"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

quinta-feira, 23 de março de 2017

Se você ocupa uma posição de líder em sua empresa, precisa ler isto

  Centro De Estudios Católicos | Mar 23, 2017
Pressmaster - Shutterstock
O segredo do sucesso das mentes colaborativas: você não tem que competir com seus subordinados.

O conceito de trabalho colaborativo é cada vez mais relevante num mundo globalizado e interconectado. O trabalho e o pensamento colaborativos permitem que as organizações se integrem de forma eficaz e passem a valorizar os investimentos em cada membro da empresa.

Um organização que estimula o trabalho colaborativo está mais preparada para se adaptar e responder mais rapidamente aos desafios que a cercam.

Em uma recente publicação, são descritas diversas atitudes características de uma mente colaborativa:

Usa sua influência para conectar com os demais; não para competir com eles;
Lidera como um servidor;
Encara as diferenças como oportunidades, não como ameaças;
Semeia o paradigma de que todos devem ganhar;
Promove abertamente as possibilidades de mudança, sem buscar os culpados pelos erros;
Fomenta o intercâmbio de ideias para criar valor;
Valoriza a interdependência entre os membros da equipe. (Dwana Markova e Angie McCarthur)


Esta atitude vital de abertura e cooperação deve estar presente na cultura organizacional e nutrir os diversos processos de formação e sistemas de avaliação. Deve-se recompensar os membros da equipe não só pelo atingimento das metas pessoais, mas também pelo desempenho da equipe.

Uma das competências-chave que deve ser estimulada é a capacidade de ir ao encontro das necessidades dos outros. Desta forma, gera-se um clima de cooperação e integração na equipe, visando o bem comum da organização.

É um desafio alcançar os objetivos entre os departamento. Em algumas ocasiões, as contribuições de um grupo se opõem às dos outros, gerando rivalidade e superposição de funções, ao invés de sinergia e complementariedade.

Nestes casos, o líder deverá identificar as características pessoais e as da equipe que podem contribuir com a visão comum nos seguintes aspectos: visão de conjunto, capacidade analítica, criatividade, entre outras. Assim, cada um enriquecerá e complementará a dinâmica organizacional de forma análoga a uma sinfonia, em que cada instrumento é necessário e insubstituível.

Por Carlos Muñoz Gallardo. Artigo originalmente publicado por Centro de Estudios Católicos

Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com