"Quem me dera ser leal, discreto e silencioso como minha sombra" (Dom Helder Câmara).

sábado, 25 de março de 2017

Encíclica «Populorum Progressio», do Papa Paulo VI, cumpre 50 anos

Agência Ecclesia 24 de Março de 2017, às 16:08      

Documento apresentou desenvolvimento como «novo nome da paz»


Lisboa, 24 mar 2017 (Ecclesia) - A encíclica ‘Populorum Progressio’, na qual o Papa Paulo VI apresentou o desenvolvimento como “o novo nome da paz”, completa este domingo 50 anos e está no centro da mais recente edição do Semanário ECCLESIA.

O documento pontifício propunha a criação de “um grande Fundo mundial”, sustentado por uma parte da verba das despesas militares, para ir em auxílio dos “mais deserdados”.

Pedro Vaz Patto, presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP) realça a noção de “desenvolvimento humano integral” apresentada por Paulo VI, que inspirou o Papa Francisco a criar um novo organismo da Santa Sé, precisamente com esse nome.

“[A Populorum Porgressio] explicita como o desenvolvimento de todos os homens e do homem todo. Trata-se de ir de encontro à aspiração de realizar, conhecer e possuir mais, para ser mais O crescimento económico é positivo apenas quando é instrumento para ser mais. O desenvolvimento, pessoal e comunitário, é um dever que corresponde aos desígnios de Deus”, precisa o presidente da CNJP, em texto publicado no Semanário ECCLESIA.

Já António Bagão Félix, antigo presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, confessa que a ‘Populorum Progressio’ teve para si um impacto “muito grande” logo em 1967, como “estudante de economia e católico”.

Em entrevista à Agência ECCLESIA, o ex-ministro assinala que a proposta papal “era bastante fraturante” para o regime de Salazar, por exemplo, ao fazer a “clara distinção” entre colonização e colonialismo.

Para António Bagão Félix, aquando a publicação deste documento “não havia sequer” a noção do que hoje “anda nas bocas do mundo”, a globalização como “erosão” da noção de tempo e de espaço nas relações económicas, culturais, mediáticas.

Manuela Silva, também ex-presidente da CNJP, escreve por sua vez que a “vocação cristã de presença no mundo deve concretizar-se em iniciativas coletivas inovadoras e inspiradas no Evangelho”, como é proposto por Paulo VI, tendo em vista “um desenvolvimento integral” que hoje se denomina também de “humano e sustentável”.

Acácio Catarino, especialista em Doutrina Social da Igreja, recorda que a Populorum Progressio foi “amplamente difundida, profundamente estudada e teve continuidade e atualizações pontifícias” pela mão de João Paulo II, Bento XVI e Francisco, embora entenda que “a sua mensagem fundamental não foi assumida pela generalidade dos cristãos”.

João José Fernandes, director-executivo da ‘Oikos – Cooperação e Desenvolvimento’, assinala, por seu lado, o desafio deixado por Paulo VI de trabalhar na “promoção da paz” sem remeter-se a “uma caridade particular, de microrrelações, ignorando a necessidade de atuar, com justiça, sobre as condições sociais, económicas e políticas”.

OC
Compartilhe:

0 comentários:

Postar um comentário

Pe. Geovane Saraiva

Pe. Geovane Saraiva

POSTAGENS POPULARES

SIGA-ME

Siga por e-mail

Tecnologia do Blogger.
Copyright © F.G. Saraiva | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com