quinta-feira, 31 de maio de 2018

Paróquia de Medjugorje: Papa nomeia Visitador Apostólico


Medjugorje
A missão do Visitador Apostólico tem por finalidade assegurar um acompanhamento estável e contínuo da comunidade paroquial de Medjugorje e dos fiéis que para lá se dirigem em peregrinação e cujas necessidades requerem uma particular atenção.
Cidade do Vaticano

Nesta quinta-feira, 31 de maio, o Santo Padre nomeou a Dom Henryk Hoser S.A., arcebispo-bispo emérito de Varsóvia-Praga (Polônia), Visitador Apostólico de carácter especial para a paróquia de Medjugorje, por tempo indeterminado e ad nutum Sanctae Sedis.

Trata-se de um encargo exclusivamente pastoral, em continuidade com a missão de Enviado Especial da Santa Sé para a paróquia de Medjugorje, confiada a Dom Hoser em 11 de fevereiro de 2017 e por ele concluída nos últimos meses.

A missão do Visitador Apostólico tem por finalidade assegurar um acompanhamento estável e contínuo da comunidade paroquial de Medjugorje e dos fiéis que para lá se dirigem em peregrinação e cujas necessidades requerem uma particular atenção.
Site do Vaticano

Caminhoneiros preparam cerco a Brasília na próxima segunda

31 de Maio de 2018 por Redacao | 

Grupos de caminhoneiros concentrados no interior de São Paulo, Vale do Paraíba (SP e RJ), Triângulo Mineiro, Goias e na região do Araguaia (TO e PA) organizam colunas de veículos em direção à Brasília. A convocação para a capital federal visa pressionar o governo golpista de Temer para baixar o preço dos combustíveis, que continua aumentando. A manifestação será realizada na próxima segunda-feira (4), segundo as redes sociais usadas pelo movimento.

Nesta quinta (31), contingentes do Exército, da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e PMs operam ações repressivas em diversas regiões do país na tentativa de dispersar o movimento dos caminhoneiros. No entorno do Porto de Santos, caminhoneiros ainda resistem às tentativas de dispersão.

O perdão é o remédio que traz alívio para a alma

2 WOMAN HUGGINGAntonio Guillem | Shutterstock
O remédio pode até ser amargo, mas precisa ser usado sem moderação
O perdão é uma graça que Deus nos dá para prosseguirmos no caminho após um ferimento profundo. O perdão age como uma cauterização, curando de dentro para fora. Sim, a cicatriz permanece, pois as lembranças são a garantia de que temos uma história. E a palavra “cura” aplica-se perfeitamente neste caso, visto que, por algum motivo, houve uma ferida, e o perdão sobre essa ferida evita, metaforicamente, infecção e até necrose.

A falta de perdão pode virar uma doença real e levar à morte, não a física, à morte espiritual, psíquica e moral. A falta de perdão mata sonhos, projetos, perspectivas etc. Além disso, muitas são as doenças psicossomáticas causadas pela falta de perdão: depressão, ansiedade, pânico, câncer e doenças cardíacas, estão relacionados à falta de perdão (1). (2).

Jesus nos deixa um antídoto: “Não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento” (Ef 4,26). Aqui, aplica-se tanto no externo (perdão para com o outro) como internamente (perdão para consigo mesmo).

Às vezes, a falta de perdão é de nós para nós mesmos. Culpamo-nos por tantas coisas, guardamos mágoa, tristeza, ressentimento, revoltas, medos de nós mesmos, mas nos esquecemos de nos perdoar.

Fora isso, protelamos as conversas de reconciliação, os pedidos de perdão aos que amamos ou vivem mais próximos de nós. Esse protelar, essa demora, vai azedando as relações, abrindo espaço para a mente criar e projetar situações irreais. Por isso, ter pressa para reconciliar-se é importante. Claro que não se deve atropelar nada, é preciso dar tempo para si mesmo, entender os sentimentos e até as reações diante de uma situação que exija reconciliação. Contudo, não mais que tempo suficiente para rezar e buscar o momento da reconciliação, caso contrário, corremos o risco de desistir da reconciliação e optar por um “deixa pra lá”, e acabar por não resolver a situação.

O perdão é chave, remédio e dom
Pensando no perdão ainda, podemos dizer:

Perdão é chave que abre e fecha as portas das relações, dos sentimentos, a porta da confiança e da esperança.

Perdão é remédio. Na hora pode ser amargo, mas faz bem, alivia o mal-estar interior, traz alívio para alma.

Perdão é degrau que nos eleva, aproxima-nos do Cristo que tomou sobre si nossas culpas, mas também nos perdoou dos nossos pecados.

Perdão é dom, é presente que vem com recomendação: não reter. Jesus explica com clareza: “70 vezes 7” é o número das vezes que devemos perdoar a cada dia (cf. Mt 18,22). Eu bem creio que essa seja a média de vezes que Ele nos perdoa a cada dia, e por isso nos orienta.

Perdão é medida, revela o quão raso ou o quão profundo podemos ser, e aqui nos lembramos também do Evangelho de Mt 7,2b: “Com a mesma medida que medirdes vós sereis medidos.”

Aqui se vai a lista com que podemos comparar o perdão. Mas quero dar espaço para que, neste momento de oração, o Senhor mesmo vá trazendo ao seu coração as comparações que lhe sejam mais úteis.

Peçamos ao Senhor, que é rico em misericórdia e quis Ele primeiro nos dar o seu perdão, que nos ensine a perdoar, a sermos como Ele: “Lentos para a cólera e rápidos para a misericórdia” (Sl 103,8-9).

Oração
Senhor, nós Te pedimos que, à medida que formos percebendo em nós a necessidade de perdão, que se dilate também o desejo e a decisão de perdoar. Que, diante das situações mal resolvidas, a Tua luz tenha o poder de afugentar as trevas e nos conceder a força de buscar as resoluções necessárias: dar e receber perdão, rever a situação e rever-se diante dela, reconciliar, retomar, recomeçar. Senhor, que o “degrau” do perdão nos faça, de forma concreta, abraçar a Tua cruz.

Senhor, eu Te peço que, nesta oportunidade que agora se revela, eu possa fazer essa experiência profunda de perdoar a mim mesmo, de recordando-me dos que me causaram alguma dor, ofensa ou mal, e eu os possa perdoar e amar. Também Te peço, Senhor, perdoa-me! Dá-me a coragem de buscar e dar o perdão. Que eu não o retenha. Amém.

 Por Carla Picolotto, via Canção Nova

 Referências bibliográficas:
1-Arilson Barbosa Amaral: Bacharel em administração, professor, escritor, teólogo, terapeuta na prevenção do uso de drogas, pesquisador, psicanalista clínico, palestrante e conferencista.
https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/psicologia/doencas-psicossomaticas/19962
2-Sandra Assis Maia, teóloga, terapeuta familiar especializada em psicanálise, terapia ortomolecular e aconselhamento, tricologista
https://www.dm.com.br/opiniao/2015/07/as-consequencias-da-falta-de-perdao.html

Corpus Christi: comunhão com Cristo, comunhão com o universo

domtotal.com
Reflexão sobre a liturgia da festividade de Corpus Christi -
Não são necessários grandes templos e nem suntuosas procissões para celebrar a festo do Corpo de Deus; basta a vida que se faz doação e partilha, no amor, como Jesus fez.
Não são necessários grandes templos e nem suntuosas procissões para celebrar a festo do Corpo de Deus; basta a vida que se faz doação e partilha, no amor, como Jesus fez. (Reprodução/ Pixabay)
Por Adroaldo Palaoro*

“Jesus tomou o pão e, tendo pronunciado a benção, partiu-o e entregou-lhes, dizendo: ‘Tomai, isto é o meu corpo” (Mc 14,22) 

Na celebração da festa de Corpus Christi, corremos o risco de honrar o Corpo de Jesus, mas desprezar o corpo humano, “ a carne de Cristo”. Participamos, com muita fé, dedicação e respeito, das celebrações do “Corpo de Cristo”, mas pode ser que, às vezes, façamos uma profunda cisão ou ruptura entre o que celebramos e a realidade que nos cerca, ou seja, o encontro com os “corpos desfigurados”: explorados, manipulados, usados, escravizados, destruídos... Pode ser que tenhamos um profundo amor e respeito pelo “Corpo de Cristo vivo e presente na Eucaristia”, e não O vejamos nos “corpos” que estão aqui, ali, lá, por todos os lados. “Não nos devemos envergonhar, não devemos ter medo, não devemos sentir repugnância de tocar a carne de Cristo” (Papa Francisco)

É esse o sentido que a festa de “Corpus Christi” nos revela, ou seja, a festa do Corpo Histórico e Humano de Jesus, corpo prazeroso e sofredor, amado por muitos e muitas, rejeitado, crucificado, morto e ressuscitado. Esta é também a festa do grande Corpo de Cristo que é a Humanidade inteira. Corpo real de Cristo são especialmente todos os que sofrem com Ele no mundo, os enfermos e famintos, os rejeitados e encarcerados, os pobres e excluídos... Eles são a humanidade ferida no Corpo do Filho de Deus.

