lei aos seus discípulos. Jesus não engana ninguém. Aqueles que querem segui-lo terão que aprender a viver como ele.

Enquanto eles estão a caminho, aproxima-se um desconhecido. Ele parece entusiasmado: "Te sigo para onde quer que vás". Antes de tudo, Jesus lhe faz ver que não espere dele segurança, vantagens ou bem-estar. Ele mesmo "não tem onde reclinar a cabeça". Não tem casa, come o que lhe oferecem, dorme onde pode.

Não nos enganemos. O grande obstáculo que impede que muitos cristãos de hoje sigam verdadeiramente a Jesus é o bem-estar em que vivemos instalados. Temos medo de levar a sério porque sabemos que exigiria viver de forma mais generosa e solidária. Somos escravos do nosso pequeno bem-estar. Talvez as crises econômicas nos possam tornar mais humanos e mais cristãos.

Outro pede a Jesus para deixá-lo ir enterrar o pai antes de segui-lo. Jesus lhe responde com um jogo de palavras provocativas e enigmáticas: "Deixa que os mortos enterrem os seus mortos, vai e anuncia o reino de Deus". Essas palavras intrigantes questionam o nosso estilo convencional de vida.

Temos de ampliar o horizonte em que nos movemos. A família não é tudo. Há algo mais importante. Se decidirmos seguir Jesus, temos de pensar também na família humana: ninguém deveria viver sem uma casa, sem pátria, sem documentos, sem direitos. Todos nós podemos fazer algo mais por um mundo justo e fraterno.

Outro está disposto a segui-lo, mas antes ele quer dizer adeus à sua família. Jesus surpreende-o com estas palavras: "Aquele que lança mão ao arado e olha para trás não é apto para o reino de Deus". Colaborar no projeto de Jesus exige dedicação total, olhar para frente sem distrair-nos, caminhar em direção ao futuro sem nos fecharmos no passado.

Papa Francisco avisou-nos de algo que está acontecendo hoje na Igreja: "Temos medo que Deus nos leve por caminhos novos, tirando-nos dos nossos horizontes, frequentemente limitados, fechados e egoístas, para nos abrir aos seus".

*José Antonio Pagola é padre e tem dedicado a sua vida aos estudos bíblicos, nomeadamente à investigação sobre o Jesus histórico. Nascido em 1937, é licenciado em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma (1962), licenciado em Sagradas Escrituras pelo Instituto Bíblico de Roma (1965), e diplomado em Ciências Bíblicas pela École Biblique de Jerusalém (1966). Professor no seminário de San Sebastián (Espanha) e na Faculdade de Teologia do Norte de Espanha (sede de Vitória), foi também reitor do seminário diocesano de San Sebastián e vigário-geral da diocese de San Sebastián.

Qual seria essa nova teologia de Francisco?

domtotal.com
Na semana passada, um evento na cidade de Nápoles demonstrou qual a real intenção do papa atual em relação aos rumos da teologia.
Papa Francisco e cardeal Crescenzo Pepe, arcebispo metropolitano de Nápoles.
Papa Francisco e cardeal Crescenzo Pepe, arcebispo metropolitano de Nápoles. (AP)
Por Mirticeli Dias de Medeiros*

Na semana passada, um evento memorável. Nápoles e o mundo presenciaram, pela primeira vez na história, um pontífice que assume as vestes de um palestrante de um congresso de teologia. Nós, do Dom total, acompanhamos todo o evento.

Papa Francisco chegou à Universidade Teológica Meridional, que fica localizada na cidade de Nápoles, à pé, entre os estudantes que o aguardavam ansiosamente. Ele se colocou ao centro da mesa redonda e acompanhou, atentamente, todos os palestrantes que o antecederam. Ele fez questão de chegar não somente para participar momento no qual iria discursar, mas antes, dando o exemplo de que um verdadeiro líder também se coloca em atitude de escuta.

“Foi um evento histórico porque ele aceitou o convite de vir a uma universidade pequena, localizada em uma provîncia, demonstrando, mais uma vez, seu interesse pela margem, pela periferia, também pela periferia teológica, se comparamos aos grandes centros culturais (...) Na sua colocação, ele exaltou a primazia do contexto. Não se pode fazer uma teologia que não olhe para o mundo”, disse o historiador Sergio Tanzarella, um dos palestrantes que organizaram o evento.

Não só papa Francisco, como todos os palestrantes, aproveitaram a ocasião também para denunciar a marginalização das mulheres na Igreja, a história da Igreja instrumentalizada para fins políticos e a teologia “desencarnada” que coloca-se alheia aos problemas sociais.

Em Nápoles, Francisco é considerado de casa. A cidade que, como sabemos, possui problemas estruturais bastante evidentes que irritam os próprios italianos, abre suas portas para os imigrantes. O apelo formal de acolhida partiu do prefeito da cidade, Luigi Magistris: “Quem tem condições, por favor, acolha um imigrante”. O espírito de acolhida do napolitano ninguém pode negar. Basta pedir uma informação de como chegar a tal lugar e, provavelmente, o cidadão daquela cidade será capaz de levar você até a parada do ônibus, para estar certo de que você chegará a seu destino.

