quarta-feira, 30 de abril de 2014

Uma rajada de vento sopra o solidéu do Papa Francisco durante audiência geral na Praça de São Pedro, no Vaticano

Imagens do dia - 30 de abril de 2014


Los Angeles Clippers vence após caso de racismo

Lebron James Miami x Charlotte Bobcats NBA (Foto: AFP)
Estados Unidos, Los Angeles : O Los Angeles Clippers venceu na noite de terça-feira o Golden State Warriors na primeira fase dos playoffs da Conferência Oeste da NBA. O time está no centro de uma crise provocada por comentários racistas do dono da equipe.


Outros vídeos

Suprema Corte restabelece limite de poluição

Uma maioria de juízes conseguiu por seis votos a dois reverter a sentença de um tribunal.

Washington (AFP) - O presidente americano, Barack Obama, obteve uma importante vitória nesta terça-feira com a decisão da Suprema Corte de Justiça restabelecendo uma regulamentação limitadora das emissões poluentes que cruzam as fronteiras estaduais nos Estados Unidos.
Uma maioria de juízes progressistas e conservadores conseguiu por seis votos a dois reverter a sentença de um tribunal de instância inferior, segundo a qual uma decisão da Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) de 2011 excedia a autoridade desse órgão federal.
As opiniões diferem em relação às medidas de controle de emissões de gases causadores do efeito estufa transportados pelos ventos e que prejudicam estados que não os produzem. Isso violaria a regulamentação sobre ar limpo.
A regulamentação (Cross-State Air Pollution Rule) conta com a oposição de grupos industriais e de estados industrializados, como Michigan, Ohio e Texas. O texto exige de 28 estados que reduzam as emissões de suas fábricas, que afetam a qualidade do ar nos vizinhos.
A Lei do Ar Limpo, da qual a regulamentação deriva, é a base da agenda da administração Obama para a questão ambiental.
Apoiado por nove estados e seis cidades, o governo Obama argumenta que essas emissões são a origem de uma em cada 20 mortes registradas no país e por milhares de casos de asma.
AFP

Tornados e tempestades deixam pelo menos 35 mortos nos Estados Unidos

Imagem de satétite mostra a formação do tornado (Foto: NASA/NOAA GOES Project)

Quase 75 milhões de pessoas podem ser afetadas por tempestades.
Área de risco envolve seis estados; situação pode se agravar.

Da France Presse

tópicos:
Restos de um caminhão destruído por um tornado na noite de domingo (25) continua em meio aescombros em Vilonia, Arkansas, nos EUA (Foto:  Mark Wilson/Getty Images/AFP)Restos de um caminhão destruído por um tornado na noite de domingo (25) continua em meio aescombros em Vilonia, Arkansas, nos EUA (Foto: Mark Wilson/Getty Images/AFP)
Ao menos 35 pessoas morreram devido aos tornados e às tempestades que atingiram seis estados americanos nos últimos dias, informaram as autoridades na noite desta terça-feira (29), no momento em que milhões de residentes do sul e do leste do país temem o agravamento das condições climáticas.
Quase 75 milhões de pessoas habitam as áreas que podem ser afetadas por tempestades intensas e tornados nas próximas horas, segundo o Serviço Nacional de Meteorologia.
A área de risco envolve Mississippi, Alabama e Tennessee, onde já morreram 17 pessoas, e os estados de Arkansas, Iowa e Oklahoma, com o total de 18 óbitos provocados pelos tornados.
Os serviços meteorológicos preveem 'tormentas elétricas severas no sul do Mississippi, no oeste do Alabama e no leste da Louisiana.
Os governadores de Alabama e Geórgia decretaram estado de emergência em suas jurisdições.
O senador por Mississippi Giles Ward teve que se refugiar com a família no banheiro de casa quando um tornado destruiu sua residência de dois andares.
Entre os mortos está um estudante da Universidade do Alabama, John Servati, que foi atingido por um muro mas conseguiu salvar sua namorada, segundo o jornal The Clarion-Ledger.
Casa destruída por um tornado em Vilonia, no Arkansas. (Foto: Wesley Hitt / Getty Images / AFP Photo)Casa destruída por um tornado em Vilonia, no Arkansas. (Foto: Wesley Hitt / Getty Images / AFP Photo)
O tornado que devastou Louisville, no Mississippi, atingiu a categoria EF4, com ventos de entre 265 e 320 km/h, o que o torna um dos mais intensos a atingir os Estados Unidos este ano.
Nas áreas do Arkansas mais afetadas pelos tornados de domingo, equipes de emergência intensificaram as buscas de sobreviventes.
Na cidade de Vilonia, o chefe de polícia Brad McNew afirmou que a localidade de 4.000 habitantes ficou irreconhecível.
Os tornados também devastaram grandes áreas de Mayflower, de 2.300 habitantes e que fica perto da capital do estado do Arkansas, Little Rock.
Dezenas de residências também foram destruídas no estado do Kansas, mas as autoridades não informaram sobre vítimas fatais.
O presidente Barack Obama ofereceu condolências e prometeu ajuda do governo federal para as regiões afetadas.
  •  
Imagem de satétite mostra a formação do tornado (Foto: NASA/NOAA GOES Project)Imagem de satétite mostra a formação do tornado (Foto: NASA/NOAA GOES Project)
veja também