Corpo de Cristo é também o universo inteiro, criado por Deus para que nele se encarnasse e habitasse seu Filho. Assim Jesus, na Ceia, ao tomar o pão e o vinho em suas mãos, abraça os bilhões de anos de evolução e chama-os de seu Corpo e de seu Sangue. Cada cristão, ao fazer “memória” do Corpo de Jesus, entra em comunhão com todas as energias da Criação.

Corpo de Cristo que continua sendo o Pão, fruto da terra e do trabalho dos homens e mulheres, todo pão que alimenta e é compartilhado, em fraternidade, a serviço dos que tem fome.

“Corpus Christi” também nos motiva a perguntar: Como viveu Jesus, em sua corporalidade, a relação com o Pai, com os outros e com a natureza? E como nós somos convidados a viver nossa corporalidade?

Jesus não compactuou com a visão dualista do ser humano (corpo e alma). Para Ele, tudo era sacramento, epifania de Deus, revelação do Reino, história de salvação...

Jesus escandalizou a muitos proclamando que o “puro” ou “impuro”, não está fora, em ritos e prescrições. Não são impuros os enfermos, as mulheres menstruadas, os leprosos, as prostitutas...; a “pureza” está no coração que nos permite um olhar límpido, não possessivo, egoísta, invejoso ou violento...

Jesus levou muito a sério a questão do corpo, o seu e o das pessoas que encontrou ao longo de sua vida. Cuidou do seu descanso e o daqueles que com Ele compartilhavam o mesmo caminho; deixou-se acariciar e ungir sua cabeça e seus pés com perfumes valiosíssimos por algumas mulheres, algumas delas malvistas pelos rótulos preconceituosos que os varões lhe impunham, agradecendo esse gesto fruto de um amor sem cálculos; curou corpos atrofiados pela doença e fragilizados pela exploração... Os Evangelhos nos situam Jesus no nível da corporalidade próxima: é Ele que sabe olhar, tocar, sustentar, acariciar...

Se fixarmos nossa atenção em Jesus na última Ceia, descobriremos que suas palavras (“isto é o meu corpo”) e seus gestos (partir e repartir o pão) constituem a essência afetiva e social (de amor e justiça) do cristianismo, a verdade central do Evangelho.

Eucaristia é “Corpo” e é corpo doado e partilhado, não pura intimidade de pensamento, nem desejo separado da vida. A Eucaristia é Corpo feito de amor expansivo e oblativo, que se expressa no trabalho da terra, na comunhão do pão e do vinho, no respeito mútuo frente o valor sagrado da vida, no meio do mundo, nas casas de todos... Não são necessários grandes templos e nem suntuosas procissões para celebrar a festo do Corpo de Deus; basta a vida que se faz doação e partilha, no amor, como Jesus fez.

Diante do Corpo de Cristo, nosso corpo se plenifica na comunhão com outros corpos, com Deus e com o corpo da natureza. Nosso humilde corpo é parte da Criação inteira e nosso bem-estar faz sorrir a natureza.

Aqui precisamos encontrar a justa proximidade para nos relacionar com o corpo e estabelecer um vínculo sadio com ele. Afinal, nossas maneiras de nos relacionar estão configuradas por ele. Não há experiência de amor, e por isso não há experiência de Deus e dos outros, que não ocorra em nosso corpo.

O nosso corpo nos pede espaço, tempo, atenção, alimento e, sobretudo, nos pede descanso e bem-estar, inspiração e contemplação... O corpo não é só a unidade de nossos membros, mas a presença de nossa pessoa; por ele estamos e somos.

O corpo é o companheiro inseparável de nosso caminho. É preciso senti-lo, percebê-lo, escutá-lo. Mas é preciso ir mais longe: podemos afirmar que o corpo se transforma em caixa de ressonância da “voz de Deus” que nos previne contra caminhos equivocados e nos orienta para uma vida natural e plena.

O corpo é “lugar” teológico, lugar da manifestação de Deus; neste sentido é morada do divino, habitação do Espírito, enquanto participa, pensa, sente, deseja, decide...

Quem não escuta nem percebe seu corpo não pode compreender o sentido da vida, do amor, das relações... pois cairá no narcisismo de seu próprio ego.

Não é possível viver feliz sem relações amistosas e próximas com o corpo, para poder entendê-lo e expressar-se adequadamente com ele. Para conhecer-se é necessário acolher o corpo, querer o corpo, observar o corpo, olhar para dentro do próprio corpo, com atitude reverente.

Minha própria casa é meu corpo; o templo onde Deus se revela a mim. Só eu posso habitar e possuir meu corpo. Eu me identifico com meu corpo, sem o qual não posso viver. Deus, com seu Espírito, anima meu corpo; mas não pode habitar em mim a graça de Deus sem a colaboração e a abertura de meu corpo.

Nosso corpo constitui nossa presença no mundo; a acolhida do próprio corpo nos projeta para uma relação sadia com o corpo do outro; é o cuidado do corpo do outro que determina nossa relação com Deus (Mt. 25,31-46). O corpo do ferido, do faminto, do preso... tornam-se “territórios sagrados” onde crescemos e nos humanizamos; são os “lugares” nos quais Deus revela seu rosto compassivo.

O corpo é um documento histórico: há corpo burguês e corpo proletário, corpo de cidade e corpo de roça; há corpos explorados e corpos que são só força de trabalho; corpos que são modelos anatômicos; os “corpos empobrecidos” gritam a Deus por justiça, por alimento, por saúde e por novas relações entre os humanos e o cosmos, gritam a Deus por viver.

O corpo desrespeitado, expropriado e dominado de muitas pessoas, clama a liberdade, a paz, a vida.

O corpo é lugar de êxtase e de opressão, de amor e de ódio, lugar do Reino, lugar de ressurreição.

O corpo é espaço de salvação, de justiça, de solidariedade, de acolhida, é lugar da experiência de Deus, da celebração, da festa, da entrega... Celebrar “Corpus Christi” é “cristificar” nossos corpos.

Texto bíblico: Mc. 14,12-16.22-26

Corpo de Cristo

Olhos inquietos por verem tudo. Ouvidos atentos aos lamentos, aos gritos, aos chamados.

Língua disposta a falar verdade, paixão, justiça…

Cabeça que pensa, para encontrar respostas e adivinhar caminhos, para romper noites com brilhos novos.

Mãos gastas de tanto servir, de tanto abraçar, de tanto acolher, de tanto repartir pão, promessa e lar.

Entranhas de misericordiosas para chorar as vidas golpeadas e celebrar as alegrias.

Os pés em marcha em direção a terras abertas e a lugares de encontro.

Cicatrizes que falam de lutas, de feridas, de entregas, de amor, de ressurreição.

Corpo de Cristo… Corpo nosso.       (José María Olaizola, SJ)

“Tomai, Senhor, e recebei”, toda minha corporalidade, com suas pulsões, seus limites e sua energia profunda. Que não fique nada em mim onde Tu não entres. Nenhum quarto escuro nem fechado que não seja invadido por Ti”.

*Adroaldo Palaoro é padre jesuíta e atua no ministério dos Exercícios Espirituais.

Estudo aponta quem é o 'dono' do carbono no Brasil

domtotal.com
Os resultados do estudo foram publicados na revista Global Change Biology.
Aproximadamente 20% dessas reservas (10 Gt) estão desprotegidas em 80 milhões de hectares de terras públicas
Aproximadamente 20% dessas reservas (10 Gt) estão desprotegidas em 80 milhões de hectares de terras públicas (Vinícius Mendonça/Ibama)
Do total de 52 gigatoneladas (Gt) que compõem o estoque de carbono armazenado em vegetação nativa no Brasil, 67% estão em terras públicas, sendo que metade (26 Gt) está protegida em unidades de conservação e em terras indígenas.

