"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

terça-feira, 8 de agosto de 2017

A história da Cruz de Caravaca: O pedaço do madeiro onde Jesus foi crucificado

Cruz de Caravaca / Crédito: Facebook de Real e Ilustre Cofraria da Santíssima e Vera Cruz de Caravaca

MADRI, 08 Ago. 17 / 10:00 am (ACI).- Segundo a tradição da Igreja, a Cruz de Caravaca é um “lignum crucis” ou fragmento da Vera Cruz, um pedaço do madeiro e da relíquia de primeira classe pertencente ao madeiro no qual Jesus Cristo foi crucificado, relíquia encontrada por Santa Helena.

A cidade de Caravaca de la Cruz, em Murcia (Espanha), celebra desde o dia 8 janeiro de 2017 o Ano Jubilar. A cidade recebeu em 9 de janeiro de 1998 a concessão da Santa Sé da celebração de um Ano Jubilar a cada sete anos ao redor da devoção à Vera Cruz.

Pe. Pedro Ballester Lorca, capelão da Real Basílica-Santuário da Vera Cruz de Caravaca (Espanha), explicou em um escrito publicado pela Universidade Católica de Murcia que esta relíquia é conservada dentro do templo em um relicário em forma de cruz com a parte horizontal dupla e uma parte vertical.

“A importância do símbolo não está no estojo de madeira teca como algumas pessoas acreditavam erroneamente, mas na relíquia contida dentro dele. É uma cruz oriental, patriarcal e peitoral que, segundo a tradição histórica, pertenceu ao patriarca Roberto, primeiro bispo de Jerusalém (no ano 1099). Cento e trinta anos depois o patriarca, sucessor de Roberto, foi o protagonista que carregava a relíquia, a qual dois anos depois estava em Caravaca”, assinalou o sacerdote.

Entretanto, a relíquia havia sido descoberta no século IV por Santa Helena, mãe do imperador Constantino, e foi separada em três pedaços, “o primeiro pedaço foi entregue ao Patriarca de Jerusalém e os dois outros foram trazidos para Constantinopla e Roma”, indicou o Pe. Ballester.

Tradição da aparição

A devoção a esta relíquia é do século XIII e vincula os pedaços de madeiro sagrados a duas ordens religiosas da tradição dos Templários (Cavaleiros Templários) e de Santiago, titulares sucessivos do castelo onde se localizava o templo.

A autenticidade dos restos do madeiro foi suficientemente comprovada para que a Igreja lhes concedesse no século XVIII o culto de latria (adoração a Deus).

Segundo a tradição, no dia 3 de maio de 1231, a cidade de Caravaca estava no meio do território da dominação muçulmana e uma cruz com a parte horizontal dupla, a Santa e Vera Cruz, desceu do céu levada por alguns anjos para que um sacerdote, Pe. Ginés Pérez de Chirinos, preso pelo rei muçulmano Ceyt-Abuceyt, pudesse celebrar Missa.

“Nesse instante, entraram pela janela do quarto dois anjos celestiais segurando o lignum crucis e o colocaram no altar. O sacerdote recebeu a Santa Cruz das mãos dos anjos ante a surpresa da corte de Saíd e continuou a celebração”, narrou Pe. Ballester.

Este grande milagre fez com que o monarca e seus exércitos se convertessem ao cristianismo. Após esse milagre, começou o culto cristão na região, fronteira com o reino islâmico de Granada, que foi o último a cair e com o qual em 1492 terminou a dominação muçulmana na península ibérica.

Segundo o capelão, a devoção à Cruz de Caravaca não está “fundamentada somente pela tradição particular de um povo, nem com origem nem trajetória duvidosa, desconectada, marginal e conformado, mas integrada histórica, litúrgica e devocionalmente à comunidade cristã e eclesial”.

Caravaca foi designada cidade santa por São João Paulo II, que lhe concedeu este título por ter sido o cenário do grande milagre.
Photo published for Conheça as 3 relíquias da Paixão de Cristo que se conservam na Espanha
Conheça as 3 relíquias da Paixão de Cristo que se conservam na Espanha
 http://www.acidigital.com/noticias/conhe
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com