"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Morre no RJ homem retirado da cracolândia por grupo de amigos

Carlos Eduardo Maranhão foi internado no início de junho em clínica de reabilitação em Petrópolis.
Por Juliana Scarini, G1, Petrópolis
08/06/2017 10h07
Carlos Eduardo Albuquerque Maranhão, o Sarda, em vídeo divulgado em janeiro deste ano (Foto: Facebook/Reprodução)
Carlos Eduardo Albuquerque Maranhão, o Sarda, em vídeo divulgado em janeiro deste ano (Foto: Facebook/Reprodução)

Morreu na noite desta quarta-feira (7) em uma clínica de reabilitação em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, o homem de 46 anos que optou por sair da cracolândia, em São Paulo, para se tratar. Carlos Eduardo Albuquerque Maranhão foi encontrado por amigos, que faziam uma campanha de financiamento coletivo intitulada “Nova chance ao Cadu” para financiar a internação, que aconteceu no dia 2 de junho.
A morte por parada cardiorrespiratória, consequência direta de anos de dependência de opióides (medicamentos usados como drogas) e crack, foi confirmada ao G1 pelo diretor médico da Clínica Revitalis, Sérgio Rocha, na manhã desta quinta-feira (8). Ele lamentou o ocorrido e afirmou que esta é a primeira vez que um paciente morre durante o tratamento.
"Ele estava muito debilitado e vinha na fase inicial do tratamento, que chamamos de desintoxicação. A mesma consiste, principalmente, em suporte médico, cuidados de enfermagem, cuidados nutricionais e investigação de outras comorbidades clínicas e psiquiátricas", esclareceu o médico.
Segundo informações publicadas pelo O Globo, Carlos Eduardo foi encontrado na cracolândia por amigos do Colégio Santa Inácio, no Rio, onde estudou durante a infância. Um dos amigos que participou da retirada de Carlos Eduardo fez um desabafo em uma rede social nesta quarta, após a notícia da morte.
“Nosso Sarda (como era chamado) faleceu poucas horas atrás durante o período mais crítico de abstinência pelo qual passava. Estou vazio, com as emoções bloqueadas (…). Tristeza profunda. Entreguei a notícia a família com um enorme peso nas costas. Eu sou parte de um grupo de pessoas que agiram de forma coordenada e movidas por um só sentimento, que é o amor”, relatou Carlos Moreira em sua página pessoal.
O amigo também lembrou frases de Cadu, afirmando que “faria tudo novamente” e que “o Sarda disse em determinado momento que se chegássemos três meses mais tarde ele não estaria mais vivo. Disse também que se não fosse para ir para clínica em questão, ele preferiria ficar onde estava. Ao chegar na clínica disse que tinha mais de seis anos que ele não via grama”.
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com