Papa pede «coragem da verdade» contra «ataques» à vida humana e «males sociais»

Jun 30, 2018 - 13:10


Francisco recebeu Família do Preciosíssimo Sangue e incentivou também «atenção a todos», principalmente os «distantes»


Cidade do Vaticano, 30 jun 2018 (Ecclesia) – O Papa Francisco recebeu hoje em audiência a Família do Preciosíssimo Sangue e propôs “coragem da verdade, atenção a todos”, sobretudo os “distantes”, e “capacidade de fascinar e comunicar”, para ajudar nas atividades e testemunho cristão.

“É importante serem pessoas corajosas, edificar comunidades corajosas, que não têm medo de afirmar os valores do Evangelho e a verdade sobre o mundo e o homem”, disse sobre o primeiro ponto na Sala Paulo VI, no Vaticano.

Neste contexto, Francisco explicou que “coragem da verdade” é “falar claro” frente aos “ataques contra a vida humana, males sociais, a dignidade da pessoa humana e das várias formas de pobreza”.

Sobre a “atenção a todos”, o pontífice referiu à Família do Precisíssimo Sangue que na sua missão são chamados a aproximarem-se e serem entendidos por todos: “Ter uma linguagem com a qual todos possam compreender a mensagem evangélica.”

“Os destinatários do amor e da bondade de Jesus são todos aqueles que estão próximos, mas sobretudo os distantes”, acrescentou na audiência desta manhã.

Francisco realçou a necessidade de “descobrir as formas mais apropriadas para aproximar os irmãos”, como faziam os discípulos de Jesus.

Neste contexto, surge a terceira sugestão para as atividades e testemunho de vida dos membros da Família do Precisíssimo Sangue que é a capacidade de fascinar e comunicar, que se “refere à pregação, à catequese, ao aprofundamento da Palavra de Deus”.

“Trata-se de envolver as pessoas na fé cristã e em uma nova vida em Cristo. Assim fazia Jesus: Dialogava com o povo para revelar seu mistério. Por isso, é preciso imitar o etilo da pregação de Jesus”, explicou.

“Nunca devemos esquecer que a verdadeira força do testemunho cristão deriva do Evangelho de Jesus”, acrescentou o Papa Francisco.

O pontífice explicou que a meditação “do sacrifício de Cristo” leva as pessoas a realizarem obras de misericórdia, “dando a vida por Deus e pelos irmãos”.
“A meditação do mistério do Sangue de Cristo, derramado na cruz pela nossa salvação, conduz-nos aos sofredores, excluídos pela sociedade consumista e indiferente. Nesta perspetiva, reveste-se de importância o serviço que prestam à Igreja e à sociedade”, desenvolveu.

Na audiência, o Papa encontrou-se com cerca de 3 mil pessoas que participam num encontro da Família do Preciosíssimo Sangue, composta pelas Sociedades de Vida Apostólica, Institutos religiosos masculinos e femininos e Associações de Leigos.

“Desde os primórdios do Cristianismo, o mistério do amor do Sangue de Cristo fascinou muitas pessoas, inclusive seus santos Fundadores e Fundadoras. Eles cultivaram esta devoção colocando-a como base das suas Constituições, porque entenderam, com a luz da fé, que o Sangue do Redentor é fonte de salvação para o mundo”, disse Francisco.

O ‘Vatican News’ refere que o Papa recordou ainda alguns santos e padres da Igreja que deram um maior impulso à devoção do Preciosíssimo Sangue, como São Gaspar de Búfalo, o fundador da Congregação dos Missionários do Preciosíssimo Sangue.

Segundo o Anuário Católico, os Missionários do Preciosíssimo Sangue também estão presentes em Portugal, onde existem três comunidades – Vila Viçosa, Arquidiocese de Évora, Proença-a-Nova, na Diocese de Portalegre-Castelo Branco, e Verride na Diocese de Coimbra.

CB

Comentários