"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

sábado, 17 de junho de 2017

Temer lidera maior e mais perigosa organização criminosa do país, diz Joesley Batista

Em entrevista à "Época", dono da JBS relata pedidos de propina feitos pelo presidente e seu grupo político
 
POR O GLOBO 16/06/2017 23:20 / atualizado 17/06/2017 10:30
O empresário e dono da JBS, Joesley Batista - VANESSA CARVALHO / AFP
PUBLICIDADE

ÚLTIMAS DE BRASIL

 Rodrigo Rocha Loures chega na Polícia Federal após fazer exame de corpo de delito no IML Foto: Jorge William / Agência O Globo Rocha Loures quer sair da carceragem da PF mesmo que seja para voltar à Papuda 17/06/2017 11:58
 A ministra Cármen Lúcia chega para sessão do Supremo Tribunal Federal Foto: André Coelho / Agência O Globo/04-05-2017 Supremo suspende pedido de intervenção no Tribunal de Contas do Rio 17/06/2017 11:39
 O senador afastado Aécio Neves Foto: Andressa Anholete / AFP / 30-8-2016 Marco Aurélio nega pedido de Aécio Neves para que plenário do Supremo decida sobre prisão 17/06/2017 10:25
 Em depoimento, Joesley foca em Temer e explica laudo sobre áudio 17/06/2017 4:30
RIO - O empresário Joesley Batista, dono da JBS e delator na Operação Lava-Jato, afirmou que o presidente Michel Temer lidera “a maior e mais perigosa organização criminosa” do Brasil. A declaração foi dada em entrevista à revista "Época", na qual descreve a relação que mantinha com Temer, os pedidos de propina que teriam sido feitos pelo presidente e seu grupo político e as negociações para os pagamentos ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha depois de preso.

Veja também


O ministro Luiz Edson Fachin, durante sessão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal
STF vai julgar quarta-feira se pode mudar penas de delatores da JBS
Procurador-geral da República, Rodrigo Janot participa de reunião de Ministérios Públicos do Mercosul, na ArgentinaJanot adia entrega da denúncia contra Temer ao Supremo

Joesley Batista presta depoimento durante delação premiada
Joesley depõe à PF e confirma acusações de depoimento anterior sobre Temer
O ex-ministro do TSE Carlos Velloso, durante entrevista ao GLOBOTemer se reúne com ex-ministro do STF Carlos Velloso para avaliar situação jurídica
Joesley descreveu Temer como o líder do grupo político do PMDB que comanda a Câmara dos Deputados. Fariam parte desse grupo os ministros Eliseu Padilha (Casa-Civil) e Moreira Franco (Secretaria de Governo), os ex-ministros Henrique Eduardo Alves, que está preso, Geddel Vieira Lima e Cunha.

“Essa é a maior e mais perigosa organização criminosa desse país. Liderada pelo presidente”, declarou Joesley. “O Temer é o chefe da Orcrim da Câmara. Temer, Eduardo, Geddel, Henrique, Padilha e Moreira. É o grupo deles. Quem não está preso está hoje no Planalto”.

À revista, o dono da JBS disse que se aproximou de Temer “em 2009, 2010”, por meio do ex-ministro Wagner Rossi, e desde então manteve uma “relação institucional” com o presidente, a quem via como uma “condição de resolver problemas” de seus negócios.

“Acho que ele me via como um empresário que poderia financiar as campanhas dele — e fazer esquemas que renderiam propina. Toda vida tive total acesso a ele. Ele por vezes me ligava para conversar, me chamava, eu ia lá”, disse o delator.

O primeiro pedido de dinheiro teria sido feito em 2010. Um deles diz respeito ao pagamento de aluguel de escritório na Praça Pan-Americana, em São Paulo; outro pedido se refere à campanha de Gabriel Chalita à prefeitura paulista em 2012. Temer também teria pedido dinheiro para seu grupo político em 2014. O dono da JBS afirmou que o presidente pediu R$ 300 mil para fazer campanha na internet sobre sua imagem antes do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

“O Temer não tem muita cerimônia para tratar desse assunto. Não é um cara cerimonioso com dinheiro”, declarou.

PUBLICIDADE

Joesley relatou ainda pedidos para pessoas próximas ao presidente, como o advogado e ex-assessor da Presidência José Yunes e o ex-secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Milton Ortolon.

O dono da JBS afirmou que pagava propina porque dependia da atuação do grupo:

“Eles foram crescendo no FI-FGTS, na Caixa, na Agricultura — todos órgãos onde tínhamos interesses. Eu morria de medo de eles encamparem o Ministério da Agricultura. Eu sabia que o achaque ia ser grande”, disse.

Joesley também narrou uma disputa interna no PDMB.

“O PT mandou dar um dinheiro para os senadores do PMDB. Acho que R$ 35 milhões. O Temer e o Eduardo descobriram e deu uma briga danada. Pediram R$ 15 milhões, o Temer reclamou conosco. Demos o dinheiro. Foi aí que Temer voltou à Presidência do PMDB, da qual ele havia se ausentado. O Eduardo também participou ativamente disso”.

INTERLOCUÇÃO COM FUNARO E CUNHA

As tratativas de dinheiro, segundo Joesley, obedeciam a uma hierarquia dentro do grupo — primeiro, o empresário tratava de pagamentos com o doleiro Lúcio Funaro; caso não tivesse seu pedido atendido, buscava Eduardo Cunha, que seria subordinado a Temer, a quem recorria por último. Segundo Joesley, Michel Temer “se envolvia somente nos pequenos favores pessoais ou em disputas internas, como a de 2014”.

Joesley confirmou à revista que determinou pagamentos a Cunha e Funaro quando os dois já estavam presos para evitar que eles firmassem acordo de delação premiada. Os repasses teriam recebido anuência de Temer, como o empresário afirmou em sua própria colaboração com a Justiça. Segundo o dono da JBS, ele era procurado por Geddel “de 15 em 15 dias” para saber se “estava cuidando dos dois”.

“Eu informava o presidente por meio do Geddel. E ele sabia que eu estava pagando o Lúcio e o Eduardo. Quando o Geddel caiu, deixei de ter interlocução com o Planalto por um tempo. Até por precaução”, afirmou.

PUBLICIDADE

Joesley contou que Cunha e Funaro designaram representantes para receber o dinheiro.

“Virei refém de dois presidiários. Combinei quando já estava claro que eles seriam presos, no ano passado. O Eduardo me pediu R$ 5 milhões. Disse que eu devia a ele. Não devia, mas como ia brigar com ele? Dez dias depois ele foi preso”, afirmou.

O Palácio do Planalto não quis comentar as declarações de Joesley.

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com