"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

terça-feira, 6 de junho de 2017

250 milhões de pessoas não têm acesso a bancos na América Latina e Caribe

 domtotal.com
Milhões de adultos seguem sem acesso a serviços financeiros, devido a disparidades de renda e a sua exclusão do sistema financeiro.
A inclusão financeira não se resume somente a propiciar acesso a serviços financeiros.
A inclusão financeira não se resume somente a propiciar acesso a serviços financeiros. (Divulgação)

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse hoje (6), em Brasília, que, na América Latina e no Caribe, milhões de adultos seguem sem acesso a serviços financeiros, devido a disparidades de renda e a sua exclusão do sistema financeiro. Ele participou da abertura do 1º Encontro de Especialistas da Iniciativa para a Inclusão Financeira da América Latina e Caribe (Filac), da Aliança para Inclusão Financeira (AFI).

“Os países da região, em geral, têm um baixo nível de poupança formal e uma penetração muito pequena no que se refere a soluções envolvendo celulares. Além disso, apesar de os países da região possuírem características em comum, ainda há grande variação nos níveis de inclusão financeira entre eles”, disse.

Goldfajn acrescentou que a inclusão financeira não se resume somente a propiciar acesso a serviços financeiros. “Embora esse já seja um grande desafio, é preciso também que esses serviços sejam adequados às necessidades da população incluída e que seu uso seja feito de forma consciente e responsável”, acrescentou.

250 milhões de pessoas sem acesso a bancos

O diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania do Banco Central, Isaac Sidney, destacou que, apesar de alguns “avanços recentes”, ainda há na América Latina e Caribe cerca de 250 milhões de pessoas sem acesso a serviços bancários. “Em média, a posse de conta bancária na América Latina e no Caribe gira em torno de 45%, e o nível médio de poupança formal é ainda mais baixo, 17%”, disse o diretor.

“Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), entre os 15 países mais desiguais do mundo, 10 pertencem à nossa região. Assim, ao estimular políticas de inclusão financeira, a Filac tem o potencial de ser uma instância indutora de crescimento econômico na região, promovendo o acesso da população cada vez maior a serviços financeiros, facilitando a poupança formal e o uso do crédito”. finalizou.


Agência Brasil
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com