O interessante desse evento, sobretudo em relação às palavras do papa, foi o “decálogo da nova teologia” que ele, sem que ninguém se desse conta, “canonizou” naquele evento. Acolhida, diálogo, escuta e interdisciplinaridade foram as palavras-chaves. Naquela cidade, palco de tantos problemas sociais, às margens do mar mediterrâneo, o desejo de que a teologia de “joelhos”, como ele gosta de frisar, transborde em solidariedade e caridade. Não mais uma teologia apologética, diz o pontífice, mas teologia de evangelização.

“A nova teologia de papa Francisco é assumir, para si, todos os problemas do mundo. Uma teologia que escuta o mundo e a história para que, a partir daí, se estabeleçam os critérios de discernimento. Não uma teologia “manualística”, mas uma teologia que procura as perguntas para só depois dar as respostas, ressaltou Tanzarella.

*Mirticeli Dias de Medeiros é jornalista e mestre em História da Igreja pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Desde 2009, cobre primordialmente o Vaticano para meios de comunicação no Brasil e na Itália, sendo uma das poucas jornalistas brasileiras credenciadas como vaticanista junto à Sala de Imprensa da Santa Sé.

Pobreza

JN E MORO MENTEM!

Resultado de imagem para JN E MORO MENTEM!
 PROCURADOR CONFIRMA AO CORREIO AUTENTICIDADE DE MENSAGENS SOBRE MORO; CONFIRA!

Escrito por Portal Click Política 29 de junho de 2019

Em nota divulgada no final da tarde deste sábado (29/6), a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) “alerta a sociedade sobre a impossibilidade de considerar como verdadeiras” mensagens divulgadas pelo site The Intercept em que procuradores da República fazem críticas ao ministro Sérgio Moro. Ouvido pelo Correio, um procurador, porém, confirma, que as mensagens sobre Moro são verdadeiras.

Integrantes da força-tarefa da Lava-Jato revelam preocupações com a possibilidade de que o então juiz Sérgio Moro aceitasse convite para compor a equipe de ministros do presidente Jair Bolsonaro.

Nas mensagens publicadas, a procuradora Monique Cheker critica a condução dos processos da Lava-Jato pelo ministro na época em que ele era juiz no Paraná. “Moro viola sempre o sistema acusatório e é tolerado por seus resultados”, teria dito Monique. Em um grupo no aplicativo Telegram, os procuradores teriam demonstrado preocupação com o fato de Moro marcar encontros com o presidente Jair Bolsonaro após o resultado das eleições do ano passado.


Um dos que participam do diálogo é o procurador Alan Mansur, coordenador da Lava-Jato no Pará. Ele revela temor com a ida de Moro para o Ministério da Justiça. “Tem toda a técnica e conhecimento para ser um excelente ministro da Justiça. E tentar colocar em prática tudo que ele acredita. Porém, o fato de ter aceitado, neste momento, entrar na política e desta forma, é muito ruim pra imagem de imparcialidade do sistema de justiça e MP em geral”, disse.

Minutos antes da reportagem entrar no ar, o jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept, apresentou a reprodução de uma conversa, citando o procurador Ângelo Goulart Villela. A matéria publicada, porém, citou na verdade Ângelo Augusto Costa, um homônimo. Pelo Twitter, Sérgio Moro afirmou que as controvérsias da publicação revelam que as mensagens não ocorreram. “Isso só reforça que as mensagens não são autênticas e que são passíveis de adulteração. O que se tem é um balão vazio, cheio de nada. Até quando a honra e a privacidade de agentes da lei vão ser violadas com o propósito de anular condenações e impedir investigações contra corrupção?”, disse.

No posicionamento divulgado, a ANPR ressaltou a “preocupação quanto à divulgação de mensagens atribuídas a integrantes do Ministério Publico Federal com indícios de terem sido adulteradas e de serem oriundas de crime cibernético”. A entidade destacou ainda que se “manterá implacável na defesa das prerrogativas funcionais dos procuradores da República, garantidas pela Constituição para que eles possam defender, com independência e autonomia, a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais indisponíveis”.


Veracidade

Ao Correio, um dos procuradores que estava no grupo em que ocorreram as conversas, disse, sob a condição de anonimato, que os trechos divulgados são verdadeiros. “Me recordo dos diálogos com os procuradores apontados pelo site. O grupo não existe mais. No entanto, me lembro do debate em torno do resultado das eleições e da expectativa sobre a ida de Moro para o Ministério da Justiça”, disse.