Apesar de o Estado ser o principal “dono” desse carbono, isso não significa que essas reservas estejam protegidas, sem o risco de se converterem em gases de efeito estufa (GEE). Aproximadamente 20% dessas reservas (10 Gt) estão desprotegidas em 80 milhões de hectares de terras públicas sem titulação ou destinação clara, onde a disputa pela propriedade e o desmatamento ilegal desafiam a preservação da vegetação nativa e podem levar ao aumento das emissões brasileiras de GEE.

As constatações são de um estudo realizado por pesquisadores da Escola de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em colaboração com colegas do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), da KTH Royal Institute of Technology e da Chalmers University of Technology – ambas instituições da Suécia.

O estudo integra o projeto Atlas da Agropecuária Brasileira, realizado pelo Imaflora em parceria com o Geolab da Esalq, com apoio da Fapesp. Os resultados do estudo foram publicados na revista Global Change Biology.

“Conseguimos identificar, pela primeira vez, onde está e a quem pertence o carbono no Brasil que está acima do solo, tanto em vegetação nativa, como em culturas e pastagens, de todos os biomas brasileiros”, disse Luís Fernando Guedes Pinto, pesquisador do Imaflora e um dos autores do estudo, à Agência Fapesp.

Para quantificar o estoque de carbono acima do solo no país e identificar seu “tutor”, os pesquisadores desenvolveram uma base georreferenciada da malha fundiária brasileira. A malha abrange todo o território nacional e integra bases de dados oficiais, como as das áreas protegidas nacionais e estaduais – como áreas de conservação, terras indígenas e militares –, além das bases de imóveis e de assentamentos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e os polígonos de imóveis do Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Juntas, essas bases de dados recobrem 80% do país. Para as áreas sem cobertura foi realizada uma modelagem complementar que considera essa porção do território como sendo terra privada, estima os limites dos imóveis rurais a partir dos dados do Censo Agropecuário do IBGE de 2006 e reproduz a distribuição de tamanho dos imóveis rurais censitados em cada município ou setor censitário.

“A malha fundiária representa a aproximação mais realista do tamanho, da localização e da distribuição dos imóveis privados, além dos assentamentos e das terras públicas brasileiras”, disse Guedes Pinto.

As análises dos dados revelaram que, além de 20% do carbono (10 Gt) encontrado em 80 milhões de hectares de terras públicas sem titulação ou destinação clara estar desprotegido, há outros 3,4 Gt de carbono também sem proteção em propriedades privadas, que ocupam 65% do território brasileiro, mas englobam somente 30% do carbono (15,8 Gt).

Embora o Código Florestal proteja 75% (12,4 Gt) do estoque de carbono encontrado nessas propriedades privadas por meio de reservas legais e áreas de preservação permanente, os outros 25% (3,4 Gt) estão desprotegidos em 101 milhões de hectares, aponta o estudo.

“Nossos resultados indicam que, embora haja uma grande área de vegetação nativa e um grande estoque de carbono protegido no Brasil, aproximadamente 25% (13,4 Gt) – que representa a soma do carbono desprotegido em terras públicas e privadas – ainda estão desprotegidos, expostos ao risco de desmatamento e podendo contribuir para o consequente aumento das emissões brasileiras de gases de efeito estufa”, avaliou Guedes Pinto.

Desproteção por biomas

De acordo com o estudo, o Cerrado é o bioma com o maior volume de carbono desprotegido: 1,4 Gt, correspondente a 40% do carbono com risco de emissão no país. Em segundo lugar está a Amazônia, que responde por um terço do carbono desprotegido no Brasil (1Gt), seguida pela Caatinga, que também tem um grande volume de carbono e área de vegetação nativa desprotegidos.

A análise também permitiu identificar que a distribuição do carbono por tamanho de imóvel rural é desigual e varia para cada bioma do Brasil.

Somente 2% de grandes imóveis ocupam metade da área privada e acumulam também metade do carbono em terras privadas. Um terço das terras privadas são ocupadas por 93% pequenos e médios imóveis.

No caso da Amazônia, por exemplo, os pesquisadores estimam que 7 mil grandes imóveis acumulam 15% (0,5 Gt) do carbono desprotegido do Brasil, enquanto outros 110 mil pequenos imóveis retenham outros 10% (0,34%). Já o Cerrado é dominado por grandes imóveis: cerca de 30 mil acumulam 25% do carbono nacional desprotegido, enquanto outros 600 mil pequenos e médios imóveis representam apenas 17%.

“O estudo indica que a conservação do carbono desprotegido no Brasil vai depender de uma combinação de políticas que incluem a regularização fundiária, a destinação de terras, a implementação do Código Florestal e outros instrumentos que priorizem a proteção da vegetação nativa e estoques de carbono que excedem a proteção dos mecanismos legais”, avalia Gerd Sparovek, professor da Esalq e um dos autores do estudo.

“Além disso, este conjunto de políticas deve ser desenhado e implementado de maneira adaptada para as diferentes realidades produtivas, ecológicas e de governança de cada região do país”, afirmou.


Jornal da USP

'Vulcão Kilauea pode ter explosões que não se veem desde 1924'

domtotal.com
O impacto observado se deve sobretudo ao fato de estar em uma área residencial.
O impacto observado se deve sobretudo ao fato de estar em uma área residencial.
O impacto observado se deve sobretudo ao fato de estar em uma área residencial. (Divulgação)

Em erupção há mais de três semanas, o vulcão Kilauea, no Havaí, tem rendido imagens impressionantes de lava e chamas, além de deixar um rastro de destruição por onde passa e forçar milhares de moradores a deixarem suas casas. Junto com ele, apareceram também receios sobre o futuro das comunidades que vivem em Ilha Grande (Big Island, em inglês).

O impacto observado se deve sobretudo ao fato de estar em uma área residencial, embora as cinzas provocadas pelas explosões também interfiram no tráfego aéreo e ofereçam riscos à saúde.

A fim de esclarecer que riscos são esses, assim como para saber por até quanto tempo deve durar a atual erupção, a DW conversou com a sismóloga Jessica Johnson, professora de Geofísica na Universidade East Anglia, no Reino Unido.

DW: O que há de novo em torno da erupção do Kilauea?

Jessica Johnson: A principal diferença é que, desta vez, é em uma área residencial. Desta vez, temos fissuras abertas em estradas residenciais, fluxos de lava passando pelas casas das pessoas. O impacto dessa erupção particular é bem diferente. A outra diferença é que o lago de lava que está no cume – ou que estava no cume – diminuiu. O magma recuou tanto que agora está abaixo do lençol freático. E isso significa que as interações de água e magma podem causar explosões no cume, algo que não vemos desde 1924.

DW: Quão grandes seriam essas explosões?

Jessica Johnson: Bom, a maior que tivemos até agora, creio eu, lançou cinzas a cerca de 9 quilômetros na atmosfera. Quanto às mais recentes, vimos algumas lançando cinzas a uma distância de três a quatro quilômetros. Elas são, portanto, consideravelmente grandes. Elas definitivamente têm um impacto sobre o tráfego aéreo, mas devido ao fato de o cume não ser uma área residencial – é dentro do parque nacional –, não são muitas as pessoas afetadas pelas explosões. Mas as cinzas criadas por essas explosões têm afetado aqueles que vivem na direção do vento do vulcão.

DW: Desde a erupção do Kilauea, temos ouvido algumas novas palavras, como "vog" e "laze". O que significam esses termos e quão perigoso é respirar o ar havaiano neste momento?

Jessica Johnson: "Vog" é um nevoeiro vulcânico que normalmente consiste de dióxido de enxofre e é emitido pela lava quando entra em erupção. O dióxido de enxofre no ar é tóxico. Quando alguém é exposto a ele em pequenas quantidades, distingue claramente seu cheiro e seu gosto. Já em grandes quantidades, ele pode tornar a respiração bastante difícil, provocar ardência nos olhos e também causar uma espécie de corrosão ao se misturar com a água e produzir um ácido.

Já "laze" é uma mistura da palavra lava e neblina [em inglês]. É um produto da lava, mas, neste caso, a lava quando encontra o oceano, provoca uma reação química e produz pequenas gotículas de ácido clorídrico em combinação com minúsculas partículas de vidro vulcânico. Quando encontra a água, a lava pode causar explosões muito pequenas ao transformar a água em vapor. Essas partículas são então empurradas pelo calor e provocam uma névoa, que é, por sua vez, composta de partículas de ácido clorídrico e vidro vulcânico. E isso, mais uma vez, é extremamente tóxico. É muito perigoso respirar esse ar e, de fato, acho que foi em 2000 que duas pessoas inclusive morreram por estarem expostas a um bolsão de "laze".

DW: O que as pessoas devem fazer caso sejam confrontadas com vog, laze ou cinzas?

