"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

sexta-feira, 12 de maio de 2017

O impacto do crescimento urbano na biodiversidade de aves nas cidades da Amazônia

  domtotal.com
O beija-flor-de-veste-preta foi uma das espécies estudadas.
O beija-flor-de-veste-preta foi uma das espécies estudadas.
O beija-flor-de-veste-preta foi uma das espécies estudadas. (Divulgação)

Estudo inédito desenvolvido por pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi registrou a presença de 99 espécies de aves na cidade de Belém (PA), o que representa apenas 20% das 492 espécies já listadas para a região metropolitana. Para chegar a esse número, os cientistas percorreram, durante um ano, o mesmo trajeto de cinco quilômetros. As aves ouvidas ou avistadas eram registradas no aplicativo eBird.

Os resultados dão pistas sobre a capacidade de adaptação das aves ao ambiente urbano e as ameaças que a cidade oferece para a biodiversidade amazônica. Além disso, chama a atenção para os serviços ecossistêmicos realizados por aves, que contribuem para o bem estar dos habitantes das cidades.

De acordo com o estudo, a presença de poucas espécies de aves em Belém está relacionada à falta de grandes espaços verdes na cidade. “Belém tem poucas áreas verdes, e as que ainda resistem à urbanização estão cercadas de casas e prédios, o que impede a dispersão e a colonização de espécies, afetando principalmente aquelas que são dependentes de florestas”, afirma o pesquisador Alexander Lees, agora na Manchester Metropolitan University, na Inglaterra.

Ele cita, por exemplo, apenas 3,4% de cobertura vegetal num dos distritos percorridos durante a pesquisa, no sudoeste de Belém.

Migração

O estudo constatou ainda maior diversidade de aves entre janeiro e abril, quando há grande presença de espécies migratórias, principalmente aquáticas, do hemisfério norte, como gaivotas, talha-mar e maçaricos. Das 99 espécies registradas ao longo do ano pelos cientistas, 66 eram residentes, nove eram migrantes de áreas boreais da América do Norte, 12 eram migratórias austrais e 12 eram migrantes intratropicais.

De acordo com a pesquisadora Nárgila Moura, as áreas próximas ao rio podem funcionar como local de descanso para as espécies que estão migrando e que tenham Belém na sua “rota de viagem”. “A região também recebe espécies migratórias do sul da América do Sul, chamadas de migratórias austrais. Essas espécies vão passar o inverno em áreas como a Praça Batista Campos ou outras áreas verdes”, explica.

Apenas cinco espécies de aves exóticas, como pombo-doméstico e pardal, foram registradas no estudo. Porém, a abundância dessas espécies foi maior que dos outros grupos nativos.

O estudo ressalta a importância das aves na prestação de serviços ambientais, que podem melhorar o bem estar das pessoas nas áreas urbanas. Esses serviços incluem o controle de pragas, como insetos e ratos, e a decomposição de detritos.


Eco Debate
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com