"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Deus: enigma ou mistério?

domtotal.com
Compreender Deus como mistério é compreendê-lo como um Ser que não se esgota, que transcende nossa imanência e nossa realidade vista de modo parcial e limitado.
Muitas pessoas lidam com ele como se comportassem frente a um enigma.
Muitas pessoas lidam com ele como se comportassem frente a um enigma. (Divulgação)
Felipe Magalhães Francisco*

Para muitos, Deus é um enigma: um problema a ser resolvido e esclarecido, desvendado. Mesmo que grande parte das religiões pensem Deus como mistério, muitas pessoas lidam com ele como se comportassem frente a um enigma. Para a mentalidade ocidental é difícil fugir disso: queremos esmiuçar, racionalmente, todas as coisas, destrinchando-as e dissecando-as para nutrir o entendimento intelectual. Com Deus, isso também se dá. Não raro, muitos teólogos tentaram colocar Deus dentro de uma caixinha enfeitada. Mas igualmente caixinha.

Comumente, a palavra mistério está associada à compreensão de enigma. Considera-se o misterioso como o que está oculto. O mistério, ao contrário, é aquilo que se revela. E, aqui, a ambiguidade da palavra revelação é de grande valia: é tirar o véu e, ao mesmo, re-velar, velar de novo. É próprio do mistério o mostrar-se e o esconder-se: é amplo, infinito, profundo. Inesgotável. É como se aproximar, sedento, junto a um manancial de água, saciar-se e perceber que a água permanece a jorrar, abundante.

Compreender Deus como mistério é compreendê-lo como um Ser que não se esgota, que transcende nossa imanência e nossa realidade vista de modo parcial, limitado e contingente. O mistério, antes de tudo, é para ser experimentado: ele é um convite ao mergulho, sempre ilimitado, no infinito que pode nos trazer sentido. A compreensão desse mistério, que ultrapassa a questão racional-intelectual, é a possibilidade de nos humanizarmos com sentido. Essa compreensão como experiência de sentido é o que podemos chamar de espiritualidade.

Essa compreensão de Deus como mistério nos abre à possibilidade de nos compreendermos a nós mesmos. Somos, igualmente, mistério: inesgotáveis, sempre na possibilidade e na iminência de nos conhecermos sempre mais, de modo cada vez mais profundo e transformador. Esse é, também, um caminho espiritual, pois mergulhando no profundo de nós mesmos, encontramos o mistério de Deus que em nós ecoa, e nos transformamos em pessoas mais humanizadas.

Às religiões, fica a interpelação a que sejam propiciadoras de experiências com esse mistério, e não as barreiras que impedem as pessoas de mergulharem em sua profundeza. Esse mistério, no entanto, permanece acessível para além das tradições religiosas, que não são detentoras do caminho, tampouco do acesso a ele. Em cada pessoa, uma abertura fundamental que clama por algo a mais, por uma profunda experiência de sentido e de elevação, que nos faz ser mais: mais para nós mesmos, mais para os outros, mais para o mundo. Ceder a esse mistério que nos interpela, que nos seduz, é ceder ao amor que nos arrebata de nós mesmos, que nos faz buscar viver de modo cada vez mais integral, despretensioso e gratuito. Que tenhamos coragem!

*Felipe Magalhães Francisco é teólogo. Articula a Editoria de Religião deste portal. É autor do livro de poemas Imprevisto (Penalux, 2015). Escreve às segundas-feiras. E-mail: felipe.mfrancisco.teologia@gmail.com.
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com