"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

sábado, 11 de março de 2017

Francisco/4.º aniversário: O Papa que não quer ser visto como «revolucionário» nem super-herói


Agência Ecclesia 11 de Março de 2017, às 09:00       

Pontificado marcado por mensagens de abertura e esforço de reforma interna

Lisboa, 11 mar 2017 (Ecclesia) - O Papa vai completar esta segunda-feira quatro anos de pontificado, marcados por mensagens de abertura e diálogo, com atenção aos mais desfavorecidos, e medidas de reforma interna.

Francisco disse esta semana, em entrevista a um periódico alemão, que não gosta da “idealização” da sua figura, ele que já foi representado como um super-herói.

“Eu sou um pecador, sou limitado”, referiu ao ‘Die Zeit’, depois de em janeiro ter referido ao ‘El País’ que apenas quer uma Igreja mais “próxima” e rejeita a ideia de “revolução” ou de ser “incompreendido”.

Repetindo alertas contra a onda de “populismo” no Ocidente, Francisco tem sublinhado a necessidade de construir “pontes” para travar a cultura do “medo” do outro que leva a levantar “muros”, ao mesmo tempo que critica a exploração dos países mais pobres e os negócios da guerra.

A mensagem passa por gestos concretos, como a visita a Amatrice, uma das zonas afetadas pelos sismos no centro de Itália, a viagem a Lesbos, de onde voltou com um grupo de refugiados, ou o encontro com líderes de várias religiões, na cidade italiana de Assis, assinando uma declaração conjunta pela paz que rejeita o terrorismo fundamentalismo.

A condenação da violência em nome da religião, da “loucura homicida” do fundamentalismo tem acontecido em diversas ocasiões, muitas vezes com o pano de fundo a perseguição a minorias religiosas no Médio Oriente e o “martírio” dos cristãos em vários países.

Ecumenicamente, os últimos meses ficaram marcados pelo encontro histórico com o patriarca ortodoxo de Moscovo, Cirilo, em Cuba; pela viagem à Suécia, para assinalar com os luteranos os 500 anos da reforma protestante; e pela primeira visita de um Papa à igreja anglicana de Roma.

A aproximação a outras comunidades cristãs tem gerado algumas críticas internas, que se multiplicaram a respeito de posições apresentadas na exortação apostólica pós-sinodal ‘Amoris Laetitia’, que recolhe os resultados de dois Sínodos sobre a família (2014 e 2015), na qual se propõe um caminho de “discernimento” para os católicos divorciados que voltaram a casar civilmente.

No atual pontificado, a Igreja Católica viveu o terceiro Ano Santo extraordinário da sua história, o Jubileu da Misericórdia, para, nas palavras do Papa, sublinhar que “a misericórdia é o nome de Deus” e recordar a importância do “perdão”.

Simbolicamente, foi neste ano que aconteceu a canonização de Santa Teresa de Calcutá.

Na Polónia, onde presidiu à Jornada Mundial da Juventude, passou em silêncio pelos campos de concentração nazi de Auschwitz.

O Papa tem alertado para a “globalização da indiferença” e para os perigos da concentração da riqueza, propondo uma mudança do paradigma económico e financeiro internacional.

A reforma da Cúria Romana, com a ajuda de um Conselho de Cardeais dos cinco continentes, já levou à criação de dois dicastérios (Leigos, a Família e a Vida; para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral) e a várias alterações na administração económico-financeira da Santa Sé e do Estado do Vaticano, além de medidas no acompanhamento e prevenção de casos de abusos sexuais.

O cardeal Jorge Mario Bergoglio foi eleito como sucessor de Bento XVI a 13 de março de 2013, após a renúncia do agora Papa emérito, assumindo o inédito nome de Francisco; é o primeiro Papa jesuíta na história da Igreja e também o primeiro pontífice sul-americano.

Em 48 meses, o Papa argentino fez 17 viagens internacionais e ainda 12 visitas na Itália, incluindo uma passagem pela ilha de Lampedusa; Fátima vai receber Francisco a 12 e 13 de maio, na celebração do Centenário das Aparições.

Entre os principais documentos do atual pontificado estão as encíclicas 'Laudato si', dedicada a questões ecológicas, a 'Lumen Fidei' (A luz da Fé), que recolhe reflexões de Bento XVI, e as exortações apostólicas 'Evangelii Gaudium' (A alegria do Evangelho) e ‘Amoris Laetitia’ (A alegria do amor).

OC
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com