"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Medíocres e ferozes

por Mino Carta — publicado 24/07/2017 00h30, última modificação 21/07/2017 15h42
Em meio ao caos apocalíptico, o Brasil sujeita-se passivamente aos caprichos de Michel Temer e Sergio Moro

Evaristo Sa/AFP
Sérgio Moro e Michel Temer
A dupla acima é altamente representativa de uma larga porção da sociedade nativa, desde os donos da casa-grande até quem gostaria de morar no sótão


Leia também
Em guerra para se salvar, Temer recorre a "misturador de voz", diz site
Governo contraria empresariado e eleva tributo sobre combustíveis
Ele voltou! Fiesp exibe pato amarelo após aumento de impostos
Pobre país, entregue aos caprichos de Michel Temer e de Sergio Moro, mas a mediocridade e a ferocidade destas personagens não são delas somente, e sim de uma larga fatia da sociedade nativa. Temer e Moro conseguem ser altamente representativos de milhões e milhões de péssimos intérpretes da cidadania, ignorantes e prepotentes, primários e primitivos, trogloditas intelectuais e morais. O Brasil é samba de uma nota só.

A situação em que precipitamos é a “consequência inevitável”, como diria a letra da canção de Jobim, de cinco séculos de história, o resultado da colonização predadora sem a mais pálida intenção de escapar à pauta da terra arrasada. Acrescente-se três séculos e meio de escravidão para manter de pé até hoje casa-grande e senzala.

Uma independência despercebida pela nação inexistente, toda uma tradição de golpes sem conflito, raros momentos de sensatez em busca de democracia, igualdade, justa distribuição de renda. Quantos, em determinadas passagens desta história, saíram da miséria original, transformaram-se em uma espécie de pequena burguesia, sequiosa de acesso à casa-grande, de sorte a assumir as benesses e os comportamentos dos donos da mansão senhorial, a começar pelo ódio de classe.

Se os governos de Dilma Rousseff foram em boa medida incompetentes, e se a presidenta reeleita cometeu estelionato eleitoral ao formar o novo gabinete, a crise econômica a enfraqueceu ainda mais. Pronta a pagar qualquer preço e a aceitar qualquer saída desde que a favorecesse, a casa-grande, titulares e aspirantes, autorizou e sustentou o golpe de 2016. Topou Temer na Presidência e Moro tornou-se seu herói. Inútil comentar o resultado, caos apocalíptico. Nítido o projeto dos golpistas: condenar Lula e devolver o País aos tempos da colônia.

Os Poderes da República estão envolvidos em uma guerra de máfias, vende-se o Brasil, a Globo governa. Nunca foi tão claro que o Brasil carece, em primeiro lugar, de uma Corte Suprema guiada pelo dever de garantir o respeito da lei. A única em vigor é a do mais forte. Insisto na ideia da “consequência inevitável”, a partir do momento em que a ditadura se vai de livre vontade pela porta dos fundos e a dita redemocratização de um país que nunca praticou a democracia cai nas mãos do oligarca maranhense, o mesmo que conseguira evitar as eleições Diretas Já em 1984.

O primeiro pleito direto elege Collor, que, pela mão de PC Farias, cobrava pedágios altos demais. Os achacados, que o tinham apoiado como caçador de marajás, acharam oportuno dar eco às denúncias da revista IstoÉ e se livrar do dono da Casa da Dinda. A cancela do poder escancarou-se para o tucanato, preparado, como se dizia de José Serra, a assumir o papel de bastião da pior reação.

A Globo, engrandecida durante a ditadura, continuou a mandar de forma cada vez mais ostensiva e foi decisiva na reeleição do príncipe dos sociólogos. O qual cuidou de quebrar o Brasil três vezes e comandar a bandalheira da privatização das comunicações. Só não conseguiu realizar o sonho de privatizar a Petrobras. Em compensação, deixou as burras do Estado vazias.

Os dois governos de Lula representam um parêntese feliz neste enredo lamentável. Encheu o cofre, pagou as dívidas, deu passos significativos no campo social, praticou uma exemplar política exterior independente, em proveito de um país que sempre preferira ser súdito, e volta agora a preferir. Infelizmente, a Globo ficou intocada na sua função determinante. No entrecho há uma lógica inexorável, a queda de Dilma precipita a retomada do caminho interrompido. Para pior, sempre para pior.

Ao cabo destes anos tormentosos, a solução inteligente estaria na convocação de eleições antecipadas, para entregar a última palavra ao próprio povo. Mas como apelar para a razão em meio a esse espetáculo de demência? As quadrilhas digladiam-se para impor a saída que mais lhes convém e desgovernar até 2018. Justifica- -se, porém, a dúvida: haverá eleições? Me vem à mente o verbo conscientizar.

Foi muito usado logo após a posse de João Goulart na acidentada substituição de Jânio Quadros, aquele que via na sua renúncia o estopim da revolta popular. Entendiam alguns autênticos esquerdistas que secundavam Jango a urgência de “conscientizar” o povo para tirá-lo do limbo da miséria e da ignorância. Passaram-se mais de 50 anos e a urgência foi esquecida. No entanto, só um forte abalo social muda os rumos. Mas isso hoje soa como quimera.
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com