"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

quarta-feira, 29 de março de 2017

Saída do Acordo de Paris 'mancharia imagem' dos EUA

domtotal.com
Saída seria vista de forma extremamente negativa em todo o mundo e teria efeitos colaterais além do clima.
Quando se raciocina a partir dos fatos em um mundo de fatos, sabe-se que a mudança climática é real.
Quando se raciocina a partir dos fatos em um mundo de fatos, sabe-se 
que a mudança climática é real. (AFP)

O presidente Donald Trump deixou claro nessa terça-feira que o combate à mudança climática não é uma de suas prioridades, mas não se manifestou sobre o Acordo de Paris sobre o clima, firmado em 2015 por 190 países, incluindo os Estados Unidos.

Todd Stern, emissário americano para o clima entre 2009 e 2016 e que esteve na primeira linha das negociações internacionais, considera que uma saída deste emblemático acordo teria um impacto profundamente negativo na imagem dos Estados Unidos.

Pergunta - Qual seria o impacto de uma saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris?

Resposta - Acredito que, claramente, mancharia a imagem dos Estados Unidos, seria visto de forma extremamente negativa em todo o mundo e teria efeitos colaterais além do clima.

Podemos ver o exemplo de 2001, quando o presidente George W. Bush se retirou do acordo de Kyoto. O fato de logo após chegar ao poder anunciar que os Estados Unidos não participariam prejudicou muito o país na área diplomática.

Apesar de a administração Trump querer fazer da mudança climática uma questão menos importante, as pessoas em todo o mundo pensam que é importante.

Pergunta - Tendo em conta o discurso da administração Trump, não seria lógico, em certo sentido, a saída dos Estados Unidos do acordo?

Resposta - Há um debate no governo entre os que dizem 'vamos manter o que Trump disse durante a campanha e abandonar o acordo' e os que, como (o secretário de Estado) Rex Tillerson defendem guardar um lugar na mesa de negociações.

Mas além da postura puramente ideológica, não há qualquer razão - do ponto de vista lógico - para sair, não há um verdadeiro interesse em fazê-lo.

Espero que falem com os dirigentes das empresas. Se o fizerem, serão aconselhados a manter o acordo. A maioria sabe que é preciso ficar, porque quando se raciocina a partir dos fatos em um mundo de fatos, sabe-se que a mudança climática é real.

Pergunta - Se os Estados Unidos se distanciarem de seus objetivos em matéria de emissões de gases do efeito estufa seria coerente permanecer no acordo?

Resposta - Me oponho totalmente ao decreto firmado (nesta terça-feira) por esta administração, mas não estou de acordo com a ideia de que faríamos melhor abandonando o Acordo de Paris. Segue sendo importante que os Estados Unidos façam parte dele.

O que vai mudar (na luta contra a mudança climática) são os estímulos do governo federal - que são verdadeiramente importantes - mas nada vai parar de um dia para o outro.

Muitos estados têm determinação no que fazem, do mesmo modo que muitas cidades, e ocorrem muitas coisas na economia real que favorecem o desenvolvimento e a difusão de energias limpas a um ritmo que ninguém imaginou.


AFP
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com