Jessica Johnson: A recomendação é ficar dentro de casa e manter as janelas fechadas. Quem está dirigindo, pode manter as janelas fechadas, principalmente quem estiver dirigindo em meio às cinzas. Pare em algum local seguro e simplesmente espere o perigo passar, pois isso pode limitar a visibilidade, além de deixar as estradas escorregadias.

DW: Na internet, circulou um vídeo do Kilauea que pensei ser falso. Havia chamas azuis escuras queimando sobre a paisagem carbonizada. O que está acontecendo por lá?

Jessica Johnson: Quando a lava flui sobre a vegetação, esta queima, mas não tem acesso ao oxigênio, e os gases não conseguem escapar. Isso cria metano, e esse metano escapa descendo pelas rachaduras no solo. Debaixo da terra, ele segue alguns caminhos, de modo que é capaz de escapar através de outras rachaduras no solo que ainda não foram cobertas pela lava. Esse metano, obviamente, é muito, muito quente e inflamável. Essas chamas azuis, portanto, são metano criado a partir de vegetação varrida pela lava.

DW: O que os vulcanólogos esperam do Kilauea a partir de agora?

Jessica Johnson: O fato de ainda acontecerem pequenos terremotos e de ainda existirem deformações terrestres é um sinal de que ainda há magma sendo fornecido para a zona leste da fenda. Logo, não esperamos que essa erupção termine tão cedo. Além disso, nós também procuramos padrões anteriores para ver se é possível traçar semelhanças com o que o vulcão possa fazer a seguir, as erupções passadas aconteceram na área de Puna, tendo uma delas durado várias semanas, e a outra, alguns meses. Pensávamos, portanto, que isso poderia ser uma escala de tempo razoável. Porém, ao mesmo tempo, temos visto desde erupções que duraram apenas alguns dias até a erupção do Puʻu ʻŌʻō, que fica a meio caminho da zona da fenda e que durou 35 anos. Então, definitivamente, não é uma ciência exata.

DW: Se você pudesse pegar um voo para Kilauea agora, o que você gostaria de ver, fazer ou pesquisar por lá? Existe algo absolutamente novo?

Jessica Johnson: Absolutamente. Como sismóloga, o fato de estarmos tendo esses terremotos na zona leste da fenda é muito interessante para mim, afinal, trata-se de uma área geralmente muito calma em termos sísmicos. O fato de termos terremotos lá irá nos permitir imaginar o subsolo. Eu inclusive escrevi uma proposta a fim de angariar fundos para ir ao Havaí agora mesmo e trazer mais alguns sismógrafos. [O objetivo é] tentar capturar esses dados para que possamos criar imagens melhores do terreno nessa área.


DW

NO QUEIXO DE MORO: Segurança De Atibaia Desmente Globo E Inocenta Lula; CONFIRA!

Por Redação Click Política  Em 31 maio, 2018

 DO DCM:

Segundo a Folha, o tenente Valmir Moraes da Silva, da equipe de segurança de Lula, disse ao juiz Sergio Moro nesta quarta (30) que o ex-presidente esteve no sítio de Atibaia (SP) em cerca de 72 finais de semana, de 2012 a 2015.

Ele prestou depoimento como testemunha de defesa no processo que investiga se Lula se beneficiou de R$ 1,02 milhão em benfeitorias que teriam sido pagas pela Odebrecht e OAS.

O Ministério Público Federal acusa o petista de ser o verdadeiro dono do imóvel, que está no nome do empresário Fernando Bittar.

Valmir disse que fez o levantamento por curiosidade, após ver relatos na imprensa de que o ex-presidente teria estado no sítio em mais de cem finais de semana. Segundo ele, Lula levava uma bolsa de mão, com shorts, camiseta e agasalho, e retornava para casa com as roupas.

O segurança também afirmou que, desde o primeiro momento, ficou sabendo que o imóvel pertencia a Fernando Bittar. De acordo com ele, sempre que havia algum problema no sítio, a mulher de Lula, Marisa Leticia, dizia para ligar para o empresário.

O tenente disse, ainda, que Marisa, morta em fevereiro de 2017, levava bichos para o sítio e cuidava de uma horta no local.

Em 2016, uma matéria do Bom Dia, Brasil, da Globo, afirmava que Lula “foi mais de uma centena de vezes ao sítio”.

Mas Lula diz que o sítio não é dele. Este sítio, para onde o ex-presidente Lula foi mais de 100 vezes, passou por reforma e a dona de uma loja de material de construção disse que a obra foi paga pela empreiteira Odebrecht, investigada na Lava Jato.

Informações do Portal da Transparência do Governo Federal mostram que as viagens da família do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva ao sítio em Atibaia, no interior de São Paulo, foram frequentes, desde 2012.

A propriedade tem mais de 170 mil metros quadrados, o que equivale a 24 campos de futebol. O sítio fica no meio da mata, tem piscina e um lago.

O site da Revista Época mostra que Lula e a família viajaram 111 vezes ao sítio ao longo de quatro anos. Uma média de uma visita a cada duas semanas.

Os detalhes estão no Portal da Transparência do Governo Federal. No site é possível ver que a segurança pessoal do ex-presidente o acompanhou nessas viagens, feitas de carro de São Bernardo do Campo a Atibaia.

Em 2012, Lula e a família passaram, pelo menos, oito fins de semana no sítio. Em 2013,19 fins de semana e feriados. Em 2014, 18; e no ano passado foram pelo menos 22 fins de semana, quase metade de todos os 52 fins de semana do ano.

Até o Réveillon, Lula passou no sítio, segundo os registros oficiais. Apesar de tantas visitas, o ex-presidente nega ser dono do sítio. Diz que usa o local apenas para descansar. (…)

Redação Click Política

EXPECTATIVA: Internautas Acreditam Que Tácla Duran “Ferrará” Moro Em CPI

 SAIBA
Por Redação Click Política  Em 31 maio, 2018

Redação Click Política

Miriam Leitão Que Erra Todas, Passa “Carão” Em Temer Na Globo E Defende Parente


Por Redação Click Política  Em 31 maio, 2018


DO SITE CONVERSA AFIADA:


O ladrão presidente disse à extinta TV Brasil:

– Não queremos mudar a política (de reajustes diários do Pedro Malan Parente). Nós podemos reexaminá-la, mas com muito cuidado.



No Mau Dia Brasil, a Míriam Lúcia deu-lhe uma esculhambação:

– Um Presidente da República não pode falar assim!

E explicou a única porta-voz autorizada deste governo de canalhas e canalhas.

– Eu tenho falado com pessoas importantes deste Governo…

Leia Também
EXPECTATIVA: Internautas acreditam que Tácla Duran…
31 maio, 2018
DESASTRE TEMER: PIB encolhe e Brasil se afunda mais ainda; SAIBA!
31 maio, 2018
Ela fala com qualquer um deste Governo.

E chegou à conclusão de que pode haver um “meio de caminho” entre os reajustes diários e os reajustes sete vezes por semana, desde que não cause prejuízo à Petrobras…

“A Petrobras não pode perder remuneração!” – determinou a dona da voz da Globo Overseas, essa empresa que tem sede na Holanda.

E concluiu:

– Um Presidente da República não pode provocar incerteza!

E viva a República Federativa da Cloaca!

PHA

Redação Click Política

A solidariedade da CNBB aos trabalhadores

Nota da CNBB sobre o momento nacional
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) se solidariza com os caminhoneiros, trabalhadores e trabalhadoras, em manifestação em todo território nacional, em nota divulgada nesta quarta-feira, 30 de maio. Preocupada com as duras consequências que sempre recaem sobre os mais pobres, no texto a entidade conclama toda a sociedade para o diálogo e para a não violência. “Reconhecemos a importância da profissão e da atividade dos caminhoneiros”, pontua.

Confira, abaixo, a nota na íntegra:

NOTA DA CNBB SOBRE O MOMENTO NACIONAL
“Jesus entrou e pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco”(Jo 20,19)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, solidária com os caminhoneiros, trabalhadores e trabalhadoras, em manifestações em todo território nacional, e preocupada com as duras consequências que sempre recaem sobre os mais pobres, conclama toda a sociedade para o diálogo e para a não violência. Reconhecemos a importância da profissão e da atividade dos caminhoneiros.

A crise é grave e pede soluções justas. Contudo, “qualquer solução que atenda à lógica do mercado e aos interesses partidários antes que às necessidades do povo, especialmente dos mais pobres, nega a ética e se desvia do caminho da justiça” (CNBB, 10/03/2016). Nenhuma solução que se utilize da violência ou prejudique a democracia pode ser admitida como saída para a crise.