Dorival Caymmi faria 100 anos hoje

Atriz que foi casada com Vinícius de Moraes falou sobre a amizade deles.
Cantor baiano Dorival Caymmi completaria 100 anos nesta quarta-feira (30).

Do G1 BA, com informações da TV Bahia

Vinícius de Moraes, Gessy Gesse, Doriva Caymmi, Stella Maris (Foto: Acervo Pessoal)Vinícius de Moraes, Gessy Gesse, Doriva Caymmi, Stella Maris (Foto: Acervo Pessoal)
"Se espremesse Caymmi saía dendê, pimenta, coentro. Eu achava que era baiana, mas ser mais baiano que Caymmi é impossível".
Assim, a atriz Gessy Gesse, 75 anos, amiga do músico baiano e que foi casada com o poeta Vinícius de Moraes, descreveu brevemente o artista que completaria 100 nesta quarta-feira (30).
(Assista no vídeo ao lado parte da vida e da obra de Dorival Caymmi)
Nascido no bairro da Mouraria, centro de Salvador, Dorival Caymmi levou a música daBahia para o país inteiro. Em agosto de 2008, aos 94 anos, ele morreu de falência dos múltiplos órgãos, no Rio de Janeiro.
A amiga Gessy contou ao G1 um pouco da intimidade e convivência de Caymmi com os amigos, como Vinicius de Moares e ela, por exemplo.
"Eu já conhecia Caymmi, mas sem intimidade. O casamento com Vinícius que trouxe isso. Me lembro de alguns casos. Aqui na Casa do Rio Vermelho vinham intelectuais como Rubem Braga, Sabino, intelectuais. Quando os intelectuais chegavam, Caymmi preferia me chamar para falar de Bahia. Porque ele não se interessava pelas conversas sobre intelectualidade, e eu acabava tomando a atenção dele (risos)", diz.
Segundo Gessy, o jeito de ser do músico chegava a ser "estranho, mas no bom sentido".
Caymmi (Foto: Foto: Divulgação / Prefeitura)Caymmi (Foto: Foto: Divulgação / Prefeitura)
"Ele não tinha pressa de falar, de dizer o que queria, tinha o tempo dele, mas era ao mesmo tempo uma pessoa tão engraçada, profunda. Tão honesta com ele mesmo. Caymmi nunca falou mal de ninguém", lembra.
O maneira de falar, devagar, e o jeito de ser são marcas registradas de Caymmi, e quem conviveu com ele também lembra. "Ele não falava muito quando tinha muita gente. Qualquer um que falasse palavras mais fortes, até contra a Bahia, ele não reagia, era incapaz. Uma pessoa fora do comum. Ele vivia na dele, no sonho dele. Caymmi era uma paz. Isso era uma coisa dele e não tem nada a ver com o estereótipo do baiano, ou ele ser preguiçoso. Caymmi era um bicho de pelúcia. Não era preguiça, do baiano ser preguiçoso, era o caráter, a índole dele era muito meiga, muito pura. Muito profunda. Eu tinha vontade de botar Caymmi no colo e ninar', relatou a amiga.
Das músicas do amigo, Gessy destaca algumas que gosta mais. "Essa música João Valentão eu me divirto, a Morena de Itapuã também. Será que Caymmi fez pra mim? (risos). Maracangalha, que ele nunca foi [ no local] e escreveu só por causa de Amália, que sabia que tava lá e sambava bem. Ele sabia dizer isso como ninguém", lembra.