O integrante do Ministério Público Federal (MPF) também declarou que conseguiu recuperar parte do conteúdo. “Consegui recuperar alguns arquivos no celular. Percebi que os trechos divulgados não são de diálogos completos. Tem mensagens anteriores e posteriores às que foram publicadas. No entanto, realmente ocorreram. Não posso atestar que tudo que foi publicado até agora é real e não sofreu alterações. No entanto, aquelas mensagens que foram publicadas ontem (sexta) são autênticas”, completou.

https://clickpolitica.com.b

Procuradores da Lava Jato sabiam que condenação de Lula era frágil, revela Intercept



Na véspera de o juiz Sérgio Moro ser confirmado no Ministério da Justiça, procuradores da Lava Jato manifestavam preocupação porque sabiam da precariedade da condenação e da dificuldade para a manutenção da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Sem provas, eles temiam que o PT derrubasse a frágil “convicção” da força-tarefa com a narrativa de que ela era partidária e o julgador (bingo!) parcial.


As mensagens foram divulgadas na madrugada deste sábado (29) pelo site The Intercept Brasil. O pacote faz parte da oitava parte das reportagens iniciadas no dia 9 de junho.

O procurador Antônio Carlos Welter, no dia 31 de outubro de 2018, sintetiza o pensamento da força-tarefa numa mensagem: “Veja que um dos fundamentos do pedido feito ao comitê da Onu para anular o processo do Lula é justamente o de falta de parcialidade do juiz”, disse.

“E logo após as eleições ele é convidado para ser Ministro. Se aceitar vai confirmar para muitos a teoria da conspiração. Vai ser um prato cheio. As vezes, o convite, ainda que possa representar reconhecimento (merecido), vai significar para muita gente boa e imparcial, que nos apoia, sem falar da imprensa e o PT, uma virada de mesa, de postura, incompatível com a de Juiz”, continuou Welter.

O procurador Alan Mansur, no dia 1º de novembro de 2018, após a confirmação de Moro como superministro, avaliou: “Será ainda mais marcado por parcialidade. E sempre ficará o comentário, Moro fez tudo isso para assumir o poder.”

A procuradora Monique Cheker é bastante assertiva sobre as ilegalidades na Lava Jato, ao admitir a submissão da força-tarefa e afirmar que “Moro viola sempre o sistema acusatório e é tolerado por seus resultados.”

LEIA TAMBÉM
A íntegra das novas e cabeludas mensagens trocadas entre integrantes da Lava Jato; confira

Cheker não deixa dúvidas acerca da condição bovina no Ministério Público Federal do Paraná. “Moro é inquisitivo, só manda para o MP quando quer corroborar suas ideias, decide sem pedido do MP (variasssss vezes) e respeitosamente o MPF do PR sempre tolerou isso pelos ótimos resultados alcançados pela lava jato.”

Às suas ordens!

The Intercept: procuradores desnudaram Moro

O Brasil está em seu momento mais perigoso
“Moro é inquisitivo, só manda para o MP quando quer corroborar com suas ideias, decide sem pedido do MP (várias vezes) e respeitosamente o MPF do PR sempre tolerou isso pelos ótimos resultados alcançados pela Lava Jato”, disse a procuradora Monique Cheker, em mensagem revelada pelo site de Glenn Greenwald

30 de junho de 2019, 05:37 h
308
...
O Brasil está em seu momento mais perigoso

Do Br2pontos – Novos diálogos vazados pelo site The Intercept Brasil, divulgados na madrugada deste sábado 29, mostram uma troca de mensagens entre dois procuradores do Ministério Público Federal (MPF), que criticam as práticas do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, quando atuava como juiz. Na conversa, Monique Checker, procuradora do MPF do Rio de Janeiro, diz que Moro “viola sempre o sistema acusatório e é tolerado por seus resultados”.


Checker fez a declaração em uma conversa pelo aplicativo Telegram, em 1º de novembro de 2018, uma hora antes de Moro aceitar convite para se tornar ministro do governo Jair Bolsonaro. No trecho divulgado, ela interage com outro procurador, que diz, em mensagem transcrita pelo site: “Eu não confio no Moro, não. Em breve vamos receber cota de delegado mandando acrescentar fatos à denúncia. E, se não cumprirmos, o próprio juiz resolve”.

Checker afirma que pensa igual e acrescenta: “Moro é inquisitivo, só manda para o MP quando quer corroborar com suas ideias, decide sem pedido do MP (várias vezes) e respeitosamente o MPF do PR sempre tolerou isso pelos ótimos resultados alcançados pela Lava Jato”.

Comentários ...
Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

247 faz apelo por debate responsável na internet

Liberação em larga escala de agrotóxicos no Brasil é preocupante


Desde o início deste ano, o governo federal já autorizou 239 agrotóxicos e outros 539 pedidos de registro já foram acatados.


