"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

domingo, 14 de maio de 2017

Igreja/Abusos sexuais: Papa diz que nunca indultou um sacerdote condenado


Agência Ecclesia 13 de Maio de 2017, às 21:19        Foto: Lusa

Foto: Lusa
Francisco assume atrasos no julgamento de casos e admite criação de tribunais continentais

Octávio Carmo, enviado da Agência ECLESIA no voo papal

Roma, 13 mai 2017 (Ecclesia) – O Papa Francisco voltou hoje a mostrar a sua determinação de combater os casos de abusos sexuais da Igreja, afirmando que não perdoa estes crimes a nenhum sacerdote, após este ter esgotado os recursos do processo canónico.

“Nunca assinei um indulto”, disse aos jornalistas, no voo de regresso a Roma após uma visita de dois dias a Portugal.

A resposta surgiu após o Papa ter sido questionado sobre a demissão da irlandesa Marie Collins da Comissão Pontifícia para a Tutela de Menores (Santa Sé).

A leiga católica, que foi abusada na sua juventude, manifestou na carta de demissão, dirigida ao Papa Francisco, a sua “frustração pela falta de cooperação com a Comissão por parte de outros departamentos da Cúria Romana”.

O pontífice disse ter conversado com Collins, que lhe explicou “bem as coisas”.

“Falei como ela, é uma grande mulher, e vai continuar a trabalhar na formação dos sacerdotes, neste ponto”, adiantou.

Segundo o Papa, a leiga irlandesa “fez acusações e tem alguma razão, porque há muitos casos atrasados – porque se amontoavam ali”.

Francisco apontou para um total de 2 mil processos à espera de decisão.

“Neste período, foi preciso fazer a legislação, o que deviam fazer os bispos diocesanos, hoje em quase todas as dioceses há um protocolo para estes casos, é um grande avanço”, acrescentou.

O Papa lamentou que exista “pouca gente” capaz de julgar estas situações, além de haver problemas de “protocolo” com casos enviados por bispos para o Vaticano.

“Pensa-se numa ajuda continental, com pré-tribunais ou tribunais continentais”, adiantou.

Quando um sacerdote é demitido do estado clerical pode recorrer da decisão, mas agora o recurso é estudado por “outro tribunal”.

Em janeiro de 2015, Francisco nomeou o bispo maltês D. Charles J. Scicluna, antigo promotor de Justiça da Congregação para a Doutrina da Fé, para presidir à estrutura que examina recursos dos julgamentos de casos de abusos sexuais.

“Quem recorre, tem direito a ter um defensor. Se se aprovar a primeira sentença, acaba o caso”, referiu hoje o Papa.

Sem mais instâncias de recurso, ao condenado resta escrever uma carta de clemência ao Papa, algo a que o próprio nunca acedeu.

OC
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com