De acordo com Gessy, Vinícius deixou um poema escrito no qual diz que queria ter a sabedoria de Caymmi. "Sei que os dois [Vinícius e Caymmi] estão lá em cima se divertindo. Tenho muito respeito e amor a essas duas figuras, sou privilegiada de estar viva contando a história deles", afirma.
Dorival Caymmi  (Foto: reprodução GloboNews)Dorival Caymmi morreu em agosto de 2008
(Foto: reprodução GloboNews)
História
Ele era filho de um funcionário público e músico amador, descendente de italianos. A mãe do artista, que era descendente de portugueses e africanos, gostava de cantar em casa.
"Eu fui procurando por curiosidade do que mamãe cantava e o que papai tocava", disse Caymmi em uma entrevista sobre sua vida.
Ainda criança, Caymmi cantava no coral da igreja. Aos 13 anos, ele interropeu os estudos e foi trabalhar como auxiliar de excritório. Depois foi caixeiro viajante. Foi nesse período que o baiano aprendeu, sozinho, a tocar violão ao seu próprio estilo.
Na década de 30, começou a cantar as canções "praieiras" na rádio clube da Bahia. Em 1938, foi para o Rio de Janeiro, onde mostrou canções como "O que que a baiana tem". A canção alcançou sucesso nacional por fazer parte da trilha sonora do filme "Banana na Terra" (Wallace Downey), com Carmem Miranda.
Em 1939, o músico baiano começou a atuar na rádio Nacional, também na capital carioca. Foi lá que ele conheceu a mulher, Stella Maris, que era caloura da rádio. Eles se casaram e tiveram três filhos (Dori, Nana e Danilo). Todos seguiram a carreira do pai.
Entre as décadas de 40 e 50, Caymmi compôs sucessos que se eternizaram na Música Popular Brasileira, como "Samba da minha terra",  "Saudade de Itapuã", "João Valentão", "Dora", "São Salvador", "Maracangalha" e "Marina".
Nos anos 70, Caymmi foi condecorado pelo governo baiano, época em que escreveu "Modinha para Gabriela" e "Oração a mãe Menininha". Em 60 anos de carreira, o músico criou um estilo próprio. Caymmi criou cerca de 120 canções e gravou 20 discos. Ele era carinhosamente chamado de preguiço, por demorar em concluir a composição de algumas canções.

52ª Assembleia da CNBB: Celebração da Santa Missa de abertura - Santuário Nacional de Aparecida (SP).

Missa marca abertura da 52ª Assembleia Geral
A partir desta quarta-feira, 30, a programação da TV Canção Nova passará por algumas alterações em virtude da cobertura da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).  http://goo.gl/W7DdbS.


Feira do Livro homenageia Vargas Llosa e Gabo

A 27ª edição do evento em Bogotá reunirá mais de 200 escritores e tem como país convidado o Peru.