Não é justo submeter o Estado ao mercado. Quando é o mercado que governa, o Estado torna-se fraco e acaba submetido a uma perversa lógica financista. “O dinheiro é para servir e não para governar” (Papa Francisco, Evangelii Gaudium, 58). 

É necessário cultivar o diálogo que exige humilde escuta recíproca e decidido respeito ao Estado democrático de direito, para o atendimento, na justa medida, das reivindicações.

As eleições se aproximam. É preciso assegurar que sejam realizadas de acordo com os princípios democráticos e éticos, para restabelecer nossa confiança e nossa esperança. Propostas que desrespeitam a liberdade e o estado de direito não conduzem ao bem comum, mas à violência.

Celebramos a Solenidade do Corpus Christi, fonte de unidade e de paz. Quem participa da Eucaristia não pode deixar de ser artífice da unidade e da paz. O Pão da unidade nos cure da ambição de prevalecer sobre os outros, da ganância de entesourar para nós mesmos, de fomentar discórdias e disseminar críticas; que desperte a alegria de nos amarmos sem rivalidades, nem invejas, nem murmurações maldizentes (cf. Papa Francisco, Festa do Corpus Christi, 2017). O Pão da Vida nos motive a cultivar o perdão, a desenvolver a capacidade de diálogo e nos anime a imitar Jesus Cristo, que veio para servir, não para ser servido.

Conclamamos, por fim, todos à oração e ao compromisso na busca de um Brasil solidário, pacífico, justo e fraterno. A paz é um dom de Deus, mas é também fruto de nosso trabalho.

Nossa Senhora Aparecida interceda por todos!

Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília (DF)
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. R. Krieger, SCJ
Arcebispo de São Salvador (BA)
Vice-Presidente da CNBB  

Dom Leonardo Ulrich Steiner, OFM
Bispo Auxiliar de Brasília (DF)
Secretário-Geral da CNBB

Mundo vê no Papa voz determinante do cristianismo, diz pastor do CEI

Papa Francisco irá a Genebra em 21 de junho
"Seria realmente um grande passo em frente se ficasse claro que o Papa não fala apenas no interesse da Igreja Católica Romana, mas antecipa aquela Igreja una, santa, apostólica e católica com aqueles que até agora estão separados", observa o pastor evangélico.
Cidade do Vaticano

"O mundo vê no Papa uma voz determinante do cristianismo mundial, junto com o patriarca ecumênico Bartolomeu e alguns poucos outros líderes eclesiásticos".

É o que sublinha o pastor evangélico Martin Robra - responsável pelas relações entre o Conselho e a Igreja Católica - entrevistado pelo diretor da 'Civiltà Cattolica', padre Antonio Spadaro SJ, na edição 4031 da revista dos jesuítas, em vista da visita que o Pontífice fará a Genebra em 21 de junho próximo para encontrar o Comitê Central do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEI).

O CEI é formado por 348 Confissões, provenientes a maior parte das tradições ortodoxa, anglicana e protestante, e que compreende também um certo número de Igrejas pentecostais e Igrejas africanas independentes.

"Seria realmente um grande passo em frente se ficasse claro que o Papa não fala apenas no interesse da Igreja Católica Romana, mas antecipa aquela Igreja una, santa, apostólica e católica com aqueles que até agora estão separados", observa o pastor evangélico.

"É surpreendente – observa - que o Papa Francisco tenha dado tanta importância ao CEI durante sua visita a Genebra. É um fato muito diferente em comparação com as duas visitas anteriores dos Papas Paulo VI e João Paulo II. Aquelas viagens foram dedicadas pelos Papas antes de tudo à Suíça e aos escritórios em Genebra das Nações Unidas, na qualidade de chefes de Estado. O Papa Francisco vem, antes de tudo, como líder da Igreja Católica, bispo de Roma e sucessor de Pedro".

Da conversa emerge como a cooperação com os dicastérios vaticanos tenha melhorado muito e que as Exortações Apostólicas Evangelii gaudium e Amoris laetitia e a Encíclica Laudato si “tenham sido estudadas pelo grupo de trabalhos do CEI, porque documentos "firmemente enraizados na doutrina da Igreja Católica, mas em excelente consonância com o trabalho unitário das Igrejas do CEI. Por isso tornaram-se pontos de referência recorrentes - diz Robra . Eu tenho uma esperança real na relação entre as Igrejas como “se elas fossem uma só coisa".

Corpus Christi com o Papa Francisco em Ostia no domingo

Papa com o Santíssimo Sacramento na Basílica de São Pedro
A Solenidade de Corpus Christi este ano será celebrada pelo Papa Francisco na localidade de Ostia.
Cidade do Vaticano

No domingo, 3 de junho, Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, o Papa Francisco irá à localidade de Ostia, próximo a Roma, onde às 18 irá presidir a Missa na praça em frente à paróquia de Santa Monica (praça homônima), seguida de procissão com o Santíssimo Sacramento. O Vatican News transmitirá a Missa e a Procissão, com comentários em português, a partir das 12h55min, horário de Brasília.

Irão concelebrar o arcebispo Angelo de Donati, vigário do Papa para a Diocese de Roma, os bispos auxiliares e os sacerdotes das paróquias de Ostia, com um bilhete especial emitido pelo Departamento das Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice. Não está prevista a concelebração para os outros sacerdotes.

Procissão com o Santíssimo

Após a Missa, haverá uma procissão com o Santíssimo Sacramento que percorrerá uma distância de um quilômetro e duzentos metros, passando por algumas ruas da localidade na costa romana, que para a ocasião serão fechadas ao tráfego: Piazza Santa Monica, Via delle Sirene, Corso Duca di Genova, via della Corrazzata, via del Sommergibile, via dell'Idroscalo. A procissão se concluirá no estacionamento na via della Martinica, perto da paróquia de Nossa Senhora de Bonaria, onde o Santo Padre concederá a bênção eucarística.

Acesso aos fiéis

Na Piazza Santa Monica e no estacionamento da Via della Martinique, os fiéis terão que passar pelas verificações de segurança habituais. Não haverá ingressos para participar dos ritos do Corpus Domini: o acesso é gratuito e aberto a todos. Somente as crianças e jovens das paróquias terão um crachá de reconhecimento em seus pescoços. Será necessário um passe para os doentes e pessoas com necessidades especiais, para quem serão reservados dois setores, tanto na Piazza Santa Mônica quanto no estacionamento da Via Martinica. Todos aqueles que realizam um serviço litúrgico durante a Missa e a procissão também terão o crachá.

Quebra de tradição

Por mais de quarenta anos, Corpus Christi foi celebrado em São João de Latrão: "Quebra-se uma tradição, mas se dá início a outra - sublinha o bispo do setor sul, que faz parte de Ostia, Dom Paolo Lojudice, recordando que -  “até 1978, com Paulo VI,  vi a celebração do Corpus Domini em várias e diferentes áreas da cidade”.

“Em 1968, o próprio Papa Montini celebrou o Corpus Christi em Ostia. Creio que faz parte da lógica pastoral do Papa Francisco, no seu “magistério dos sinais", que quer levar a Igreja para fora, pelas ruas, às periferias, na proximidade dos ambientes e as situações mais delicadas".

E ainda: "O próximo domingo é uma grande oportunidade para todo o distrito - acrescenta o prelado - não é uma visita a uma paróquia, mas a uma comunidade inteira". Os números confirmam isso: participarão cerca de 850 crianças da Comunhão, às quais foi pedido para usar a clássica túnica branca; 150 os meninos dos oratórios, que serão identificados por uma camiseta amarela; 350 jovens da Crisma, com camiseta vermelha.

Em preparação ao Corpus Domini, as oito paróquias de Ostia organizam uma vigília de oração para amanhã, quarta-feira, 30 de maio, às 21 horas, na praia de Idroscalo. A liturgia da Palavra terá como fio condutor "Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros como eu vos amei" (Jo 15, 12).
Duas comunidades pertencem à diocese suburbicária de Ostia, a menor na Itália e entre as mais antigas: Santo Agostinho Bispo e Stagni e Sant'Aurea em Ostia Antica.

