segunda-feira, 2 de julho de 2018

CPT emite nota sobre a libertação de padre Amaro preso a 90 dias

Ruralistas orquestraram denúncias contra o padre continuador da obra da freira assassinada Dorothy Stang.


Padre Amaro colabora na implantação dos Projetos de Desenvolvimento Sustentável, apoiados pelo INCRA, pelos quais famílias camponesas cultivam e preservam a flor
Padre Amaro colabora na implantação dos Projetos de Desenvolvimento Sustentável, apoiados pelo INCRA, pelos quais famílias camponesas cultivam e preservam a flor (Reprodução/ POM)
O ministro do STJ, Rogério Schietti Cruz, concedeu habeas corpus ao padre Amaro na manhã dessa sexta-feira (29 de junho), vítima de difamação que tenta deslegitimar seu empenho em favor dos menos favorecidos. Por ocasião de sua libertação, após 90 dias de prisão, foi emitida nota pública pela Comissão Pastoral da Terra (CPT).
Padre Amaro Lopes de Sousa é pároco da paróquia de Santa Luzia de Anapu e coordenador da CPT na prelazia Prelazia do Xingu no Pará. Em seu processo, é acusado de promover invasões de terras que são reconhecidas pela Justiça como públicas, destinadas à reforma agrária, mas se concentram ainda nas mãos de pessoas economicamente poderosas.
O fazendeiro que acusa Amaro de chefiar uma organização criminosa que estaria por traz da tentativa de ocupação de sua fazenda é o mesmo que ameaçou a Irmã Dorothy, assassinada por sua defesa dos mais pobres. Na ocasião, ele disse a irmã para a que ninguém invadisse suas terras, ou “teria sangue até a canela” (fls. 1737 da ação penal que apurou o crime contra Dorothy).
Leia a nota na íntegra:
NOTA PÚBLICA

Padre Amaro livre, ainda esperamos justiça e paz,

Depois de se completarem 90 dias de prisão do Padre Amaro Lopes, da Prelazia do Xingu e CPT de Anapu (PA), o ministro do STJ, Rogério Schietti Cruz, na manhã de ontem, 29 de junho, concedeu-lhe habeas corpus para que possa responder em liberdade ao processo no qual é vítima.

A Coordenação Nacional da CPT, a Prelazia do Xingu e a Sociedade Paraense de Direitos Humanos se alegram com esta decisão, pois esperam que com ela comece a ser restabelecida a justiça em relação a um sacerdote e grande lutador em defesa dos direitos dos mais fracos – por primeiro o direito à terra da qual viver – espezinhados pelos que se arvoram em poderosos donos da terra e das decisões políticas.

Para conceder o habeas corpus (texto em anexo) o ministro baseou-se no fato de não haver na denúncia outros agentes envolvidos no tal “esquema criminoso”, o que “afastaria a existência de organização criminosa”. Segundo ele “parece tratar-se de operação deflagrada contra um investigado só”. Ressalta também o ministro que as denúncias apresentadas “historiam fatos ocorridos ao longo de 13 anos, nenhum, todavia, com data recente ou contemporâneo ao decreto prisional, a sinalizar a possibilidade de haverem sido reunidos com o propósito específico de eliminar a atuação do ora recorrente”.

Esta atuação é de continuidade à de Ir. Dorothy Stang, da mesma equipe da CPT em Anapu, assassinada em 2005, o que provocou repercussão inédita em nível nacional e internacional. Padre Amaro e as colegas de Dorothy, Irmãs de Notre Dame de Namur e cristãos leigos continuaram seu trabalho na implantação dos Projetos de Desenvolvimento Sustentável – PDS, apoiados pelo INCRA, pelos quais famílias camponesas cultivam e preservam a floresta em terras comprovadamente públicas. A estes projetos se opõem madeireiros, fazendeiros e grileiros de terra, ávidos de aumentar seus “negócios” na região. Em consequência, os conflitos e a violência agrária continuaram de tal forma que de 2015 até os dias de hoje já se contam 13 trabalhadores assassinados em Anapu, de acordo com os dados do Centro de Documentação da CPT Dom Tomás Balduino.

Na tentativa de conter a resistência camponesa nos PDS, os ruralistas da região orquestraram denúncias contra o padre Amaro baseadas em argumentos frágeis, mas que foram acolhidas, com celeridade inédita, tanto pela autoridade policial de Anapu, quanto pela Justiça local, também reafirmada pelo Tribunal de Justiça do Estado, que tem se mostrado conservador e influenciado pelas forças do latifúndio.

Ao tempo em que nos alegramos com a libertação do Padre Amaro, manifestamos preocupação com a continuidade do clima de violência e insegurança na região. Esperamos que o mais breve possível a verdadeira Justiça seja totalmente estabelecida e que o padre Amaro e aqueles e aquelas que com ele compartilham da luta em defesa dos empobrecidos, privados da terra e das mínimas condições dignas de vida, possam continuar seu trabalho em paz, como cidadãos e cidadãs, filhos e filhas de Deus.

Goiânia-GO, 29 de junho de 2018.

Coordenação Nacional da Comissão Pastoral da TerraPrelazia do Xingu
Sociedade Paraense de Direitos Humanos

Mais Informações:
  • Cristiane Passos (assessoria de comunicação da CPT Nacional): (62) 4008-6412 | 99307-4305
  • Elvis Marques (assessoria de comunicação da CPT Nacional): (62) 4008-6414 | 99309-6781

Nenhum comentário:

Postar um comentário