"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

domingo, 18 de junho de 2017

Desafios de uma evangelização na era pós-digital

  Canção Nova | Jun 16, 2017
© nmedia / Shutterstock
É preciso que o evangelizador on-line desenvolva habilidades que o capacite a enfrentar os perigos e desafios deste universo digital

Vivemos na era pós-digital! A internet não é novidade, já não tememos tanto o mundo virtual, e todos nós, de alguma maneira, estamos nos acostumando a viver no espaço real (físico e analógico) e no mundo virtual (digital). Vivemos lá e cá, entre dois universos que não se excluem necessariamente, complementam-se com frequência e demandam de nós todo empenho na realização daquilo que somos e acreditamos.

São Paulo diz: “Ai de mim se não anunciar o evangelho!”. Essa verdade se realiza tanto aqui como ali, tanto no espaço presencial quanto no remoto. No entanto, se o mundo digital tem suas múltiplas características próprias, suas próprias leis, é possível que um evangelizador on-line precise desenvolver virtudes e habilidades que o capacite a melhor enfrentar os perigos e desafios deste universo.

–– ADVERTISEMENT ––


Em seu livro “Marketing e Comunicação na era pós-digital”, o novo presidente do grupo Abril desde 2016, Walter Longo, alerta para aspectos específicos do mundo digital: efemeridade, mutuabilidade, multiplicidade, sincronicidade, complexidade, tensionalidade. Ciente de que o anúncio querigmático não é uma campanha de marketing, propomo-nos, neste texto, investigar aquilo que podemos aproximar ou confrontar com a experiência evangelizadora.

Efemeridade
A efemeridade afirmada por Longo diz respeito sobre a velocidade com que tudo “envelhece” no universo digital. Não são apenas as ferramentas, mas também as mídias. Um evangelizador eficiente, nesta era pós-digital, precisa se antecipar, ver na frente as tendências e ser capaz de mudar, de adequar seu formato e conteúdo para melhor comunicar a sua mensagem. “Pensar rápido!” é a palavra de ordem. A velha máxima “em time que está ganhando não se mexe” não tem mais lugar. O evangelizador on-line precisa ser ágil e atualizar constantemente seu discurso, sob o risco de oferecer comida fria a quem está precisando do seu alimento espiritual.

Mutualidade
A mutualidade é a conexão entre as coisas, as máquinas, os dispositivos. Nosso celular comanda por aplicativos, nossa agenda, nossos e-mails, nossa conta bancária, nossas redes sociais e, pasmem, até a nossa prática meditativa (exemplo? O app Headspace). Podemos acessar tudo o que se relaciona a nossa vida e nosso cotidiano.

Para melhor maximizarmos os efeitos da comunicação do anúncio evangélico, precisamos que o evangelizador entenda esse processo e como ele impacta nossa vida. A conexão entre todos os âmbitos da nossa vida gera uma quantidade de informação e dados (Big Data, Small Data…), os quais precisam ser interpretados para que se otimize nossa missão. Entender a métrica oferecida por redes sociais pode ser um bom ponto de partida para compreender com quem nos comunicamos: seus hábitos, seus interesses e rotina. Se Paulo, em Atenas, diante dos muitos deuses, soube identificar na estátua ao “deus desconhecido” uma oportunidade de anunciar o Cristo, em tempos atuais precisamos saber quais são os equivalentes a este “deus desconhecido” de agora. É preciso não só olhar os dados, mas aprender a interpretá-los, fazê-los gerarem fatos!

Multiplicidade
A multiplicidade: a antiga linearidade morreu. Hoje em dia, ao mesmo tempo que um jovem assiste a um filme no cinema com sua namorada, atualiza suas redes sociais em grupos de WhatsApp e faz uma busca no Google sobre o melhor lugar para levar sua acompanhante para jantar depois. Nossos ouvintes estão em muitos lugares e mudam-se (de mídia) com uma velocidade incrível. É preciso entender esta relação sem preconceitos, para que se possa dialogar de forma eficaz, conscientes das limitações que esse aspecto caótico e fragmentário pode trazer. Fica a pergunta: de que forma está fragmentação dificulta ou mesmo impossibilita de se falar de valores como unidade e integralidade?

Sincronicidade
A sincronicidade retoma o pensamento de que as pessoas (nesta era pós-digital) estão em muitos lugares ao mesmo tempo. No entendimento das métricas e dados já citados podemos afinar a nossa sensibilidade e compreender melhor os interesses e necessidades de quem nos escuta, de quem participa da audiência deste novo areópago digital. É preciso estar atento aos problemas reais e necessidades de quem nos escuta para que o anúncio evangélico tenha sincronismo com o cotidiano vivido da nossa audiência.

Complexidade
A complexidade é também um aspecto fundamental nos tempos atuais. Não há mais o número anônimo na audiência, pois a internet deu voz a todos os que são atingidos pela nossa mensagem. Eles podem concordar, discordar, agredir, reagir, apoiar etc. Essa complexidade faz nascer a necessidade de uma habilidade especial: a conexão com as múltiplas disciplinas. Não se precisa ter a resposta para tudo, mas é preciso ter uma compreensão do todo e não só das partes, juntar as peças do quebra-cabeça evangelizador e oferecer caminhos, textos e contextos possíveis e válidos para um anúncio mais efetivo.

Tensionalidade
Walter Longo fala, por último, na tensionalidade. Essa capacidade de não ser tão coeso, de inserir aspectos, muitas vezes plurais e contraditórios, gerando tensão, uma conexão emocional. Ele cita, por exemplo, o caso de Steve Jobs que era ao mesmo tempo carismático e com fama de carrasco. Gerando tensão e se destacando da multidão. Tentando traduzir em termos evangelizadores, talvez possamos entender que a proximidade que o universo digital nos proporcionou, faz surgir uma necessidade vital do ser humano: se reconhecer, na sua limitação e pluralidade, de forma igual, sincera e verdadeira naqueles que nos ofertam um caminho espiritual.

Evangelização não é marketing. Não de um jeito institucional de se pensar. Assim como o Papa Francisco já afirmou que a Igreja não é uma ONG. Mas a reflexão a partir de pontos de vistas diferentes pode nos sugerir outras possibilidades de fazer aquilo que nos é uma imposição do amor: levar o Cristo a todos!

Por Augusto Cézar (Músico da banda DOM, compositor, escritor de 3 livros, professor e palestrante) via Canção Nova 
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com