Credenciamento

Jornalistas e representantes da mídia que desejam participar dos ritos de Corpus Christi deve enviar pedido decredenciamento temporário através do formulário de credenciamento online disponíveis na seção do site da Sala de Imprensa da Santa Sé: press.vatican.va/accreditamenti. Aqueles que já possuem ACREDITAÇÃO ORDINÁRIA VÁLIDA devem enviar um pedido para participar de acordo com os métodos usuais. Todos os pedidos devem ser recebidos até 48 horas do evento. Para mais informações, contate a Assessoria de Imprensa da Santa Sé: Tel. (39) 06698921, email accreditamenti@salastampa.va

quarta-feira, 30 de maio de 2018

TSE: Lula continua candidato

rejeita questionamento

Revista Fórum
O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou consulta formulada que questionava se era possível a um réu de ação penal em trâmite na Justiça Federal se candidatar a presidente da República. A decisão foi tomada por unanimidade, nesta terça-feira (29). Com a decisão, o ex-presidente Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PSL), os dois pré-candidatos com maior percentual de votos nas pesquisas, seguem com as candidaturas permitidas.

Ao votar pelo não conhecimento da consulta, o relator, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, afirmou que cabe ao TSE avaliar somente situações abstratas e o questionamento, sem citar Lula, era referente a um caso específico.“Contém elementos manifestamente capazes de induzir sua eventual resposta à aplicação a caso concreto”, disse. “Aponta circunstâncias singulares e individualizantes de condição, estado ou situação, passíveis de serem específicas de pessoa determinada ou facilmente determinável”, disse Maia.

A CULPA É DO GOVERNO TEMER


Resultado de imagem para TEMER corrupcao
Os níveis de rejeição do governo Temer e a avaliação extremamente negativa que a população faz do desempenho do presidente, o deixa sem apoio nas massas.
Por Juacy da Silva
O antigo PMDB, atualmente, MDB foi maior e o aliado preferencial dos governos Lula e Dilma, dividindo com o PT e diversos outros partidos, a grande maioria que continua apoiando o governo Temer. Neste contexto, Temer e seus parceiros são corresponsáveis por todas as mazelas que o atual governo imputa aos dois governos anteriores.

Fora-Temer-Diretas
Em um dado momento, quando Temer escreveu o documento “Uma ponte para o futuro”, na verdade estava balizando as manobras, consideradas golpistas pelo PT e demais partidos de esquerda, antigos aliados nos governos Lula/Dilma, que culminaram com o “impeachment” de Dilma, possibilitando a Temer e ao MDB ocuparem a Presidência da República, sem ter a chancela dos eleitores.

O governo Temer tem sido fustigado duramente nesses pouco mais de dois anos por acusações e investigações de corrupção, incluindo o próprio presidente que, por duas vezes, só escapou de ser investigando e processado pelo STF, graças a uma maioria constituída por parlamentares fisiológicos e mais de uma centena também investigados por corrupção, além de mais de dez de seus ministros que também estão sendo investigados por crimes de colarinho branco e alguns que até já estão presos.

As diversas pesquisas de opinião pública tem demonstrado que Temer é, ao lado de Sarney, também “medebista” que herdou um governo sem votos, graças à morte de Tancredo Neves, um dos ou talvez o mais impopular governante da história republicana, em mais de um século. Os níveis de rejeição do governo Temer e a avaliação extremamente negativa que a população faz do desempenho do próprio presidente, o deixa sem apoio nas massas, diferente de Lula, que, mesmo preso continua sendo o preferido dos eleitores, conforme todas as pesquisas de opinião vem demonstrando, inclusive uma do IBOPE e outra do Vox Populi desta semana.

Diante de um governo que podemos denominar de incompetente, principalmente por não conseguir planejar suas ações, que ocorrem ao sabor do momento ou da crise em curso e que não tem visão estratégica e nem dialética dos fatos políticos, econômicos e sociais, a gota d’água foi a indicação de Pedro Parente para a direção da Petrobras, um tucano da época de FHC, de quem o PMDB e o próprio Temer eram parceiros e sócios, com carta branca para fazer o que bem entendesse, para “recuperar” a maior estatal brasileira, dilapidada e destruída pela corrupção, da qual o partido de Temer também participou, conforme a LAVA JATO vem demonstrando sobejamente.

Ao alinhar os preços dos combustíveis, inclusive do etanol que é produzido no Brasil, aos preços internacionais do petróleo e à variação do dólar, estava sendo montada uma bomba-relógio que iria explodir no colo do governo, como aconteceu com aquela bomba do Rio Centro que explodiu, literalmente, no colo de um militar que participaria de um grande atentado durante o período dos governos militares.

Além disso, Temer herdou, para sua desgraça uma enorme carga tributária que vem sendo elevada continuamente desde o governo FHC e que hoje já beira os 40% do PIB brasileiro, sem que o cidadão e a população consigam ver os frutos desta extorsão tributária na forma de serviços públicos de qualidade. O povo é sacrificado, paga trilhões de reais em impostos, taxas e contribuições e nada recebe em troca, o que não deixa de ser uma vergonha nacional.

O governo Temer, além de impopular e incompetente, também tem se mostrado fraco, pusilânime diante do crime organizado que age abertamente, diante da corrupção que continua correndo solta no país e em seu próprio governo; diante dos políticos fisiológicos que não apenas chantageiam seu governo mas também estão com um pé em duas canoas, prestes a abandonar o barco; e, agora, diante desta greve dos caminhoneiros e dos grandes grupos empresariais ligados ao setor de transporte, um setor marcado também por muita corrupção, verdadeiras máfias que agem contra os interesses do povo não apenas no transporte urbano, mas também no transporte intermunicipal e de cargas.

Mesmo tendo aceito, de joelhos, todas as reivindicações dos caminhoneiros e dos empresários do setor de transportes; ou mesmo tendo ameaçado o uso da força policial e dos militares não tem conseguido acabar com a greve e possibilitar o retorno da normalidade neste setor estratégico da vida nacional, colocando em risco não apenas as atividades econômicas, mas a vida das pessoas.

Diante da arrogância dos grevistas e indignação da população tem faltado ao governo Temer a coragem para o uso da força para por fim a esta crise, que a cada dia se torna mais grave e que poderá encurtar seu mandato ou até mesmo colocar em risco a estabilidade democrática e institucional.

A bomba está com o pavio embebido em gasolina e pronta para explodir, só está faltando quem vai acender o pavio, com muita probabilidade antes de meados de setembro, quando termina o mandato da Ministra Carmem Lúcia como presidente do STF e em seu lugar será empossado o ministro Dias Tofoli, antigo colaborador de José Dirceu, o todo poderoso ministro do governo Lula. Quem viver verá!

Juacy da Silva, professor universitário, UFMT, mestre em sociologia, articulista e colaborador de diversas veículos de comunicação. Email professor.juacy@yahoo.com.br Twitter@profjuacy Blog www.professorjuacy.blogspot.com

Homem faz gesto obsceno na Globo, repórter se revolta e toma atitude ao vivo.


A repórter Michelle Loreto, da Globo, surpreendeu aos telespectadores com sua postura ao vivo no SPTV, telejornal de São Paulo, nesta quarta (30), quando foi interrompida por um morador que passava por aquela região.
O homem, ciente de que estava sendo transmitido pela Globo, apareceu fazendo um gesto obsceno e a repórter se manifestou. Educadamente, ela se virou, disparou “que feio, moço”, e seguiu com seu trabalho. Confira o vídeo:

Temer resgata o sabugo


Sabugo de milho volta à cena com falta do papel higiênico na era Michel Temer


30 de Maio de 2018 por esmael

 
Na era Michel Temer o velho sabugo de milho está de volta em substituição ao papel higiênico. Coisa do Brasil rural, da década de 50. A greve dos caminhoneiros desabasteceu os supermercados em Curitiba, por exemplo.

Há quem veja vantagem no resgate do sabugo, pois “limpa, coça e penteia” ao mesmo tempo.

Portanto, os marqueteiros de Temer estavam certos quanto ao slogan: ‘O Brasil voltou 70 anos em 2’.

Sabugo nele!

Globo transmite ao vivo refrão “Olê, olê, olá, Lula, Lula”

30 de Maio de 2018 por esmael

 O maníaco do trompete atacou novamente a transmissão ao vivo da TV Globo, na desta quarta (30). Durante link da repórter Zuleide Silva, de Brasília, ouvia-se o tradicional “Olê, olê, olá, Lula, Lula”.

A reportagem era sobre a criminalização da greve dos caminhoneiros.

O trompetista quis deixar o seguinte recado na Globo: ‘soltem o Lula que ele resolve essa crise dos aumentos abusivos nos combustíveis em apenas um dia’.