O ano de 2019 pode bater recorde de aprovação de agrotóxicos, ultrapassando o ano de 2018, com maior registro de aprovações até então.
O ano de 2019 pode bater recorde de aprovação de agrotóxicos, ultrapassando o ano de 2018, com maior registro de aprovações até então. (Juan Carlos Ulate/Reuters)
Nunca se liberou tanto agrotóxico no país quanto no primeiro semestre de 2019. Esse presente de grego coloca a população na mira: substâncias altamente ou extremamente tóxicas estão sendo despejadas sobre nossas cabeças.
Mantendo o ritmo acelerado de aprovações de agrotóxicos, o governo liberou nessa segunda-feira, 24, mais 42 venenos no mercado brasileiro, totalizando 239 desde o começo de 2019. Esse volume de aprovações é inédito e preocupante.
Além dos 239 agrotóxicos já liberados, há 538 novos pedidos de registro acatados pelo novo governo. Se o ritmo de liberação seguir assim, podemos encerrar 2019 com novo recorde de aprovação de agrotóxicos, superando 2018 (maior registro de aprovações até então). 
A posição do governo em relação aos agrotóxicos tem sido uma afronta ao meio ambiente e uma ameaça não somente à saúde da população, como também à própria produção agrícola. É veneno que não acaba mais e um desrespeito sem tamanho à sociedade, que pede mais saúde e alimentos de verdade.
“O governo vem passando por cima da opinião pública e de órgãos de saúde, colocando em prática o pacote do veneno com simples canetadas. Já passamos de 200 aprovações de agrotóxicos neste ano. O país está inundado de veneno”, alerta Marina Lacôrte, da campanha de Alimentação e Agricultura do Greenpeace. 
“Dos novos produtos liberados nesta leva, há apenas um ativo inédito que é muito tóxico a organismos aquáticos. Já os outros produtos são variações de substâncias já aprovadas, que em nada agregam nem vão em direção a um cultivo mais sustentável. Pelo contrário, eles mantêm o sistema industrial vigente e consomem recursos que poderiam estar sendo direcionados para iniciativas melhores para nossa saúde e agricultura”.
A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, é a maior defensora do pacote do veneno na Câmara junto a seus aliados ruralistas. Seu argumento de que a flexibilização na liberação de novos produtos permitiria agilidade no registro de moléculas menos tóxicas tem se mostrado uma grande conversa para boi dormir, já que, dos 239 agrotóxicos liberados em 2019, 43% são altamente ou extremamente tóxicos e a maior parte deles não tem nada de novo ou mais ‘moderno’, como costuma dizer. Além disso, de todos os produtos liberados até agora, 31% não são permitidos na União Europeia.
Para Marina Lacôrte, isso é escandaloso. “É a atitude mais atrasada que um governo pode tomar. É possível produzir sem agrotóxicos, em equilíbrio com o meio ambiente e respeitando a saúde das pessoas. Porém, cada vez mais venenos são impostos ao povo brasileiro e nossa agricultura fica cada vez mais insustentável, tornando-a inviável no longo prazo”.
Se de um lado a população tem sua saúde desrespeitada, de outro tem quem se beneficie desse casamento entre o governo e o veneno. O projeto de jornalismo investigativo Unearthed revelou que várias empresas estrangeiras fizeram do Brasil um destino de substâncias químicas proibidas em seus países de origem. Entre essas empresas estão as alemãs Helm e BASF e as recentemente compradas pela chinesa ChemChina Adama e Syngenta.
Segundo a Unearthed, desde 2016, a Helm registrou nove produtos no Brasil que não são permitidos na Alemanha. Em 2019, a Helm teve aprovado um agrotóxico com diquat no país, um produto químico perigoso que foi proibido na União Europeia no ano passado depois que a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) descobriu que ela pode prejudicar o sistema hormonal humano e é ameaça para aves e mamíferos.
A Syngenta é outra que se aproveita das regras mais frouxas no Brasil, de acordo com a Unearthead. A empresa vende, por exemplo, diversos produtos contendo atrazina, um herbicida que é proibido na União Europeia desde 2003, pode causar problemas cardíacos em humanos e estragos na vida sexual de sapos machos.
Agrotóxicos proibidos também na China foram aprovados recentemente no Brasil, como o acefato. A substância, banida na Europa há quase duas décadas, sofreu restrições de uso no país asiático em 2017. 
Alguns dos venenos liberados pelo governo em 2019:
2-4D – classificado como extremamente tóxico e provável carcinogênico, é um herbicida normalmente lembrado como um dos ingredientes do Agente Laranja, utilizado pelos Estados Unidos na Guerra do Vietnã. Em abril, produtores do Rio Grande do Sultiveram perdas estimadas em R$ 100 milhões por conta do uso da substância.
Acefato e atrazina – banidos na Europa, o primeiro foi associado a danos na fertilidade masculina e o segundo é conhecido por possíveis problemas cardíacos em humanos, além de prejudicar a vida sexual de sapos machos.
Dibrometo de diquate – considerado extremamente tóxico pela Anvisa, essa substância é letal se inalada.
Fipronil – banido na Europa desde 2013, tem alta toxicidade e letalidade para as abelhas, provocando danos à sua aprendizagem e memorização.
Glifosato – agrotóxico mais usado no mundo, é classificado pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) como potencialmente cancerígeno para humanos. Também é muito prejudicial às abelhas, pois altera a sua sensibilidade por açúcar e a habilidade de navegação, atrapalhando-as na busca por alimentos e no retorno à colônia.
Glufosinato de amônio – já foi associado a problemas reprodutivos em humanos.
Greenpeace, 25-06-2019.

