"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Papa abre uma nova via para beatificar: Oferecer a vida aceitando a morte segura

Por Álvaro de Juana
Cerimônia de canonização da Madre Teresa de Calcutá, em setembro de 2016. Foto: Daniel Ibáñez / ACI Prensa

Vaticano, 11 Jul. 17 / 11:00 am (ACI).- Através de um Motu Proprio (documento que parte do próprio Papa Francisco), o Vaticano estabelece um novo caso possível de beatificação: a oferta da própria vida.

Esta nova causa foi acrescentada às outras três existentes e reconhecias até agora pela Congregação para as Causas dos Santos: o martírio, as virtudes heroicas e os casos excepcionais.

“São dignos de especial consideração e honra os cristãos que, seguindo de perto os passos e os ensinamentos do Senhor Jesus, ofereceram voluntária e livremente a vida pelos outros e perseveraram até a morte neste propósito”, explica a Santa Sé.

O texto também manifesta que “é verdade que a oferta heroica da vida, sugerida e sustentada na caridade, expressa uma verdadeira, plena e exemplar imitação de Cristo e, portanto, é merecedor daquela admiração que a comunidade dos fiéis reserva muitas vezes àqueles que aceitaram voluntariamente o martírio de sangue ou exerceram o grau heroico das virtudes cristãs”.

A nova disposição recebeu o parecer favorável da Congregação para as Causas dos Santos, na sessão plenária do dia 27 de setembro de 2016, depois de um estudo cuidadoso desses casos.


O Motu Proprio prevê, portanto, que “a oferta da vida está oferecendo um novo caso no processo de beatificação e canonização, distinta dos casos de martírio e das heroicidade das virtudes”.

Para que a “oferta da vida” seja válida na beatificação de um Servo de Deus, deve responder a: “oferta livre e voluntária da vida e heroica aceitação propter caritatem de uma morte certa e decorrida num breve período de tempo”; “nexo entre a oferta da vida e a morte prematura”; “exercício, pelo menos em grau ordinário, das virtudes cristãs antes da oferta da vida e, depois, até a morte”; “existência da fama de santidade pelo menos depois da morte” e a “necessidade do milagre para a beatificação, ocorrida depois da morte do Servo de Deus e por sua intercessão”.

As outras três rotas

Em um artigo, o jornal oficial do Vaticano, L’Osservatore Romano, explica quais eram até agora as outras três vias. No martírio, contempla-se a “aceitação voluntária da morte violenta da vítima por amor a Cristo”; “o ódio do perseguidor pela fé ou por outra virtude cristã”, assim como a “mansidão e o perdão da vítima que imita o exemplo de Jesus, que na cruz invocou a misericórdia do Pai pelos seus assassinos”.

Na via das virtudes heroicas, devem exercer “convenientemente, prontamente, agradavelmente e sobre o modo de ação comum, para um fim sobrenatural e por um período constante de tempo, ou seja, até que se converta um modo habitual de ser e agir de acordo com o Evangelho”.

L’Osservatore Romano esclarece que “se tratam das virtudes teologais (fé, esperança, caridade), cardeais (prudência, justiça, fortaleza, temperança) e ‘anexas’ (pobreza, obediência, castidade, humildade)”.

A terceira via é menos conhecida e menos comum. Trata-se dos “casos excepcionais”, chamados assim pelo Código de Direito Canônico. “Seu reconhecimento leva à confirmação do culto antigo e também chamado de ‘beatificação equipolente’”.

O documento detalha a diferença entre a via do “martírio” das “virtudes heroicas” e desta nova via: a “oferta da vida”: “Embora tenha elementos que a assemelhem seja à via do martírio, seja à via das virtudes heroicas, esta nova via pretende valorizar um tipo de testemunho cristão heroico até agora sem um procedimento específico, justamente porque não se enquadra completamente nem na categoria do martírio nem na categoria das virtudes heroicas”.

Entretanto, em relação ao martírio “é diferente porque não há um perseguidor que iria impor a eleição contra Cristo”. Sobre a via das virtudes heroicas, a principal diferença é que “não é a expressão de um exercício prolongado das virtudes, e especialmente de uma caridade heroica”.

Portanto, para que esta nova causa seja válida, “é necessário um exercício ordinário da vida cristã, que torne possível e compreensível a decisão livre e voluntária de doar a própria vida em um supremo ato de amor cristão, que supere o instinto natural de sobrevivência, imitando Cristo, que se ofereceu ao Pai pelo mundo, na cruz”, diz o artigo.
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com