Foi inaugurada nesta terça-feira (29) a 27ª Feira do Livro de Bogotá, que reunirá mais de 200 escritores e tem como país convidado o Peru. Na feira, considerada a terceira maior da América Latina, serão homenageados os escritores Mario Vargas Llosa, peruano, Prêmio Nobel de Literatura em 2010; e, de maneira póstuma, o também vencedor do Nobel, o colombiano Gabriel García Márquez, falecido em 17 de abril último.

Os dois escritores – entre os maiores representantes da literatura latino-americana - nutriam uma comentada e reconhecida "inimizade". Depois de terem sido amigos na juventude, afastaram-se por motivos pessoais e políticos. Márquez era reconhecidamente de esquerda e Llosa passou a adotar uma postura de direita com o passar dos anos.

Durante a Feira, Vargas Llosa encabeça uma delegação de 60 escritores, poetas, dramaturgos e jornalistas peruanos. Hoje, ele participou da inauguração do evento ao lado dos presidentes da Colômbia, Juan Manuel Santos, e do Peru, Ollanta Humala.

Na cerimônia de abertura, o presidente colombiano procurou ressaltar as qualidades de Vargas Llosa e, postumamente, de García Márquez. Sobre o peruano, Santos disse ser um grande admirador de Llosa, e disse reconhecê-lo com um "importante defensor da liberdade".

"Hoje quero reconhecer publicamente minha admiração pela maior tarefa da vida de Llosa, que tem sido defender de todas as formas e em todos os lugares a liberdade", destacou.

Ao falar de García Márquez, o presidente colombiano recordou palavras do escritor em seu ensaio Manual para Ser Menino, no qual o escritor defende que o hábito deixa de ser tratado como obrigação.

"Por todo lado eu vejo profissionais escaldados por livros que foram obrigados a ler no colégio. Com este método de ensino, não só a televisão, como também os livros ruins, acabam com o hábito da leitura", disse Santos.

Hoje (30), o Nobel peruano participaeá de um colóquio com o escritor colombiano Juan Gabriel Vásquez. A Feira do Livro terá eventos simultâneos de teatro, música e atividades gastronômicas. No ano passado o país convidado foi Portugal, e o Brasil foi o convidado de honra na 25ª edição da Feira, em 2012.

Para a edição atual, os organizadores da feira esperam receber, até o dia 12 de maio, cerca de 500 mil visitantes. O país convidado terá um pavilhão com mais de 15 mil livros, de 60 editoras.

Com a morte recente de García Márquez, o Ministério da Cultura da Colômbia dedicou um estande exclusivo ao vencedor do Nobel de 1982, e também haverá leituras e conservatórios sobre sua obra, considerada a mais importante do chamado Realismo Fantástico e da realidade latino-americana.

A feira também terá um encontro Internacional de jornalismo, com o tema Jornalismo, Conflito e Memória, entre os dias 8 e 10 de maio.
Agência Brasil

Rio: Santuário da Penha realiza Mês de Maria

Mais de 40 mil pessoas são esperadas para a programação dedicada à Nossa Senhora.

Rio de Janeiro - Há cerca de 30 anos, maio é todo dedicado a devoção a Nossa Senhora no Santuário da Penha. Mais de 40 mil pessoas são esperadas para a programação do Mês de Maria. Segundo o reitor do Santuário, padre Serafim Fernandes, o tema missionário estará presente na programação. “Atendendo aos constantes apelos do Santo Padre para que a Igreja ‘saia da sacristia’, queremos exortar a todos para que, a exemplo de Maria, tenhamos um espírito missionário. Por isso, o tema mariano deste ano é Maria, Estrela da Evangelização", explicou o reitor.

O tema da Campanha da Fraternidade deste ano, “Fraternidade e tráfico humano”, e o Ano da Caridade da Arquidiocese do Rio também estão entre as motivações. A abertura do Mês de Maria será no 6º Terço dos Homens, no dia 1º, às 15h. Ao longo do mês, várias paróquias e dioceses agendaram peregrinações ao local. O encerramento será no último domingo do mês, dia 25, com procissão saindo da Igreja do Bom Jesus da Penha, às 15h, em direção ao Pátio do Santuário para a Santa Missa Campal, presidida pelo arcebispo do Rio, cardeal Orani João Tempesta.