3 perguntas que mulheres solteiras fazem enquanto esperam pelo amor

Aqui estão algumas das coisas mais comuns que as mulheres querem saber quando descobrem que eu só me casei aos 44 anos

Tendo casado apenas aos 44 anos de idade, tenho tido o privilégio de conversar sobre esse assunto com muitas mulheres solteiras.
Isso porque eu entendo as lutas de ser solteira por um longo tempo. E muitas mulheres se sentem à vontade para pedir meu aconselhamento.
As perguntas que elas me fazem estão relacionadas com os questionamentos de qualquer pessoa que esteja esperando ou em dúvidas sobre o amor. E também em relação a um possível futuro conjugal.
Aqui estão as três perguntas que as mulheres solteiras mais frequentemente me fazem, e o que eu compartilho com elas para reforçar sua esperança e fé no que parece ser uma busca desanimadora pelo amor.

“Como devo viver nesse meio tempo?”

Além de rezar por uma abertura ao amor que Deus tem para dar a você, ter esperança e ser feliz no momento atual se resume em confiar que você está exatamente onde deveria estar, que Deus é grande e poderoso o suficiente, que Ele te ama, te vê e ouve cada grito do seu coração. Deus não esqueceu de você, e Ele tem um propósito e um plano para você, incluindo ser feliz agora.
O “Exame de Consciência” inaciano diz que a gratidão é o alicerce de nosso relacionamento com Deus.
Quando você olha para cada dia através da lente da gratidão pelo dom de sua vida, o dom de cada momento e de cada pequena coisa, isso transformará seu coração em um lugar de paz e esperança.
Santa Teresa d’Ávila fala da humildade como o ingrediente necessário em nosso relacionamento com Deus. A humildade também é fundamental na busca do amor. Temos de acreditar que Deus tem um plano e nos conhece intimamente.

“O que você diria ao seu eu de 30 anos se pudesse?”

Demorei um pouco para saber realmente o que eu gostaria de poder dizer para o meu eu mais jovem, mas é isto: “Você não tem ideia de quão grandes são os planos de Deus e como esses planos vão te fazer feliz! Os planos de Deus valem a espera! Então, relaxe, não se preocupe, e não perca um único dia mergulhada em angústia, desejando que esses anos passem! Estes anos que você gastar esperando e vivendo sua vida em plenitude serão lembranças felizes, e você não vai se arrepender por esperar por seu cônjuge.”
Então, viva cada dia plenamente e procure o amor que Deus está lhe enviando agora mesmo. Viva sem culpa!

“Como eu lido com o desânimo?”

Não se permita ouvir pensamentos desanimadores. Este estado na vida é de fato uma luta. Pode parecer até um luto – foi o que aconteceu comigo. A razão é que eu acreditava que meus anos férteis estavam diminuindo diante de mim e me senti em pânico e sofri muito com isso. Foi precisamente esse enorme problema que tornou o namoro ainda mais difícil. Embora eu realmente quisesse, era difícil desfrutar a vida.
Isso pode ser agravado pela sensação de que não devemos admitir isso, para não parecer desesperadas. Mas a verdade é que você precisa admitir isso para si mesma e ser honesta com outra pessoa sobre isso – um amigo, confidente, conselheiro, treinador, diretor espiritual. Seu valor pessoal não pode se basear num relacionamento ou na atenção de alguém.
Uma das coisas mais saudáveis que você pode fazer por si mesma é reconhecer o que você precisa curar. Todos nós temos feridas – algumas marcas profundas da infância e algumas de namoros equivocados ​​ou eventos traumáticos.
A maioria de nós sabe com o que luta. Tudo isso é completamente normal e humano. Buscando cura, aconselhamento, direção espiritual, coaching e seguir o caminho do amadurecimento onde é preciso ajudará a libertar o seu coração, e permitirá que você cresça em paz para poder estar aberta ao amor.
Esperar, por mais difícil que seja, não deve ser desesperador. Faça uma pausa e permita-se admitir o que está acontecendo em seu coração sem sentir desprezo ou vergonha.
Só por hoje, fixe seu olhar no que você pode fazer hoje e que te faz feliz. Quando você está aberta para o que Deus está lhe enviando, você vê as coisas em uma nova perspectiva, além de encontrar a paz pela qual seu coração anseia.

