"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Pecuária sustentável na Amazônia esbarra em custos e crédito

 domtotal.com
O custo médio para a transição à pecuária sustentável é alto .
O preço pago ao pecuarista que adere ao programa é o mesmo pago àquele que faz tudo errado.
O preço pago ao pecuarista que adere ao programa é o mesmo pago 
àquele que faz tudo errado. (Reprodução)

A falta de crédito e de interesse do varejo por produtos sustentáveis pode limitar o escopo de um projeto ambiental inédito no país a no máximo 20% das propriedades rurais da Amazônia.  Isso porque é caro demais implementar boas práticas associadas à elevação da produtividade animal sem contrapartidas de mercado.  Sem elas, somente fazendas com área acima de 400 hectares teriam fôlego financeiro para mudar sua forma de produção sem destruir a floresta.

Esse é o principal alerta do estudo “Custos, benefícios e desafios da intensificação sustentável da pecuária”, publicado pela ONG The Nature Conservancy (TNC) como um diagnóstico da viabilidade econômica dos primeiros anos do projeto “Do Campo à Mesa”.  Lançado em 2009, em parceria com o Marfrig e a rede varejista Walmart, o projeto visa diminuir os impactos da pecuária no ambiente através da adoção de boas práticas agropecuárias e bem-estar animal.

Em questão estão 13 propriedades rurais em São Félix do Xingu, no Pará. As fazendas estudadas somam 40 mil hectares (metade é pasto) e 33 mil bois.

Sete anos após sua implementação, duas constatações são extraídas dessa experiência. A primeira é que o resultado é bom. Com o projeto, nenhuma das propriedades efetuou qualquer desmatamento. A melhora na genética animal, a manutenção e o manejo do pasto contribuíram para, em alguns casos, mais que dobrar a produtividade – ou seja, o número de animais no pasto. Da média histórica de 1,2 boi por hectare na Amazônia, os pecuaristas do projeto foram a três ou quatro animais. Ao mesmo tempo, as pastagens estão gradativamente sendo reformadas, e as áreas de preservação permanentes isoladas, como as margens dos cursos de água. Tudo isso garante benefícios ambientais, qualidade da produção e conformidade com a lei.

A outra constatação é que o custo médio para essa transição à pecuária sustentável é alto comparado ao que o pecuarista brasileiro tem hoje como referência. São US$ 1.335 por hectare – de 2,8 a 6 vezes o custo da atividade extensiva. Nas propriedades médias e grandes, esse investimento se paga e começa a dar retorno superior ao da pecuária tradicional em sete a 11 anos a partir do início da intensificação.

Mas é nas propriedades menores – em geral em piores condições e com uma lista maior de correções a serem feitas – onde as melhorias pesam mais: o hectare passa a custar US$ 2.368, um valor fora de sintonia com a capacidade financeira dessa camada da economia rural.

“Escala, nesse caso, não é factível. Funcionaria apenas para propriedades acima de 400 hectares, só que 80% delas têm menos de 300 hectares. Uma outra abordagem deve ser considerada”, diz Edenise Garcia, gerente-adjunta de Ciências da TNC e coautora do estudo.

Pesa contra eles a falta de titularidade da terra (o que os afasta do crédito rural), as dificuldades de acesso ao Programa de Agricultura de Baixo Carbono e a própria aversão ao risco e a tecnologias – maior entre os pecuaristas que em produtores de soja, por exemplo.

Além disso, apesar das várias iniciativas ‘verdes’ e programas de bônus, a falta de incentivos e demanda do mercado varejista por produtos sustentáveis prevalecem na cadeia de valor da carne, o que freia o investimento em boas práticas. O preço pago ao pecuarista que adere ao programa é o mesmo pago àquele que faz tudo errado.

“Em muitos casos, a sustentabilidade não é encorajada e valorizada, e a crise econômica brasileira limita a habilidade dos frigoríficos de assumir riscos e custos sem apoio de varejistas, cuja principal preocupação (dividida com o consumidor) é comprar carne a preço acessível”, diz o documento. Some-se a isso o valor de mercado menor da carne do Pará, as distâncias de frete e custos com insumos (suplemento animal, fertilizantes), a margem de São Félix sofre ainda mais pressão. Se a sustentabilidade for escalonada, esses custos terão de ser reduzidos, conclui o estudo.


Amazônia.org
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com