No final da celebração eucarística, haverá a tradicional coroação da imagem de Nossa Senhora da Penha, com a participação da banda dos fuzileiros navais. “Os santuários têm uma vocação muito específica: proporcionar aos visitantes uma experiência da bondade e misericórdia de Deus. O Santuário de Nossa Senhora da Penha, devido as suas características físicas e geográficas, de modo muito particular, oferece um clima para essa experiência, pois, na medida em que os peregrinos vão subindo a escadaria, eles têm a sensação de que estão mais perto de Deus”, destaca padre Serafim.
SIR/Arquidiocese do Rio

Fundação jesuíta lança exposição sobre educação

Mostra "Educar é dar oportunidades" aborda trabalho realizado pela Fundação Fé e Alegria.

São Paulo - A Fundação Fé e Alegria, obra social da Companhia de Jesus, em São Paulo, lança nesta terça-feira (29), a exposição "Educar é dar Oportunidades". A exposição, que poderá ser visitada até 15 de maio, mostra um pouco da vida das crianças e jovens atendidos em São Paulo e do trabalho realizado pela Fundação Fé e Alegria no Brasil e no mundo.

No corredor do Conjunto Nacional, ficarão oito totens que apresentam por meio de vídeos depoimentos de oito crianças, entre 6 a 9 anos. As crianças relatam em vídeo suas histórias e o que sonham em ser quando adultas. A exposição conta ainda com um painel com informações sobre Fé e Alegria e vídeos em um espaço de acessibilidade para pessoas com dificuldades motoras, auditivas e de visão. 

A obra social dos Jesuítas atua nas regiões de Grajaú e Taipa, na Capital Paulista, onde segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), possuem as piores condições de vida para a juventude. Essa é a primeira vez que a Fundação Fé e Alegria promove uma ação junto ao grande público, após 33 anos de atuação no País. 

A Fundação Fé e Alegria faz parte do Movimento Internacional de Educação Popular Integral e Promoção Social, presente em 20 países, com 1,5 milhão de pessoas beneficiadas. No Brasil, está presente em 15 estados, atendendo cerca de 20 mil crianças, adolescentes e adultos. Na capital de São Paulo, Fé e Alegria atua em duas regiões críticas, com alto grau de exclusão social: o distrito de Grajaú, e Taipas, no distrito de Jaraguá. Oferece uma série de atividades educativas, artísticas, culturais e esportivas para 358 crianças e adolescentes, de 0 a 17 anos, e mais de 1.000 familiares. Sua missão é fortalecer a ação protagonista desse público para a contribuição do desenvolvimento local, promovendo o acesso à informação, à cultura e à produção de conhecimento em sua comunidade.

'Desigualdade é a raiz dos males', diz papa

Por Alexander C. Kaufman

O papa Francisco posicionou-se de forma crítica contra a desigualdade nesta segunda-feira em um tuíte publicado em sua página oficial no Twitter: "A iniquidade é a raiz dos males sociais". Será que o papa estaria ponderando a partir do alvoroço suscitado pelo best-seller do economista francês Thomas Piketty intitulado “Capital in the Twenty-First Century”?
A resposta não é óbvia. Mas o sincronismo do tuíte – dias depois que o livro se esgotou no site Amazon, onde é atualmente o livro mais vendido nos EUA – sugere um apoio do pontífice ao pesquisador francês, o qual postula que um livre mercado não regulado cria uma lacuna entre ricos e pobres cada vez maior. O tuíte estava com quase 10 mil compartilhamentos na segunda-feira à tarde.
O alerta de Francisco vem meses depois que ele chamou o capitalismo desenfreado de uma “nova tirania”, tendo pedido ao líderes globais, em sua primeira grande obra escrita como papa, para combaterem a crescente desigualdade de renda.
Ele expôs a plataforma de seu papado num documento de 84 páginas publicado no último mês de novembro, em que ataca a “idolatria do dinheiro” e conclama aos políticos para garantir a todos os cidadãos “trabalho, educação e saúde dignos”.
The Huffington Post, 28-04-2014.

