"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Diante de olhos tristes, é preciso fazer menos perguntas e dar mais abraços

  A mente é maravilhosa | Jun 09, 2017
Ollyy
Compartilhar 274
Comentar  0
Há momentos em que as palavras sobram...

Quando uma pessoa está triste, tendemos a enchê-la de perguntas sobre o que está acontecendo, por que está se sentindo assim, como ela está, como podemos ajudá-la etc. Contudo, às vezes aos olhos tristes é preciso fazer menos perguntas e dar mais abraços.

Porque quando nos sentimos mal e estamos rodeados por uma tempestade de tristeza, a mente e o corpo precisam do apoio emocional de nossos amigos e das pessoas que são queridas por nós.

A tristeza é uma emoção útil e básica que tem como peculiaridade a sua capacidade de promover a empatia dos outros para com a pessoa triste, e assim favorece o apoio emocional para quem precisa de um ombro para encostar.
A normalização e a validação da tristeza

Muitas vezes as pessoas não precisam de palavras de bom humor, e sim de corações pacientes que ouçam e ofereçam um abraço quando estão atravessando momentos emocionalmente complicados.

Ou seja, a melhor forma de ajudar uma pessoa que está triste é simplesmente oferecendo a sua presença sem palavras, colocando a mão sobre o seu ombro e olhando-a com carinho e sinceridade.

Porque há momentos em que as palavras sobram e a única coisa que precisamos é que nos deixem tranquilos, poder respirar e colocar em ordem os pensamentos, pois no fim das contas a tristeza facilita a introspecção.

“A nossa sociedade tem cada vez menos tolerância para qualquer tipo de sofrimento e mal-estar. A necessidade de se sentir feliz faz com que muitas vezes não suportemos conviver com a tristeza”

-Narcís Cardonés-
A tristeza, uma linguagem universal

A tristeza é a emoção da pena, da perda, e do prejuízo. Uma experiência que, apesar de negativa, é saudável para nós, já que inspira uma consciência maior de tudo aquilo que nos rodeia.

Esta experiência emocional cresce e permanece quando percebemos que nos encontramos em solidão, pois se soma ao desânimo e gera um morro ou montanha cada vez maior que custamos a assumir e que pode chegar a se transformar em uma patologia e se materializar em um estado emocional insano.

Abraçar certos olhos tristes simboliza o acolhimento e o sustento do mundo no qual se vive, a luta conjunta e o apoio emocional.
Abraçar esse demônios que vêm para nos dizer alguma coisa

Bloquear as nossas emoções é um erro grave. Isto é o que nos ensinam os filmes como “Divertida Mente”. Concretamente, a tristeza nos ajuda através da desmotivação que nos faz refletir, analisar e evocar comportamentos de cuidado para com os outros.

Por isso, assim como costuma-se dizer, se negamos a nossa tristeza e não a demonstramos, perdemos tudo isso, não obtendo a oportunidade de receber um abraço longo e carinhoso que nos ajude a lembrar que não estamos sozinhos e que dê apoio a nossos olhos tristes.

A sociedade das receitas de felicidade nos obriga a estar alegres sempre e a não permitir o sofrimento, pois este é visto como anormal e negativo. Entende-se que a tristeza nos transporta para um lugar indesejado e, no fim, caímos na armadilha do desejo excessivo.

Por isso, um abraço sem questionamentos nem perguntas nos ajuda a normalizar que podemos estar tristes e que, de fato, devemos aceitá-lo. Que o nosso entorno não julgue e menospreze o nosso estado emocional é essencial para recuperarmos a confiança em nós mesmos.

Porque há abraços que nos ajudam a recompor as partes que estavam quebradas em nossos corações, aceitando que nossos dias têm tantas nuances quanto as nossas circunstâncias, e compreendendo que nossas emoções devem ficar à margem desse supermercado de razões e receitas para quase tudo.

(via Mente Maravilhosa)

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com