"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

segunda-feira, 27 de março de 2017

A missa terminou. Então, depois de cinco séculos declina a figura do padre

domtotal.com
A igreja que se encastela na defesa do seu próprio espaço cria um funcionário cujo perfil interior desgasta-se pelo controle social.
Declínio quantitativo das ordenações já tem dois séculos.
Declínio quantitativo das ordenações já tem dois séculos. (Divulgação)
Alberto Melloni*

Alguns grandes ciclos históricos terminaram com eventos estrondosos. Outros, ao contrário, encerraram-se quase despercebidamente, embora não menos importantes do que aqueles aos quais a ereção de um monumento ou uma linha de texto num manual escolar concedem eterna glória. No silêncio exauriu-se um grande ciclo: a do padre. Esta formidável invenção do século XVI, que moldou a cultura e a política, a psicologia e a vida interior, a arte e a teologia do Ocidente e das suas antigas colônias não desapareceu (são cerca de 420 mil padres no mundo), mas, há mais de três séculos, está em crise: na Itália, em noventa anos passamos de 15 mil para cerca de 2.700 seminaristas.

Claro que fatores extrínsecos têm algum peso: amanhã a desgraça da pedofilia que a lente da mídia faz parecer um crime específico dos padres; ontem, a preguiça das autoridades em discutir o celibato eclesiástico; hoje, a simonia soft que remunera presenteando dioceses - prêmios dados para quem "fabrica" padres numerosos ou vistosos. Conta ainda nesta fase histórica a reverberação sobre o clero da queda das qualidades intelectuais das classes dirigentes às quais pertencem tanto aqueles que escolhem o sacerdócio como aqueles que o conferem. A questão se encrava ainda mais profundamente na história.

O padre que conhecemos tem data precisa de nascimento: o Concílio de Trento, concluído em 1563. E o enorme esforço com o qual tentou marcar uma cesura (contestada pelos protestantes que, em vez, acusavam a Igreja Católica de continuidade com o abuso) da reforma de Lutero. Tarde, mas com coragem, o Concílio tentou inventar remédios desconhecidos: impôs, por exemplo, aos bispos a residência na diocese, impedindo-os de assídua frequência à corte papal. E inventou o padre: este, caçoado pela literatura e pelo cinema, o homem feito sábio somente pelos insucessos, santificado pelo peso institucional daquilo ao qual se doa.

O padre que não tem filhos para criar, o padre formado com curso padrão, e muito longo, o padre líder que leva os proletários a tornarem-se classe dirigente, o padre que interpreta o "suprema lex salus animarum", que é a misericórdia. Este "padre tridentino" parece atravessar o ponto de viragem da modernidade sem danos: ao contrário, o nascimento das novas ordens e das sociedades do clero do século XIX, o zelo em construir seminários grandes como fábricas, parecem garantir que sua função permaneça intacta dentro da mesma couraça institucional e teológica.

Mas, isso não é verdade: a igreja que se encastela na defesa do seu próprio espaço cria um funcionário cujo perfil interior desgasta-se pelo controle social. O escrutínio da consciência de uma humanidade da qual não tem nenhuma experiência enfraquece sua compaixão. Sua antiga ciência, em comparação à transmissão de conhecimentos cada vez mais sofisticados, o faz um sub-educado. O zelo eclesiástico em condenar tudo a que se pode colar o sufixo "ismo", empobrece suas leituras e torna-o estranho aos “seus”, que se tornam, de repente, "distantes". A perda do papel e a negligência afetiva o expõe ao pior: da insípida exaltação do celibato que aprisiona a sexualidade em busca de sublimação até atrair ao presbiterato pessoas não resolvidas, ou mesmo doentes. Sua qualificação torna-se o nome de um vício nunca combatido suficientemente: o clericalismo.

E na recente história da Europa a profissão de padre é contratada, tais como tarefas marginais, aos clérigos de importação, eleitos cuidadores de comunidades abandonadas. Mesmo a discussão sobre as mulheres-padre (esquecendo-se que o "sacerdócio" recebido no batismo as mulheres já o têm, o que não é pouca coisa) mistura-se perigosamente a lógica toda machista que concede ao outro gênero as tarefas tornadas obsoletas. O declínio quantitativo das ordenações desenha, há dois séculos, uma curva descendente diante da qual se fecham os olhos, especialmente aqueles que estão sob uma mitra episcopal. Não seria, de fato, preciso e até mesmo urgente repensar o padre partindo exatamente da eucaristia e da comunidade, e não de detalhes de vida ou de gênero. Mas disso, no entanto, parece impossível falar, mesmo no último meio século.

Não falou o Vaticano II que se limitou em tentar remover do padre aquele tom semimonástico que tinha. Não o papado, que simplesmente confecciona uma poética do padre. Não falam os bispos que empacotam as comunidades naquilo que na Itália se chamam de "unidades pastorais", e condenam os padres a tornarem-se funcionários esbaforidos, esmagados por uma poligamia comunitária onde ninguém os ama, e eles são incapazes de amar, com risco de tornarem-se santos ou náufragos nas rochas eróticas nem sempre cândidas.

Isso é tão grave que nem mesmo o Papa Francisco fala. O próximo Sínodo, na verdade, tem um tema genérico-geral como o do "jovem": como se até mesmo o infatigável Papa reformador quisesse uma pausa às polêmicas. E se a "próxima encíclica, como se diz, será sobre a religiosidade "popular", terá também esta o mesmo limite.

Por outro lado, a decisão mais importante do pontificado, contida na Evangelii Gaudium, ainda não foi recebida pelos bispos: que as conferências episcopais têm "autêntica autoridade doutrinal". Então, tocaria aos bispos, nas Conferências Episcopais, levantar o tema sobre o qual se joga a vida de suas igrejas: mas a "indolência prevalece, encorajada pela esperança de que amanhã a reforma terá a mesma coragem daquela que "inventou o padre". Figura que, enquanto evapora, acende as memórias e as lamentações de crentes, ex-crentes e não-crentes.

La Repubblica/ IHU - Tradução: Ramiro Mincato
*Alberto Melloni é professor da Universidade de Modena-Reggio Emilia e diretor da Fundação de Ciências Religiosas João XXIII, em Bolonha.
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com