Papa ao Apostolado da Oração: o coração da missão da Igreja é a oração

Papa Francisco na audiência ao Apostolado da Oração, na Sala Paulo VI, no Vaticano

"A oração suscita sempre sentimentos de fraternidade, abate as barreiras, supera os confins, cria pontes invisíveis, mas reais e eficazes, abre horizontes de esperança", disse Francisco ao receber em audiência esta sexta-feira (28/06) a Rede Mundial de Oração pelo Papa que completa 175 anos de fundação. A associação pública de fiéis é também conhecida como "Apostolado da Oração"
Raimundo de Lima - Cidade do Vaticano

“Um serviço mais do que nunca necessário, que ressalta o primado de Deus na vida das pessoas, favorecendo a comunhão na Igreja”: assim Francisco definiu a atividade desempenhada pela Rede Mundial de Oração do Papa, ao receber em audiência na Sala Paulo VI, no Vaticano, ao meio-dia desta sexta-feira (28/06), seis mil membros do “Apostolado da Oração” provenientes do mundo inteiro, dos quais, 850 do continente americano presentes com doze delegações.

Ouça a reportagem com a voz do Papa Francisco
O Santo Padre expressou a alegria de encontrá-los e acolhê-los nesta ocasião dos 175 anos da Rede Mundial, agradecendo pelo empenho de oração e de apostolado em favor da missão da Igreja.

Testemunhos
Agradecendo também pelos testemunhos precedentemente dados, em seu discurso aos presentes o Pontífice ateve-se a estes, nos quais descreveram os vários aspectos do serviço de animação espiritual do “Apostolado da Oração”.

Pe. Matthew, que trabalha em Taiwan, disse Francisco, ofereceu-nos informações interessantes acerca da versão de Clique para rezar em chinês.

Oração cria pontes invisíveis, mas reais e eficazes
“É belo saber que os chineses, para além das dificuldades de diferentes naturezas, podem se sentir realmente unidos na oração, encontrando nela um válido auxílio no conhecimento e no testemunho do Evangelho. A oração suscita sempre sentimentos de fraternidade, abate as barreiras, supera os confins, cria pontes invisíveis, mas reais e eficazes, abre horizontes de esperança.”

Em seguida, o Santo Padre referiu-se ao testemunho de Marie Dominique, que contou a missão do Apostolado da Oração na França, onde esta realidade nasceu 175 anos atrás. Do seu testemunho, ressaltou o Papa, entendemos que as intenções de oração tornam concreta a missão de Jesus no mundo.

Na oração, assumir as alegrias e sofrimentos das pessoas
“A Igreja, através da sua rede de oração e as intenções para cada mês, fala ao coração dos homens e das mulheres  do  nosso tempo”, acrescentou.

“ Todos nós, pastores, consagrados e fiéis leigos, somos chamados a entrar na história concreta das pessoas que estão ao nosso lado sobretudo rezando por elas, assumindo na oração suas alegrias e seus sofrimentos. Desse modo responderemos ao apelo de Jesus que nos pede para abrir nosso coração aos irmãos, especialmente aos que são provados no corpo e no espírito. ”

É oportuno, neste dia da solenidade do Sagrado Coração de Jesus, recordar o fundamento da nossa missão, como fez Betina (Argentina), destacou o Papa referindo-se ao que disse mais uma das pessoas que deram seu testemunho no âmbito da missão realizada pelo “Apostolado da Oração”.

Testemunhas e mensageiros da misericórdia de Deus
“Trata-se de uma missão de compaixão pelo mundo, podemos dizer, um ‘caminho do coração’, ou seja, um itinerário orante que transforma a vida das pessoas. O coração de Cristo é tão grande que deseja acolher-nos todos na revolução da ternura”, frisou Francisco, acrescentado que “somos chamados a ser testemunhas e mensageiros da misericórdia de Deus, para oferecer ao mundo uma perspectiva de luz onde há trevas, de esperança onde reina o desespero, de salvação onde abunda o pecado”.

O Papa aludiu ainda ao testemunho da religiosa etíope, Irmã Selam, que com os jovens do Movimento Eucarístico Juvenil, frisou Francisco, “ajuda a contemplar a ação do Espírito Santo naquela terra. É importante ajudar as novas gerações a crescer na amizade com Jesus através do encontro íntimo com Ele na Oração, na escuta da sua Palavra, recebendo a Eucaristia para ser dom de amor ao próximo”.

Na oração, o encontro entre avôs e netos
O Santo Padre referiu-se ao entusiasmo de Diego (Guatemala) – mais uma das testemunhas - em favorecer o encontro entre avôs e netos na oração pela paz no mundo e pelos grandes desafios da humanidade de hoje.

Na Rede de oração do Papa se encontram várias gerações, disse Francisco, “é bonito pensar como os avôs podem ser exemplo aos jovens, indicando-lhes percorrer o caminho da oração”.

Mundo digital: missão da Igreja nos areópagos modernos
O Pontífice agradeceu o testemunho de Pe. António (Portugal), que disse como o Apostolado da Oração, entrando no mundo digital, aproxima anciãos e jovens, ajudando-os a dar nova vitalidade ao tradicional apostolado da oração.

