"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Meu mundo

domtotal.com
Para entender o mundo, há de se olhar para si. Para se conhecer intimamente, há de se lançar às imensidões cósmicas.
Mariza apresenta seu 'Mundo' em BH.
Mariza apresenta seu 'Mundo' em BH.
Por Gilmar Pereira*

Coisas semelhantes acontecem nos planos micro e macro. Lembro-me do encantamento que tive na infância ao me dar conta que os planetas orbitavam em torno do sol como os elétrons giravam à volta do núcleo atômico. Era o olhar fascinado de uma criança que lia enciclopédia e via muita TV educativa. Um olhar que perdura.

De fato, há muitas similaridades entre o grande e o pequeno e tais espelhamentos ajudam a contemplar e entender um dos pares que não se percebe bem. Nesse sentido, para entender o mundo, há de se olhar para si. Para se conhecer intimamente, há de se lançar às imensidões cósmicas. Por isso a lua, tão longe, encanta os enamorados com sua luz de prata. A lua fala de amor. Os desejos, imensos, são siderais. Os devaneios, um sair de órbita.

Da física aprende-se que o universo está em expansão. O reflexo no plano micro aponta para o igual alargamento do universo particular. Este começa na relação com a mãe e amplia-se no núcleo familiar, expande-se para o grupo parental maior e de amigos da família, vai até a formação dos próprios grupos de amizade, relacionamento íntimo e a nova constituição familiar. Mas não só isso, expandir o próprio universo implica na ampliação dos territórios íntimos e na própria evolução e transformação de quem se é. O menino não ama do mesmo modo que o homem que se tornou, embora no adulto ainda resista certo olhar infantil. “Há um menino, há um moleque, morando sempre no meu coração” – cantava o grupo mineiro.

Outra música, na voz de Marisa Monte, falava do “Infinito particular”, esse universo íntimo do que cada qual se compõe. Nele estão histórias, pessoas, lugares, culturas e tudo o mais com que nos relacionamos e que estão fora de nós, mas também fazem parte do que somos. Tudo isso misturado com nossas vivências pessoais e modos de percepção. Como diz o filósofo Ortega y Gasset, “Eu sou eu e a minha circunstância e se não a salvo, não salvo a mim mesmo”. Só sou porque mais são comigo.

Hoje, no meu sorriso, tenho o ritmo do gargalhar de minha irmã. Na coragem desenvolvida, o destemor de muitos amigos. Na fé que professo, a história das comunidades onde fui inserido. Nunca estou só. Cada qual que entra e sai deixa uma parte e leva outra. Há uma contaminação mútua em toda a relação. Os diversos mundos que somos se entrecruzam formando complexidades maiores que criam o “nós”. E em cada entrecruzar, há a esperança de que sejamos um.

A paz para o Mundo está intimamente relacionada com a paz dos mundos que são cada um. Conflitos externos perturbam a harmonia interna como desequilíbrios pessoais interferem no bem estar do todo. Ainda que distintos, não se separa o todo de cada parte. Com o mundo que muda, muda o mundo-eu.


Mundo, Mariza

Nas voltas da vida e após 5 anos do lançamento do álbum Fado Tradicional, a cantora portuguesa Mariza lança Mundo. O trabalho trás ao público um pouco do universo da cantora. Filha de um português com uma moçambicana e neta de um espanhol que viveu 38 anos na Venezuela, Mariza canta, desta vez, não só fado, mas outros gêneros musicais com os quais flerta. Mundo está mais para a Word Music que para o fado. Tanto que, dos encontros de sua vida, o que se faz mais presente é o de sua amizade musical com o espanhol Javier Limón, que produziu Terra, de 2008, e volta a assinar a produção. Esse mosaico de influências pode desagradar aos admiradores mais puristas do gênero musical lisboeta. Dotada de grande voz, imagem, reportório e músicos, a artista se preocupa mais em partilhar a vida com a música do que se encaixar num só estilo. Surgido depois de um tempo atribulado para a cantora, que envolveu complicações em sua gravidez e as acusações de crime que seu marido sofreu, Mundo é um disco de quem luta para que as intempéries não apequenem o próprio mundo.

Belo Horizonte terá a oportunidade de conhecer o Mundo de Mariza em show de apresentação única na cidade:

Show MARIZA MUNDO - 21 de maio, domingo, às 19h00, no Palacio das Artes (Av Afonso Pena, 1537 – Centro, Belo Horizonte-Minas Gerais). Informações no Ingresso.com.

*Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, graduado em Filosofia pelo CES-JF, graduando em Teologia pela FAJE. Apaixonado por arte, cultura, filosofia, religião, psicologia, comunicação, ciências sociais... enfim, um "cara de humanas". Escreve às sextas-feiras.
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com