O anônimo trompetista tem sido frequente nos telejornais da Globo.
Assista ao vídeo:

Temer É Um Cadáver Entronado

Editorial Da Folha:
Por Redação Click Política  Em 30 maio, 2018

ampulhetaroeira
O jornal Folha de S. Paulo faz seu editorial mais violento contra o governo Temer. Diz que Temer já deveria estar fora do cargo há muito tempo e que se tornou um cadáver entronado. Para o jornal, a permanência de Temer é o “aviltamento da Presidência da República”.

O tom do editorial é inédito para o governo Temer. Faltou pouco para a Folha usar a palavra “golpista”. O editorial desanca o trio de ministros que compõem a cúpula do governo neste momento: Padilha, Jungmann e Marun. Acusam-nos de “torrarem uma dinheirama” dos contribuintes em acordos fracassados.

“Os três ministros —Eliseu Padilha (Casa Civil), Raul Jungmann (Segurança Pública) e Carlos Marun (Secretaria de Governo)— encarregados de gerir a crise falaram bem mais que agiram, negociaram com quem não podia cumprir o assinado, porque não comandava a massa parada nas rodovias, e torraram uma dinheirama dos contribuintes em acordos fracassados. O Brasil tem 13,4 milhões de desempregados, entre outros desafios sociais dessa magnitude. Não parece fazer sentido gastar bilhões, que o Tesouro terá de tomar emprestados a juros de mercado, com centenas de milhares de caminhoneiros em dificuldade, mas empregados.

Se o governo não consegue fazer frente a forças que chantageiam os consumidores e impor um mínimo de racionalidade às negociações, o governo é desnecessário. A mesma fatia assoberbante de brasileiros que apoia a paralisação dos caminhoneiros, no Datafolha, rejeita pagar a conta das concessões, que virá sob a forma de mais impostos ou com o corte de gastos.”

Redação Click Política

Sem espaço no Jornal Nacional, Maju Coutinho faz previsão do tempo na internet

29/05/2018Aloizio Júnior
William Bonner e Maju Coutinho no "Jornal Nacional" (Foto: Reprodução/Globo)
William Bonner e Maju Coutinho no Jornal Nacional
(Foto: Reprodução/Globo)
Fazendo cobertura intensa da greve dos caminhoneiros, o Jornal Nacional não está dando espaço para Maju Coutinho e suas previsões do tempo. Por conta disso, a profissional recorreu a internet e fez uma previsão do tempo exclusiva para outras plataformas, como Instagram e o Twitter.


+Malhação tem queda na audiência e empata com a Record nesta terça-feira (29)

“Não tem previsão no ‘JN’, mas tem previsão na internet. E tem frente fria chegando, gente”, avisou a jornalista para os quase meio milhão de seguidores no Instagram, e outros 474 mil no Twitter.

Essa foi a segunda edição consecutiva em que a previsão do tempo não foi exibida pelo principal telejornal do país. E a explicação está na cobertura da greve dos caminheiros autônomos, que entra para o seu nono dia. Até às 22h, por exemplo, dos 15 vídeos disponibilizados pelo “JN” em seu site oficial, nove falavam sobre a paralisação.



https://www.otvfoco.com.br/sem-espaco-no-jornal-nacional-maju-coutinho-faz-previsao-do-tempo-na-internet/

Lula dispara com 43,4% na Bahia

diz pesquisa
30 de Maio de 2018 por esmael


 Lula venceria no primeiro turno, se as intenções de voto se reproduzissem em todo o país. De acordo com a Paraná Pesquisa, o petista tem 43,4% da preferência do eleitorado baiano.


LEIA TAMBÉM
Ator Danny Glover visita a Vigília Lula Livre nesta quarta-feira

O ex-presidente Lula é mantido preso político há 53 dias, em Curitiba, porque mídia e judiciário querem tirá-lo da disputa de outubro.

Todos os demais candidatos somam 43,3%, número que seria insuficiente para provocar o segundo turno na eleição presidencial.

O deputado Jair Bolsonaro é o segundo colocado na Bahia com 16,8%. Em terceiro aparece Marina Silva, com 8,3%. Ciro Gomes, em quarto, tem 7,1%. Alvaro Dias aparece na quinta posição com 3,8%.

A Paraná Pesquisas entrevistou 1.540 eleitores entre os dias 23 e 28 de maio. A sondagem está registrada no TSE sob o número BR-09710/2018. A margem de erro é de 2,5% para mais ou para menos.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multidão e atividades ao ar livre

Temer foi uma tragédia para 96% na greve dos caminhoneiros, diz Datafolha

30 de Maio de 2018 por esmael

 O Datafolha além de “demitir” Pedro Parente da Petrobras, ao registrar que 87% dos brasileiros aprovam a paralisação dos caminhoneiros, também deu cartão vermelho para Michel Temer: 96% consideraram uma tragédia a atuação do Vampirão Neoliberalista na greve que hoje completa 10 dias.

Segundo o instituto, 96% considerou que Temer demorou demais para negociar, contra 3% que acham que ele o fez no momento certo.

Michel Temer e Parente fazem “hora extra” no governo, pois, de acordo com a pesquisa, passou do momento deles irem embora.

O instituto Datafolha afirma que entrevistou 1.500 pessoas nesta terça (29), por meio de telefone, e estipulou margem de erro de 3 pontos.

O PIB de Temer não sobe mais…

30 de Maio de 2018 por esmael

 Michel Temer, Henrique Meirelles, Pedro Parente, et caterva continuam fazendo muito mal ao Brasil. Além de serem responsáveis pela paralisação dos caminhoneiros, aumentando abusivamente os preços dos combustíveis, também são os culpados pelo pibinho de 0,4% no trimestre.

O pífio desempenho do PIB de Michel Temer foi divulgado hoje (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Noutras palavras, o PIB de Temer não sobe mais…

O IBGE afirma que expansão de 1,4% da Agropecuária segurou o pibinho de 0,4%, que poderia ter sido pior.

A greve dos caminhoneiros, que hoje completa 10 dias, poderá mostrar piora no PIB do próximo trimestre.

O PIB de Temer não sobe mais…

Manifesto Internacional Pró-Lula Está Com Mais De 300 Mil Adesões

Por Redação Click Política  Em 30 maio, 2018


Rede Brasil Atual:


Um abaixo-assinado em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que circula na internet já tinha recebido mais de 306 mil adesões até as 12h desta terça-feira (29). A iniciativa é de acadêmicos e intelectuais dos Estados Unidos, principalmente. No documento, eles afirmam que “sobram evidências” de que Lula “foi vítima de uma guerra jurídica (Lawfare), ou seja, abuso de poder judicial para fins políticos”. E concluem que ” a comunidade internacional deve considerá-lo e tratá-lo como um preso político”, considerando que os “abusos” do Judiciário “configuram uma perseguição política mal disfarçada sob manto legal”. O texto está publicado em diversos idiomas (confira a íntegra abaixo, na versão em português).

O manifesto foi organizado pelos professores Erika Larkins (Universidade de San Diego), James Green (Universidade Brown), Peter Evans (Universidade da Califórnia) e Rebecca Tarlau (Universidade da Pensilvânia), além de Stanley Gacek, assessor sênior da UFCW (confederação internacional de trabalhadores no comércio e alimentação) e ex-diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Nomes como os de Angela Davis, Boaventura de Sousa Santos, Noam Chomsky e Thomas Piketty figuram entre os apoiadores.



“Embora críticos afirmem que ‘Lula deveria saber’ ou que ‘Lula deve ter ganho algo’, não há evidências de sua participação no pagamento de propinas”, afirmam os signatários do manifesto. “De acordo com a lei brasileira, a corrupção é uma relação de troca. Para condenar Lula por corrupção, o Ministério Público deveria provar que ele participou das fraudes a licitações e/ou recebeu bens ou valores em contraprestação por tais atos ilícitos. (…) A falta de provas incriminatórias foi desconsiderada por Sergio Moro, o juiz responsável pelo caso contra Lula.”

Eles dizem ainda que, neste processo, “o magistrado escolheu o réu e, atuando como investigador, promotor e juiz, condenou-o por ter cometido ‘atos de ofício indeterminados de corrupção’. Essa sentença, acrescentam, “não encontra sustentação legal e constitucional, inclusive pelas normas brasileiras, uma vez que se refere a ‘atos indeterminados'”.

Leia a íntegra do manifesto.

Lula da Silva é um preso político. Lula livre!

Manifestamos aqui nossa profunda preocupação com as circunstâncias nas quais o ex-presidente brasileiro Lula da Silva foi julgado e preso. Sobram evidências de que Lula da Silva foi vítima de uma guerra jurídica (Lawfare), ou seja, abuso de poder judicial para fins políticos. Portanto, a comunidade internacional deve considerá-lo e tratá-lo como um preso político.