“É preciso que a missão da Igreja se adeque aos tempos e utilize os instrumentos modernos que a técnica coloca à disposição. Trata-se de entrar nos areópagos modernos para anunciar a misericórdia e a bondade de Deus.”

Servir-se da Internet sem tornar-se servos
O Papa disse por fim que é preciso, porém, prestar atenção, a servir-se destes meios, especialmente da rede de Internet, sem tornar-se servos dos meios. É preciso evitar tornar-se reféns de uma rede que nos prende, ao invés de ‘pescar peixes’, ou seja, atrair almas para levá-las o Senhor.

“O apostolado da Oração, com a sua Rede mundial de oração pelo Papa e em comunhão com ele, recorda que o coração da missão da Igreja é a oração”, concluiu Francisco.

Papa à Igreja alemã: caminhar juntos, movidos pelo Espírito Santo

Papa Francisco assina um documento
Papa Francisco assina um documento 
O Papa Francisco oferece seu apoio ao caminho sinodal da Igreja na Alemanha com uma Carta, publicada este 29 de junho, em que manifesta seu apreço pela Igreja alemã, exortando a não caminhar sozinha e ressaltando a centralidade do Espírito Santo na renovação eclesial
Pe. Bernd Hagenkord SI - Cidade do Vaticano

“Todos temos consciência de viver não somente numa época de mudança, mas também uma mudança de época que suscita questões novas e antigas, diante das quais um debate é justificado e necessário”: no início da Carta à Igreja na Alemanha, o Papa Francisco esclarece ter consciência da dramática situação da Igreja no país e oferece seu apoio à reflexão sobre esse tema.

Ouça e compartilhe!
A Carta é a contribuição do Papa para o caminho sinodal decidido pelos bispos em sua Assembleia plenária de março deste ano. Junto com a representação leiga (ZdK) e especialistas externos, a Igreja quer discutir os temas centrais da crise.

A inspiração para este caminho sinodal foi um estudo comissionado pelos próprios bispos sobre o tema do abuso sexual por parte do clero e de religiosos, mas há também outros temas, como o envelhecimento das comunidades, a falta de vocações, a não aceitação da doutrina sexual católica e a questão do estilo de vida dos sacerdotes.

O Papa Francisco não responde a essas interpelações concretas. Sua contribuição quer ser um fundamento espiritual para o debate. Não oferece soluções, não proíbe as discussões, mas no estilo da Evangelii gaudium o Papa recorda a centralidade do Espírito Santo.

A sua perspectiva sobre a questão é a da unidade da Igreja: “Toda vez que uma comunidade eclesial buscou sair sozinha de seus problemas, confiando somente nas próprias forças, métodos e inteligência, acabou multiplicando e alimentando os males que pretendia superar”.

O Papa inicia a Carta ressaltando duas das grandes forças e características da Igreja alemã: “As comunidades católicas na Alemanha em sua diversidade e pluralidade – afirma – são reconhecidas no mundo inteiro por seu sentido de corresponsabilidade e generosidade”. É uma Igreja da mão estendida. Em segundo lugar, Francisco indica o “caminho ecumênico empreendido”.

Além dessas características positivas, a razão da mudança de época se coloca em terceiro lugar: “Hoje, porém, junto a vocês, percebo dolorosamente a crescente erosão e o enfraquecimento da fé com tudo que isso comporta não somente a nível espiritual, mas também a nível social e cultural”, um declínio pluridimensional e “de solução não fácil nem rápida”, escreve o Papa.

Francisco detém-se sobre o significado da sinodalidade, ressaltando sua “dúplice perspectiva”, no sentido que se realiza, sobretudo, “de baixo para cima” e, somente depois, “de cima para baixo”. A vida cotidiana e a vida concreta nos vários lugares têm, portanto, a prioridade.

Na Carta, são repetidamente ressaltadas, segundo várias perspectivas, a centralidade da fé, da evangelização e, sobretudo, do Espírito Santo. Traduzido na vida de todos os dias: “Isso estimula o surgimento e a continuação de processos que nos constroem como povo de Deus, ao invés de buscar resultados imediatos com consequências prematuras e midiáticas”. Ressoa no texto um alerta para uma falsa reforma, como afirmado na Evangelii gaudium.

Para percorrer o caminho sinodal – ressalta o Papa – é necessário sobretudo coragem. Porém, ao mesmo tempo, é preciso atenção para não cair nas armadilhas ao longo do percurso. Francisco as chama de “tentações”.

“Subjacente a essa tentação encontra-se o acreditar que a melhor resposta aos muitos problemas e às carências existentes consiste em reorganizar as coisas, mudá-las e ‘recolocá-las juntas’ para ordenar e tornar a vida da Igreja mais ágil adaptando-a à lógica atual ou de um grupo particular”. Uma realidade eclesial organizada não resolve nada – explica Francisco – porque precisa também da “aragem do Evangelho”, do seu frescor.