Pêndulo do Vaticano vai do teatro ao conteúdo

Após canonizações, papa se volta para a reforma vaticana e os escândalos de abuso sexual.
Por John L. Allen Jr.
Em Roma o pêndulo está fazendo o seu movimento do teatro público para o conteúdo dos bastidores durante esta semana, quando duas reuniões a portas fechadas terão pela frente dois dos desafios mais sérios que o Papa Francisco enfrenta: a reforma vaticana e os escândalos de abuso sexual infantil.
Na sequência da grande cerimônia de canonização ocorrida no domingo dos papas João XXIII e João Paulo II, os assessores do atual pontífice que compõem o Conselho dos Cardeais (o seu G8) terão – entre os dias 28 e 30 de abril – uma reunião onde irão refletir sobre reorganização da Cúria Romana, a burocracia administrativa central do Vaticano.
Logo em seguida, a nova “Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores”, instituída por Francisco em dezembro para liderar os esforços relativos aos escândalos sexuais, irá ter a sua primeira reunião.
A sequência não é mera coincidência, visto que uma figura está presente nos dois organismos importantes: o cardeal Sean P. O’Malley, de Boston.
Na verdade, atualmente o conselho do G8 está mais para um “G9”, já que o secretário de Estado do Vaticano, o cardeal italiano Pietro Parolin, se junta às discussões. Pessoas ligadas internamente à estrutura da Igreja consideram isso um sinal de que Parolin, nomeado ao posto tradicionalmente visto como o de “primeiro-ministro” do Vaticano em outubro, ganhou a confiança do pontífice.
Como é de seu costume, Francisco se faz presente em momentos como estes, mas sem dizer muita coisa, preferindo escutar as discussões sem se intrometer.
Esta é a quarta reunião do conselho criado pelo papa logo após a sua eleição para melhor envolver os líderes das igrejas locais de todo o mundo nos processos de tomada de decisão em Roma. Desta vez eles estarão analisando propostas para uma “reorganização” dos diversos conselhos pontifícios, em geral entendido como sendo um eufemismo para um encolhimento, uma redução das estruturas.
Hoje o Vaticano tem doze conselhos pontifícios, todos virtualmente criados no Concílio Vaticano II (1962-1965). Alguns destes são o Pontifício Conselho “Justiça e Paz”, o Pontifício Conselho para a Família e o Pontifício Conselho para a Pastoral no Campo da Saúde. Estes órgãos são vistos como tendo influência política limitada, sendo mais parecidos com os “think tanks” [ou grupos de reflexão] do que com departamentos tomadores de decisão.
Muitos analistas ao longo dos anos reclamaram que há muita sobreposição e duplicação de esforços entre estes diversos conselhos, e várias propostas foram apresentadas aos cardeais incluindo a eliminação de algumas delas e a consolidação de outras.
Um tal pacote de reformas pode também incluir a ideia de um novo “superdicastério” (termo técnico usado pelo Vaticano para dizer departamento) dedicado aos leigos da Igreja. Hoje o Vaticano tem congregações para os bispos, o clero e ordens religiosas, mas não para os membros leigos que constituem a grande maioria da população católica.
Na terça-feira o conselho também assistiu a uma apresentação feita por Joseph F.X. Zahra, economista maltês que preside um organismo criado pelo papa para analisar as estruturas econômicas do Vaticano e que também é o membro leigo de um novo conselho que irá supervisionar as finanças vaticanas.
Em entrevista concedida ao jornal The Boston Globe no início de março, Zahra disse que a nova estrutura vai evitar o tipo de escândalo financeiro que abala o Vaticano seguidamente, tal como o caso do ano passado que envolveu um contador do Vaticano supostamente enredado num complô para contrabandear milhões em dinheiro.
“Estamos reconstruindo um sistema de controle que irá assegurar que estes escândalos nunca venham a acontecer novamente”, disse Zahra.
Os membros do conselho podem igualmente considerar a ideia de uma nova posição chamada de “moderador da Cúria”, que coordenaria o trabalho dos variados departamentos vaticanos os quais, historicamente, nem sempre mantêm uma boa comunicação entre si.