O julgamento de Lula foi conduzido como parte da chamada Operação Lava Jato, uma investigação sobre pagamentos de propina a executivos da Petrobrás e políticos, alguns dos quais ocorreram enquanto Lula era presidente. Embora críticos afirmem que “Lula deveria saber” ou que “Lula deve ter ganho algo”, não há evidências de sua participação no pagamento de propinas. De acordo com a lei brasileira, a corrupção é uma relação de troca. Para condenar Lula por corrupção, o Ministério Público deveria provar que ele participou das fraudes a licitações e/ou recebeu bens ou valores em contraprestação por tais atos ilícitos.

Em 2016, Lula foi acusado de receber um apartamento modesto da OAS, uma das contratadas da Petrobrás envolvidas no esquema de corrupção. No entanto, não há conversa telefônica gravada, transações bancárias, transferência de fundos ou títulos de propriedade que deem base para a acusação contra Lula. Ele nunca utilizou ou se beneficiou com o apartamento. Pior ainda, mais tarde veio a público a informação de que o mesmo apartamento havia sido dado como garantia pela OAS em transação de empréstimo de longo prazo, não obstante a acusação de que Lula era o dono do imóvel.

A falta de provas incriminatórias foi desconsiderada por Sergio Moro, o juiz responsável pelo caso contra Lula. Moro baseou sua decisão em “colaboração informal” (nem mesmo uma delação premiada) de Leo Pinheiro, proprietário da OAS. Pinheiro já havia sido condenado a 26 anos de prisão quando decidiu “colaborar” e envolver Lula. Ele afirmou que o apartamento era “destinado” a Lula, uma acusação que contradiz outros 73 depoimentos, mas que foi considerada suficiente para o juiz Moro condenar Lula da Silva. A sentença de Pinheiro, por sua vez, foi reduzida para três anos e ele foi posto em regime semiaberto.

Leia Também
LULA LÍDER ABSOLUTO: Amorim desiste do Rio e pode ser vice de Lula
30 maio, 2018
CIRO BATE DURO NO SUPERLUCRO DE R$ 9 BI DO ITAÚ ISENTO DE IMPOSTOS
30 maio, 2018
Além de não provar que Lula era proprietário do apartamento, o Ministério Público não pode apontar nenhuma ação ou omissão específica que Lula tenha executado para beneficiar a OAS. Lula havia sido acusado de beneficiar essa empresa com três contratos de fornecimento para a Petrobrás. Após meses de investigações, nenhuma prova material nesse sentido foi encontrada. Moro então condenou Lula por ter praticado “atos indeterminados de corrupção” que teriam beneficiado a OAS. Essa categorização inverte o ônus da prova e a presunção de inocência e simplesmente não existe no sistema jurídico brasileiro.

Inadvertidamente, o próprio juiz Moro admitiu que não tinha jurisdição sobre o caso de Lula. Ao julgar um recurso apresentada pela defesa, ele declarou que “jamais afirmou… que os valores obtidos pela Construtora OAS nos contratos com a Petrobrás foram utilizados para pagamento da vantagem indevida para o ex-Presidente”. Se o caso não tem relação com a corrupção da Petrobrás, ele não deveria ter sido julgado por Moro.

Em termos mais simples, pode-se dizer que, no processo de Lula, o magistrado escolheu o réu e, atuando como investigador, promotor e juiz, condenou-o por ter cometido “atos de ofício indeterminados de corrupção”. Tal sentença, pelo seu próprio texto, não encontra sustentação legal e constitucional, inclusive pelas normas brasileiras, uma vez que se refere a “atos indeterminados”. Uma sentença que se refere a crimes “indeterminados” não resiste a qualquer escrutínio jurídico lógico e razoável, sendo completamente Kafkiana. Além disso, a referência a “atos de ofício” é irreal, pois as acusações infundadas que motivaram a sentença de Moro se referem a uma narrativa que começa em 2013, bem depois de Lula ter deixado o cargo.

A guerra jurídica contra Lula também incluiu táticas para manter seu caso sob a jurisdição de Moro a qualquer custo. Em março de 2016, Moro vazou ilegalmente escutas telefônicas envolvendo a presidente em exercício, Dilma Rousseff, que tratavam da nomeação de Lula como Ministro Chefe da Casa Civil da Presidência da República. Moro alegou, novamente sem provas, que essa nomeação era um meio de “obstrução da justiça”, já que, uma vez nomeado para o governo, Lula seria julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e não pelo próprio Moro. Embora a imparcialidade de Moro tenha sido questionada, o Tribunal Regional Federal da 4a Região (TRF-4), a instância a rever imediatamente o caso de Lula na estrutura judiciária brasileiro, considerou que a Operação Lava Jato era “excepcional” e que as regras “ordinárias” não se lhe aplicavam.

A natureza Kafkiana do julgamento de Lula foi reforçada quando, em agosto de 2017, o Presidente do TRF-4 declarou que a sentença de Moro contra Lula era “tecnicamente irrepreensível”, embora admitisse que nem havia lido o caso. Enquanto isso, sua chefe de gabinete postava em sua página no Facebook uma petição solicitando a prisão de Lula da Silva.

Em seguida, o TRF-4 acelerou a apreciação do caso. O julgamento da apelação contra a sentença de Moro que condenou Lula foi colocado à frente de 257 outros casos pendentes. O relator levou apenas seis dias para concluir sua análise do caso, em um processo que tinha literalmente milhares de páginas e horas de depoimentos. A turma do Tribunal levou 196 dias para julgar a apelação quando, em média, necessita de 473 dias para julgar casos semelhantes. O TRF-4 também ordenou a prisão de Lula tão logo do julgamento da apelação, o que aconteceu com apenas 3 dos outros 20 acusados na Lava Jato, cujos mandados de prisão foram emitidos apenas meses depois.

Lula então pleiteou um Habeas Corpus no Supremo Tribunal Federal (STF), visando afastar a possibilidade de prisão imediata, dado que ainda tinha o direito de entrar com recursos. De acordo com a Constituição brasileira, “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. Dada essa previsão expressa na Constituição, é importante notar o seguinte: a sentença proferida por Moro contra Lula, cuja condenação foi mantida e ampliada pelo TRF-4 (de 9 para 12 anos de prisão), ainda pode ser revista pelos Tribunais Superiores, incluindo o STJ (Superior Tribunal de Justiça) e o STF (Supremo Tribunal Federal), este último a instância mais elevada no país para questões constitucionais.

Em voto decisivo para a negativa do Habeas Corpus a Lula, uma Ministra do STF declarou que teria votado de outra forma se a Corte estivesse analisando a questão constitucional em abstrato, ao invés de sua aplicação específica ao caso de Lula. Na véspera da votação, o Comandante Geral do Exército tuitou uma mensagem para a Corte, dizendo que “o Exército não tolerará a impunidade”. Por essa ameaça velada, ele não recebeu reprimendas, mas sim uma “curtida” vinda da conta do Twitter do mesmo TRF-4 que confirmou a condenação de Lula.

Na manhã seguinte, o juiz que preside o TRF-4 previu, em entrevista à imprensa, que a prisão de Lula não ocorreria em menos de um mês, considerando todos os procedimentos ainda pendentes no tribunal. À tarde, no entanto, o TRF-4 pediu a Moro que ordenasse a prisão de Lula. Moro levou dezenove minutos para proferir decisão, a qual reconhecia que Lula ainda tinha direito a interpor um recurso perante o TRF-4, mas considerava que esse recurso é uma “patologia protelatória” que “deveria ser eliminada do mundo jurídico”.

Não é de surpreender pesquisa recente na qual 55% dos entrevistados no Brasil concordam que “Lula está sendo perseguido pelo Judiciário” e 73% concordam com a afirmação de que “os poderosos o querem fora das eleições” nas quais ele ainda é, de longe, o candidato favorito.

Os abusos do poder judiciário contra Lula da Silva configuram uma perseguição política mal disfarçada sob manto legal. Lula da Silva é um preso político. Sua detenção mancha a democracia brasileira. Os defensores da democracia e da justiça social no Oriente e no Ocidente, no Norte e no Sul do globo, devem se unir a um movimento mundial para exigir a libertação de Lula da Silva.

Exigimos: Free Lula, Lula Libre, Liberté por Lula, Freiheit für Lula, Lula Libero, حرية, 释放卢拉, 룰라 석방하라!, חוֹפֶשׁ, フリーダム, Свободу Луле, Lula Livre!

Redação Click Política