É preciso proceder com sabedoria, a visão racional dos problemas tem o seu significado, mas esse não é o cumprimento do “nosso ser fiéis”. O Papa retorna a sua mensagem central: a conversão pastoral”. A evangelização deve ser o “critério-guia por excelência”.

A centralidade do Espírito plasma também a modalidade dos debates: “A visão sinodal não elimina contradições ou confusão" nem subordina os conflitos a falsas concessões.

“A evangelização vivida desse modo – observa o Papa Francisco – não é uma tática de reposicionamento da Igreja no mundo de hoje”, não é um “retoque” que adequa a Igreja ao espírito dos tempos fazendo-a perder a sua originalidade e a sua missão profética.

Por outro lado, a evangelização não significa “uma tentativa de recuperar costumes e práticas que têm sentido em outros contextos culturais”: uma dúplice rejeição de quem busca a salvação através da adaptação ou do tradicionalismo.

Para não ficar somente no abstrato, o Papa indica os objetivos de uma verdadeira reforma: colocar-se em movimento para encontrar as irmãs e os irmãos, especialmente os marginalizados, os mais fracos, no contexto de uma cultura do descarte e de uma cultura onde há muitas vezes “discursos xenófobos”.

Mais uma vez o Papa Francisco volta ao tema da sinodalidade, que precisa de um “Sensus Ecclesiae” vivo, um sentimento comum por toda a Igreja, porque o caminho empreendido não deve acabar “isolado nas peculiaridades”.

“Os desafios que nos aguardam, as várias questões e perguntas que se nos apresentam não podem ser ignoradas ou escondidas, mas devem ser enfrentadas atentos quer para não ficar emaranhados nelas, quer para não perdê-las de vista, restringindo nossos horizontes e a realidade”. O Papa resume desse modo a sua compreensão do cominho sinodal. Todos, especialmente os “simples e pequenos”, devem ser ouvidos.

E acrescenta: “caminhemos juntos ao longo do percurso, como um corpo apostólico, e ouçamo-nos sob a guia do Espírito Santo, ainda que não pensemos do mesmo modo”. O Papa conclui: “O Senhor nos indica o caminho das Bem-aventuranças”.

Solenidade de São Pedro e São Paulo


REDAÇÃO CENTRAL, 30 Jun. 19 / 05:00 am (ACI).- “O dia de hoje é para nós dia sagrado, porque nele celebramos o martírio dos apóstolos São Pedro e São Paulo... Na realidade, os dois eram como um só; embora tenham sido martirizados em dias diferentes, deram o mesmo testemunho”, explicou o Bispo Santo Agostinho (354-430) em seus sermões sobre a solenidade de São Pedro e São Paulo, celebrada em 29 de junho, mas que é transferida para o domingo seguinte no Brasil e em ouros países..

Esta celebração recorda que São Pedro foi eleito por Cristo: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”. Humildemente, ele aceitou a missão de ser “a rocha” da Igreja.

O Papa por sua parte, como Sucessor de Pedro e Vigário de Cristo, é o princípio e fundamento perpétuo e visível da unidade, tanto dos bispos como da multidão de fiéis. É Pastor de toda a Igreja e tem poder pleno, supremo e universal. Por isso, também é comemorado nesta data o dia do Sumo Pontífice.

Do mesmo modo, comemora-se São Paulo, o Apóstolo dos gentios, que antes de sua conversão foi um perseguidor dos cristãos e passou, com sua vida, a ser um ardoroso evangelizador para todos os católicos, sem reservas no anúncio do Evangelho.

Como o Papa Bento XVI recordou em 2012, “a tradição cristã tem considerado São Pedro e São Paulo inseparáveis: na verdade, juntos, representam todo o Evangelho de Cristo”.

“Apesar de ser humanamente bastante diferentes e não obstante os conflitos que não faltaram no seu mútuo relacionamento, realizaram um modo novo e autenticamente evangélico de ser irmãos, tornado possível precisamente pela graça do Evangelho de Cristo que neles operava. Só o seguimento de Cristo conduz a uma nova fraternidade”, destacou.

sábado, 29 de junho de 2019

Datafolha já tira o sono de Bolsonaro


 Os bastidores da política aguardam uma “bombástica” pesquisa do Datafolha no sexto mês de governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

As prévias dos institutos Ibope e Paraná Pesquisas mostraram esta semana que o capitão começou a beijar a lona, qual seja, sua popularidade despenca em velocidade de cruzeiro.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro responde à Paraná Pesquisas: “Se eu acreditasse em pesquisa, não seria presidente”

Escândalos como o dos 39 kg de cocaína, proximidade com a milícia, laranjal no PSL, dentre outros, são somados à incompetência e à recessão econômica.

É nesse contexto que o Datafolha vem aí, segundo o mundo político.