"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

quinta-feira, 30 de março de 2017

Pais rechaçam aborto de “menina de cristal” e dão uma lição ao mundo


WASHINGTON DC, 29 Mar. 17 / 07:00 pm (ACI).- Quando ainda estava no útero, a pequena Zoe foi diagnosticada com fratura de muitos ossos e que viria ao mundo com “algo ruim”, deste modo os médicos propuseram aos pais o aborto, algo que rechaçaram categoricamente.

Depois do parto, a menina foi diagnosticada com osteogênese imperfeita (OI) do tipo III, um tipo de nanismo que faz com que os ossos sejam extremamente frágeis e que tenha uma expectativa de vida um pouco mais curta do que o comum. Isto a obriga a ter que usar uma cadeira de rodas para se locomover.

O site pró-vida Live Action News relata que os médicos asseguraram aos pais da menina, Chelsea e Curtis Lush, que ela não sobreviveria, por isso, sugeriram praticar o aborto e doar o corpo da menina para pesquisas científicas.

“O especialista recomendou ou sugeriu que poderíamos acabar com a gravidez, mas era mais do que isso para nós. Era o nosso primeiro filho juntos”, disse a mãe, Chelsea, à BBC.

Por sua parte, Curtis, o pai, disse que “realmente pensaram no aborto”, porque o médico lhes disse que era a decisão “mais humana” que podiam tomar.

“Estávamos em um estado de pânico”, reconheceu.

Através de uma ultrassonografia, um médico especializado revelou que o fêmur do bebê estava separado em duas partes e tinha fraturas em várias costelas.

 Zoe nasceu três meses depois deste diagnóstico. A menina tinha altos índices de APGAR – método para resumir rapidamente a saúde dos recém-nascidos – e respirava de forma independente.

Entretanto, no principio foi difícil e fraturou a clavícula durante o parto. Em seu primeiro mês, quebrou ambos os braços, uma perna e depois o outro braço quebrou novamente.

Zoe teve tantas fraturas em um período curto de tempo que sua mãe aprendeu a fazer talas para a pequena, pois os médicos frequentemente a atendiam como se fosse qualquer outra criança, causando-lhe danos.

Um dos desafios mais difíceis é algo que os pais fazem várias vezes ao dia: trocar fraldas. Precisam de três pessoas para fazê-lo sem machucá-la.

“Uma pessoa para levantar a sua pélvis, uma pessoa para deslizar a sua fralda e tirá-la e depois outra para segurar os braços porque os bebês têm um reflexo de sobressalto”, explicou o pai.


Apesar de ter quebrado os seus ossos mais de 100 vezes e ter passado por várias cirurgias, os médicos acreditam que, com um bom cuidado, Zoe terá uma vida normal como a de qualquer pessoa.

“Agora que tem seis anos, está ficando um pouco mais fácil”, indicou a sua mãe.

Zoe usa uma cadeira de rodas, brinca em um parque que é acessível e fica em pé sozinha a fim de garantir que outras crianças não a machuquem acidentalmente.

Além disso, seus pais contam que ela sempre sorri, inclusive quando está na fisioterapia ou na terapia para desenvolver a fala.

“Não mudaria nada na Zoe (...). No futuro, espero que ela possa ter uma oportunidade igual aos outros”, expressou a sua mãe.
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com