O’Malley contou ao The Boston Globe que o momento para estas decisões serem tomadas pode também depender de se o Papa Francisco levantar outros tópicos que ele também quer ver os cardeais discutir.
“Isso quer dizer, qualquer coisa que o Santo Padre queira consultar de nós”, disse O’Malley, acrescentando que “ele [o papa] é cheio de surpresas”.

No fronte dos abusos sexuais, a nova comissão pontifícia irá se reunir de 1º a 3 de maio. No momento, compõe-se de oito membros nomeados diretamente por Francisco.
Além do cardeal O’Malley, os outros membros são:
– Marie Collins, vítima irlandesa de abusos por parte do clero e crítica ferrenha das falhas da Igreja sobre as respostas dadas aos escândalos.
– O jesuíta alemão Hans Zollner, vice-reitor acadêmico da Universidade Gregoriana de Roma e presidente do Instituto de Psicologia. Zollner coordenou uma importante conferência antiabuso em Roma no ano de 2012 chamada “Ruma à cura e renovação”.
– Hanna Suchocka, ex-primeira-ministra da Polônia e atual embaixadora no Vaticano.
– Claudio Papale, leigo italiano especialista em Direito Canônico e docente na Pontifícia Universidade Urbaniana de Roma.
– Catherine Bonnet, psicóloga francesa que tem extensa obra publicada sobre os efeitos dos abusos sexuais e exploração de crianças.
– Sheila Hollins, ex-presidente da Faculdade Real de Psiquiatria e atual presidente da Associação Médica Britânica, frequentemente consultada sobre assuntos relativos ao desenvolvimento infantil.
– O padre jesuíta argentino Humberto Miguel Yáñez, que foi recebido pelo futuro papa na Companhia de Jesus em 1975 e que estudou com ele num colégio argentino.
Embora o Vaticano não tenha divulgado uma agenda da reunião, fontes contaram ao The Boston Globe que, na ordem do dia, estará a finalização de um documento legal, chamado motu próprio, para a assinatura do papa que dará à comissão um estatuto formal no Vaticano.
Em termos gerais, espera-se que os membros discutam sobre outras pessoas que eles possam querer trazer para o grupo, com especial atenção na inclusão de regiões do mundo não atualmente representadas, como a África e a Ásia.
Numa entrevista recente ao The Boston Globe, Zollner disse que a comissão pretende adotar um “compromisso inabalável em pôr as vítimas em primeiro lugar”.
“A Igreja também tem que fazer tudo o que está a seu alcance para evitar futuros abusos”, declarou Zollner.
Outro assunto que provavelmente virá à tona esta semana é a apresentação iminente do Vaticano perante o Comitê das Nações Unidas Contra a Tortura, em Genebra, onde espera-se que, mais uma vez, o Vaticano seja criticado por seu histórico envolvendo abuso infantil.
No início do ano, o Comitê das Nações Unidas para os Direitos da Criança criticou o Vaticano por fomentar uma cultura de “impunidade” aos abusadores, e também abertamente criticou o ensino católico em questões envolvendo a moralidade sexual tais como o aborto, o uso de métodos contraceptivos e o casamento homoafetivo.
Os membros da comissão provavelmente irão refletir sobre a melhor forma de se responder a este tipo de crítica, de modo a não sair pela defensiva, mas ao mesmo tempo sublinhar o que consideram como reformas significativas adotadas nos últimos anos.
The Boston Globe. 29-04-2014.
Tradução de Isaque Gomes Correa.